sábado, 24 de abril de 2010

O CÚMULO DO ABSURDO - E AINDA É GRADUADO A MONSENHOR!!!!!!


Arapiraca: monsenhor é acusado de sexo com menores

12/03/2010 - 7:00 -
O programa “Conexão Reporter” do SBT apresentou na noite desta quinta-feira (8) uma reportagem sobre casos de pedofilia em Arapiraca, segunda maior cidade do estado de Alagoas. Segundo a mesma, quem aparece nas imagens supostamente tendo relações com um menor de idade seria o monsenhor daquela cidade. Confira o texto, as imagens e o que disse o repórter Roberto Cabrini em seu blog.

Atrás da Sacristia, o segredo. Uma imagem perturbadora. Sexo, intrigas e poder na Igreja Católica. O altar e o crucifixo como testemunhas. Mentes traumatizadas. Lembranças que persistem. Pesadelos intermináveis. O ensino sagrado, evangelho e a formação do caráter de jovens. Pretexto para se aproximar de meninos que achavam que ser coroinha era o caminho mais curto até Deus? O verdadeiro caminho do calvário. A inocência negada. Proibida. Violentada.
Nossa investigação começa quando temos acesso a um vídeo, entregue por um morador de uma cidade de Alagoas. Cenas que revelam uma face obscura da fé. No fundo, o altar de uma casa construída com o dinheiro dos fiéis. Na cama, um padre. O sacerdote em ato sexual com um jovem. Ao final, o padre se assusta ao perceber que tudo estava sendo registrado.
Arapiraca, duzentos mil habitantes, a segunda maior cidade do estado de Alagoas. Como em tantos lugares do interior do país, a igreja exerce colossal influência na vida da comunidade. O padre trata-se de um dos religiosos mais conhecidos na região. De seus oitenta e dois anos, cinquenta e oito são de sacerdócio e vinte a frente da Paróquia de São José. Mesmo aposentado continua celebrando missas e casamentos pelo enorme prestígio. Camisetas foram vendidas para arrecadar dinheiro para a construção de uma casa para ele. Os fiéis de Arapiraca o enxergam como um verdadeiro santo.
A suposta vítima um ex-coroinha que aparece no vídeo mantendo relações sexuais com um Monsenhor de Arapiraca. Hoje ele diz que tem consciência do mal que o assombrou durante oito anos. Mas a fé, até então inabalável, foi sendo pouco a pouco substituída por outro sentimento. Revolta. Localizamos também quem filmou as imagens. Trata-se de outro ex-coroinha que também disse que foi vítima do padre, com doze anos. Hoje, com vinte e um anos, ele diz que resolveu dar um basta. O ex-coroinha aproveitou que o portão da casa estava entreaberto e com uma câmera na mão registrou a tarde de orgia e luxúria do padre. As imagens sugerem uma relação consentida, mas o ex-coroinha conta que os abusos começaram quando ele era apenas um menino.
O Monsenhor aceita conversar com Cabrini diante de nossa câmera. O crucifixo, no peito, é seu Senhor e Mestre. Ele nega o excesso de casos de pedofilia na cidade, que dizem. Afirma que o padre comete um pecado mortal, mas que pode se arrepender. Declara também não conhecer nenhuma caso de abuso de crianças ou coroinhas. No momento mais tenso da entrevista Cabrini pergunta se ele já abusou de algum coroinha. O padre não afirma e não nega. Apenas diz que o único que pode saber de seus pecados é seu confessor. Após ser questionado  pede que Roberto Cabrini saia de sua casa.
Mais um sacerdote aparece no escândalo, citado pelo ex-coroinha. É uma padre responsável pela Igreja mais importante de Arapiraca. Vamos ao encontro dele em sua casa. Desconfiado, ele quer se certificar que a conversa não está sendo gravada, batendo no peito de nosso produtor à procura de microfones. Seu comportamento é estranho para uma pessoa supostamente inocente. Ele nega todas as acusações e ainda tenta passar a imagem de um padre dedicado.
Abusos ou relações homossexuais? Padres em pecado ou garotos atrás de dinheiro? Padres e coroinhas…um relacionamento atrás da sacristia.
O ponto de partida da nossa reportagem foi um vídeo que recebemos no qual um padre de Arapiraca (AL) faz sexo com um rapaz. Então, partimos para a cidade para localizar os personagens centrais da história e comprovar a veracidade das imagens.

Para não levantar suspeita em Arapiraca, nossa equipe teve de se separar na hora da hospedagem


O levantamento inicial, encontrar as pessoas envolvidas no vídeo, levou cinco dias. Nosso primeiro contato foi com Fabiano, o rapaz que aparece ao lado do padre mantendo relações sexuais. Fabiano, hoje com 20 anos, relatou que se tornou coroinha na igreja com12 anos de idade e desde então foi assediado sexualmente pelo padre. Contou ainda que manteve um relacionamento com o religioso durante anos, e por isso desistiu do antigo sonho de se tornar padre.
Durante a apuração, outros jovens foram localizados dizendo que passaram pelo mesmo assédio, chegando a prática do sexo com os padres. Entre eles está um menino, de 11 anos. Ele afirmou que foi assediado por um outro padre da região.
Em seguida, procuramos os padres apontados nos relatos: os três principais nomes da Igreja em Arapiraca. Para não levantar suspeita, já que a cidade é pequena, nossa equipe se hospedou separadamente em hotéis não só na cidade, mas também na região.
Um a um, os religiosos foram localizados pela equipe. Os três padres negaram qualquer envolvimento com os garotos e jovens da cidade.
A fase final de nossa reportagem foi questionar os jovens envolvidos e acompanhá-los em seus depoimentos à promotoria de Alagoas. O promotor responsável pelo caso ouviu todos os envolvidos e, diante dos fatos narrados, encaminhou o material à Polícia Civil alagoana e pediu a instauração de um inquérito para apurar a denúncia. Atualmente, a investigação cabe a delegacia especializada em crimes contra a criança.
Se você souber de algo na sua cidade, encaminhe para a gente. Pode ser aqui pelo site (no Fale com o Cabrini) ou pelo e-mail conexaoreporter@sbt.com.br.Fonte: tudoglobal

OMENTÁRIO DE WASHINGTON LUIZ NO BLOG DA LERY

Washington Luiz deixou um novo comentário sobre a sua postagem "COMENTÁRIO DE LERY CLEIDE":

Olá amiga... Deus te abençoe. Olha é realmente impactante essa quantidade de sinais que mostram a Babilonia como ela é, olha essa reportagem: http://www.momentoverdadeiro.com/2010/04/filme-que-mostra-padre-mantendo.html

Infeizmente, é lamentável termos que noticiar tais episódios.


Postado por Washington Luiz no blog BLOG DA LERY em 24 de abril de 2010 09:41Resposta ao comentário do irmão washington Luiz. É verdade meu irmão,  é lamentável sim, e temos que noticiar, pois não podemos ficar calados diante tanta barbaridade. Temos a responsabilidade de como servos do Deus de Israel, levar este conhecimento as pessoas, pois vivem em situação de pecado dentro das seitas pensando que estão fazendo uma coisa boa e certa. Jesus fala: O meu povo peca por falta de conhecimento, pois se depender de mim todos conhecerão a verdade, doa a quem doer vou mostra-las. Depois falam que somos nós que cauterizamos mentes, meu Deus!, ontem dia de São Jorge eu estava assistindo as reportagens, e prestando atenção aos desvaneios, fico muito triste com isto.

quinta-feira, 22 de abril de 2010

COMENTÁRIO DE LERY CLEIDE

Aquí termino minhas republicações sobre catolicismo, lí todas elas antes de republicar e concordo plenamente com o que está escrito, pois a igreja católica é a pior de todas as seitas, pois é muito difícil um católico admitir que não é idólatra e que está errado. Estes escândalos de pedofilia estão me deixando boqueaberta. desde o principio dos seculos que agem da mesma maneira, Ou não foram os Romanos que mataram Jesus? Se Pilatos não tivesse lavado as mãos, os Judeus não o fariam sòzinhos, ele foi covarde, não sei porque só criticam Judas, pois Pilatos foi quase igual. Tive que publicar de terceiros pois são artigos de grande responsabilidade, e só teologos e pastores podem falar a respeito, achei o site:  www.jesussite.com de muita responsabilidade ao falar do assunto. Sentí no meu coração de mostrar estes estudos para as pessoas, pois existem muitas delas dentro de seitas que não sabem o que se passa lá dentro. Aproveitem, tirem cópias para evangelização. Essa é nossa obrigação, mostrar a verdade, não omitir nada. Obrigada BY LERY FOR  YOU MY DARLING  FRIEND

EXORCISMO - AS FORÇAS DO MAL EM FOCO


Estudos de Seitas      Apologética       Catolicismo
EXORCISMO - As forças do mal em foco
Publicado em 9/24/2001
Elvis Brassaroto Aleix
Revista Defesa da Fé
Depois de quase três décadas, o filme "O exorcista" (pioneiro do gênero de exaltação às forças do mal e assistido por milhões de pessoas) retorna às telas dos cinemas brasileiros. Nos EUA, na primeira semana de exibição da nova versão desse trabalho, o faturamento girou em torno de U$8,5 milhões. Qual a razão de tamanho sucesso e interesse por esse filme 27 anos depois de sua exibição original? A grande atração seriam os onze minutos de imagens cortadas em sua primeira edição. Um outro motivo seria o forte interesse das pessoas, por mais materialistas que sejam, por temas religiosos e proposições de fé.

Exorcismo, ato de esconjurar ou expelir demônios, é encontrado em várias passagens bíblicas.

Na época em que o cristianismo se expandia, existiam alguns judeus que praticavam o exorcismo como profissão. Durante os dois anos em que o apóstolo Paulo esteve na Ásia pregando o evangelho aos judeus e aos gregos, foram notórias as extraordinárias obras que Deus fez através das suas mãos. Os seus lenços e aventais eram levados aos enfermos e as enfermidades fugiam dos doentes; os espíritos malignos saíam. Admirados por tal proeza, "alguns dos exorcistas judeus ambulantes tentavam invocar o nome do Senhor Jesus sobre os que tinham espíritos malignos, dizendo: Esconjuro-vos por Jesus a quem Paulo prega. E os que faziam isto eram os sete filhos de Ceva, judeu, principal dos sacerdotes. Respondendo, porém, o espírito maligno disse: "Conheço a Jesus, e bem sei quem é Paulo; mas vós quem sois? E, saltando neles o homem que tinha o espírito maligno, e assenhorando-se de todos, pôde mais do que eles; de tal maneira que, nus e feridos, fugiram daquela casa".

Por causa desse acontecimento veio grande temor sobre todos os habitantes de Éfeso, os feiticeiros queimaram seus livros de magia publicamente, o nome do Senhor Jesus foi engrandecido e a Palavra de Deus cresceu e prevaleceu poderosamente (At 19.13-20).

No tempo de Jesus não havia muitos critérios para que fosse atribuída a uma pessoa possessão demoníaca. João Batista, precursor de Jesus, era tido como possesso: "Porquanto veio João, não comendo nem bebendo, e dizem: Tem demônio" (Mt 11.18).
Quando Jesus acusou os judeus de procurar matá-lo, "a multidão respondeu, e disse: Tens demônio; quem procura matar-te?" (Jo 7.20). Ao discursar sobre a parábola do Bom Pastor que dá a vida pelas suas ovelhas, as palavras de Cristo causaram divisão entre os judeus: "E muitos deles diziam: Tem demônio, e está fora de si; por que o ouvis? Diziam outros: Estas palavras não são de endemoninhado. Pode, porventura, um demônio abrir os olhos aos cegos? (Jo 10. 20-21).

As fórmulas mágicas de Roma

A igreja católica romana reivindica, através da autoridade eclesiástica, ser o canal exclusivo de libertação em casos de possessão demoníaca. No catolicismo, "o exorcismo propria-mente dito é reservado aos sacerdotes especialmente designados pelo Bispo diocesano" 3 . Ninguém pode legitimamente fazer exorcismo em possessos a não ser que tenha obtido licença especial e expressa do Ordinário local"4 .

Temos na obra "Manual do exorcista"

- um pequeno compêndio elaborado pelo Sumo Pontífice León Magno III

- orações contra toda espécie de encantamentos; de sortilégios a possessões. "Estas preces foram organizadas para serem entregues ao imperador Carlos Magno, com o intuito de se utilizar no combate às interferências espirituais malignas que pretendessem envolvê-lo" 5. Segundo o papa, essas orações fariam que o poder do imperador fosse ilimitado na terra.

Um meio pelo qual se podia valer o exorcista para a realização do ritual era o uso de água benta salpicada nas partes mais afetadas pelo demônio. Se o possuído apresentava o perigo de atacar alguém, era amarrado. O ritual empreendia muitas conjurações, dentre as quais destacamos algumas:

"Deus, a majestade de Cristo, o Espírito Santo, o Sacramento da cruz, a fé dos apóstolos Pedro e Paulo e os demais santos, o sangue dos mártires, a intervenção dos santos e das santas, os mistérios da fé cristã, ordenadamente a obedecer. Saia, violador da lei; saia, sedutor cheio de astúcia e de engano, inimigo da virtude, perseguidor dos inocentes, ceda teu espaço, crudelíssimo, cede-o, imundo; cede-o para Cristo, a quem não pode chegar, pois ele te despojou e te tirou do teu reino, e te encarcerou depois de tê-lo vencido e atirado para as trevas exteriores, onde os mortos esperam a ti e os teus companheiros"6 .

A arrogante detenção exclusivista do poder de exorcismo também foi abrogada pelos discípulos íntimos de Jesus, assim relatadas nas palavras de João: "Mestre, vimos um que em teu nome expulsava demônios, o qual não nos segue; e nós lho proibimos, porque não nos segue. Jesus, porém, disse não lho proibais; porque ninguém há que faça milagre em meu nome e possa logo falar mal de mim. Porque quem não é contra nós, é por nós" (Jo 9.38-40, grifo do autor).

Embora a autoridade conferida ao exorcista por meio do nome de Jesus seja um notável sinal de poder, isso não lhe garante entrada no reino de Deus: "Muitos me dirão naquele dia: Senhor, Senhor, não profetizamos nós em teu nome? E em teu nome não expulsamos demônios? E em teu nome não fizemos muitas maravilhas? E então lhes direi abertamente: Nunca vos conheci; apartai-vos de mim, vós que praticais a iniqüidade" (Mt 7.22-23, grifo do autor).

A autenticidade da libertação do possesso está fincada na eficácia que há no nome de Jesus, conforme é inferido nos quatro evangelhos. Jesus nunca ensinou a evocar nomes de santas ou santos para este propósito. Paulo e Pedro nunca mencionaram nomes de profetas ou de mártires do Antigo Testamento (Mt 23.37) para obter êxito nos seus ministérios.

Enfatizamos que é, única e exclusivamente, através do nome de Jesus que alguém pode ser verdadeiramente livre da opressão diabólica! (Jo 8.32,36; At 16.18). Tão somente Ele pode aliviar os oprimidos! (Mt 11.28).


Cristãos endemoninhados?

Existe entre os cristãos sinceros uma preocupação demasiada com a demonologia. Alguns chegam ao absurdo de admitir a possessão de crentes. Esta doutrina tem causado grandes conflitos entre os cristãos que no passado estiveram envolvidos com o espiritismo. Quando velhas criaturas, praticavam a comunicação com os mortos, recebendo entidades espirituais no exercício da mediunidade. Agora, como novas criaturas, temem e acreditam que suas experiências passadas os tornam mais suscetíveis à possessão demoníaca que os outros cristãos.

Para fundamentar esta exótica doutrina, seus defensores alegam a possessão de crentes em alguns casos bíblicos: Judas Iscariotes, Pedro, Ananias e Safira, entre outros.

Quanto a Judas Iscariotes


Apesar de ser um dos doze, não era um cristão autêntico. Em João 6.70 Jesus declara: Não vos escolhi vós os doze? e um de vós é um diabo (grifo do autor). Judas não era como os demais: "Disse-lhe Jesus: Aquele que está lavado não necessita de lavar senão os pés, pois no mais todo está limpo. Ora, vós estais limpos, mas não todos. Porque bem sabia ele quem o havia de trair; por isso disse: Nem todos estais limpos" (Jo 13.10-11, grifo do autor).

Arrazoamos ainda: poderia um cristão autêntico roubar? Judas Iscariotes era ladrão: "Ora, ele disse isto, não pelo cuidado que tinha dos pobres, mas porque era ladrão e tinha a bolsa, e tirava o que ali se lançava" (Jo 12.6). Seu final não poderia ter sido mais trágico: "E ele, atirando para o templo as moedas de prata, retirou-se e foi-se enforcar" (Mt 27.5).

Quanto a Pedro

Na cerimônia do lavapés, Pedro não permitiu que Jesus o lavasse: "Nunca me lavarás os pés. Repicou-lhe Jesus: Se eu não te lavar não tens parte comigo" (Jo 13.8). Após ter entendido que esta atitude era equivalente a rejeitar Jesus e seus benefícios, o impetuoso apóstolo pediu que lhe fossem lavados não somente os pés, mas também as mãos e a cabeça (Jo 13.9). Como vimos, havia um que estava impuro, e este não era Pedro.

Como explicar Marcos 8.33? "Mas ele, virando-se, e olhando para os seus discípulos, repreendeu a Pedro, dizendo: Retira-te de diante de mim, Satanás; porque não compreendes as coisas que são de Deus, mas as que são do homem" (grifo do autor).

Em seu intenso cuidado humano, Pedro serviu de instrumento satânico ao pronunciar palavras que se opunham aos planos de Deus para a salvação da humanidade. Não há nenhuma evidência de possessão, mas, sim, uma influência diabólica a qual todos os que não vigiam estão expostos (Mc 14.38). Alguns momentos antes, na ocasião em que Jesus interrogou os discípulos acerca da sua identidade, Pedro havia sido elogiado: "...Quem dizem os homens ser o filho do homem?... E Simão Pedro, respondendo, disse: Tu és o Cristo, o Filho do Deus vivo... Bem aventurado és tu, Simão Barjonas, porque to não revelou a carne e o sangue, mas meu Pai, que está nos céus (Mt 16.13-17, grifo do autor).

Depois de algum tempo, em virtude de suas experiências e tendo adquirido maior maturidade espiritual, o apóstolo enfatizou a importância da vigilância e explicou a posição do diabo em relação à vida do cristão: "Sede sóbrios; vigiai; porque o diabo, vosso adversário, anda em derredor, bramando como leão, buscando a quem possa tragar" (1Pe 5.8, grifo do autor).
No final de sua vida, Pedro autenticou sua fé como mártir, morrendo crucificado de cabeça para baixo por não se achar digno de morrer como seu mestre 7.




Quanto a Ananias e Safira

"Disse então Pedro: Ananias, por que encheu Satanás seu coração, para que mentisses ao Espírito Santo, e retivesses parte do preço da herdade?" (At 5.3, grifo do autor).
Ananias e sua esposa receberam ataques de Satanás - a Bíblia diz: "Não deis lugar ao diabo" (Ef 4.27) - e, em conseqüência, revelaram reações pecaminosas. Jesus disse: "Porque onde estiver o vosso tesouro, aí estará também o vosso coração" (Mt 6.21). A questão em pauta é tão somente o fato de tentarem mentir ao Espírito Santo e a falta de fé para fazer como os demais discípulos que depositavam aos pés dos apóstolos todo o valor da herdade que possuíam.
Uma impossibilidade à luz da Bíblia

Infelizmente, em alguns cultos "evangélicos" dá-se grande enfoque à atuação dos demônios na vida das pessoas, deixando em segundo plano o louvor e a adoração ao único que é digno de recebê-los (Ap 4.11). Examinando à Bíblia, entendemos que a libertação de pessoas endemoninhadas e a manifestação de espíritos malignos na presença de cristãos era um fator comum decorrente da verdade por Jesus ensinada, pois não pode haver comunhão entre a luz e as trevas. Não se determinava um culto periódico específico para tal prática. Surge a questão: Como deveriam proceder os irmãos da igreja primitiva nas suas reuniões? O apóstolo Paulo responde: "Quando vos ajuntais, cada um de vós tem salmo, tem doutrina, tem revelação, tem língua, tem interpretação. Faça-se tudo para edificação" (1 Co 14.26, grifo do autor). A Palavra de Deus é cristocêntrica. Cristo é o centro das nossas vidas. Nos cultos, Cristo deve ser o centro das atenções!
Não há quaisquer possibilidades de um crente genuíno ser possuído por demônios. O verdadeiro cristão, sal da terra e luz do mundo (Mt 5.13-14), é nascido de Deus (Jo 3.3), e a Ele se sujeita resistindo ao diabo (Tg 4.4) e o maligno não lhe toca (1 Jo 5.18). Não discordamos que crentes aparentes, disfarçados, fiquem possessos. E, diante disso, é aconselhável que alguém com o dom específico de discernir espíritos prove se tal pessoa está realmente endemoninhada.

Essa classe de indivíduos foi comparada por Jesus com o joio, erva daninha inútil que não serve para qualquer proveito. Tais pessoas precisam urgentemente da regeneração do Espírito Santo; do contrário, tendo crescido o joio, deve ser separado do trigo e queimado (Mt 13.24-30). Existe uma gritante distinção entre a aparência e a essência. O Deus que servimos olha para dentro (coração), e não para fora (1 Sm 16.7).

Ratificamos a impossibilidade de o crente ser possuído por demônios com as seguintes considerações:

  • .Somos templo do Espírito Santo e este, por sua vez, não é um visitante esporádico, antes, é um morador permanente que não se ausenta de sua morada (1 Co 6.19,20);


  • .Esse glorioso habitante é zeloso e sente ciúmes de seu santuário (Tg 4.5);


  • .Somos selados com o Espírito Santo da promessa, o qual é o penhor (garantia) da nossa herança, para a redenção da possessão adquirida, para o louvor da sua glória (Ef 1.13-14);


  • .Somos um povo especial, propriedade exclusiva de Deus (Tt 2.14,1 Pe 2.9) resgatados por um preço caríssimo (Sl 49.8);


  • .Somos auxiliados em nossas fraquezas pela incomparável intercessão do Espírito Santo (Rm 8.26);


  • .Somos mais que vencedores por aquele que nos amou e estamos certos de que absolutamente nada poderá nos separar desse amor (Rm 8.37-39);


  • .O Senhor guarda a nossa alma contra todo mal (Sl 121.5-7);


  • Jesus é o valente que venceu e expulsou Satanás das nossas vidas, tirando-lhe toda a sua armadura, repartindo os seus despojos (Lc 11.21-22);
  • .Se formos infiéis, Ele permanece fiel, pois não pode negar-se a si próprio (2 Tm 2.13).



  • A soberania de Jesus sobre os demônios

    A possessão demoníaca é uma enfermidade espiritual que pode, às vezes, exteriorizar uma doença física. A Bíblia diz que o Cordeiro de Deus "verdadeiramente tomou sobre si as nossas enfermidades e as nossas dores levou sobre si" (Is 53.4).

    O fariseu Nicodemos reconheceu que Jesus era mestre vindo de Deus por meio de seus singulares prodígios e grande parte desses prodígios estavam relacionados a curas de enfermidades. Em muitos casos, essas enfermidades eram frutos de possessões demoníacas. "E, tendo chegado a tarde, quando já estava se pondo o sol, trouxeram-lhe todos os que se achavam enfermos e os endemoninhados. E curou muitos que se achavam enfermos de diversas enfermidades e expulsou muitos demônios, porém não deixava falar os demônios, porque o conheciam" (Mc 1.34, grifo do autor).

    Acontecimentos como esses foram comuns em seu ministério. Certa vez, Jesus curou um mudo e endemoninhado: "E expulsou o demônio, falou o mudo e a multidão se maravilhou dizendo: Nunca tal se viu em Israel" (Mt 9.33). Houve também algumas mulheres que foram libertas pelo seu poder: "e também algumas mulheres que haviam sido curadas de espíritos malignos e de enfermidades: Maria, chamada Madalena, da qual saíram sete demônios" (Mt 8.3; Mc 16.9).

    Lembramos também do relato histórico de um homem, gadareno, que era possuído por demônios. Não andava vestido, habitava nos sepulcros, era muitas vezes aprisionado com grilhões e cadeias e as prisões eram por ele quebradas; temível, era considerado um monstro na sociedade da época. Seríamos capazes de avaliar o rebuliço e a insegurança que causava a todos os moradores da cidade?

    O texto diz que repreendida por Jesus, a legião se prostrou diante dele: "E, quando viu a Jesus, prostrou-se diante dele, exclamando, e dizendo com alta voz: Que tenho eu contigo, Jesus, Filho do Deus Altíssimo? Peço-te que não me atormentes" (Lc 8.28). Os de demônios chegaram a suplicar-lhe que não os mandasse para um abismo próximo, sendo a eles concedido que entrassem numa vara de porcos que naquele momento pastava no local. O resultado foi glorioso: "Os habitantes da cidade acharam o homem de quem haviam saído os demônios, vestido, e em juízo, assentado aos pés de Jesus; e temeram" (Lc 8.35, grifo do autor).

    Jesus sempre demonstrou sua soberania diante dos demônios, porém houve um caso em que seus discípulos não conseguiram expelir uma legião de demônios devido ao maior grau de resistência dessa legião e a falta de fé revelada pelos discípulos: "e trouxe-o (lunático) os teus discípulos e não puderam curá-lo. Então repreendeu Jesus o demônio, que saiu dele; e desde aquela hora o menino sarou. Jesus explicou: Esta casta de demônios não se expulsa senão pela oração e pelo jejum" (Mt 17. 16,18, 21).

    Absolutamente, não é de qualquer maneira que podemos enfrentar os inimigos das nossas almas. Veja Efésios 6.10-18 O aparente fracasso dos discípulos causou-lhes desapontamento. Contudo, noutra passagem podemos contemplá-los cheio de alegria pelo fato de terem os demônios sujeitado-se à autoridade de Jesus a eles conferida (Lc 10.17). Nada era fruto da capacidade humana: "Eis que vos dou poder para pisar serpentes e escorpiões, e toda força do inimigo, e nada vos fará dano algum" (Lc 10.19, grifo do autor).

    O mundo jaz no maligno, o deus deste século (2 Co 4.4). Ele tem sob seus domínios os reinos deste mundo (Lc 4.4). O confronto de poderes, luz versus trevas, é inevitável. A Bíblia declara que a vitória é certa (1 Jo 4.4).

    Estejamos sempre prontos para este combate como bons soldados de Cristo, lembrando que o maior motivo da nossa alegria não é a sujeição dos demônios, mas, antes, por estar o nosso nome escrito no livro dos céus (Lc 10.20). Devemos sempre tributar adoração àquele que recebeu todo o poder no céu e na terra (Mt 28.18) e se revelou para desfazer as obras do diabo (1 Jo 3.8).

    Notas:
    3 Pergunte e Responderemos, Ano XL. Maio. 1999. 444, p. 194.
    4 Pergunte e Responderemos, Ano XL. Maio. 1999. 444, p. 197.
    5 Manual do Exorcista (Orações do Papa León III). Papa León Magno. Madras 1998 (prefácio).
    6 Manual do Exorcista (Orações do Papa León III). Papa León Magno. Madras 1998, p. 78.
    7 Ele andou entre nós. Josh Macdowell & Bill Wilson. Candeia. 1988, p. 82.Fonte:www.jesussite.com

    E MARIA, PECOU?

    studos de Seitas      Apologética       Catolicismo
    E Maria, pecou?
    Publicado em 10/19/2001
    JesusSite
    JesusSite

    A Igreja Católica ensina que Maria foi concebida sem pecado e nasceu sem mancha de pecado original, ou seja, que Maria foi gerada pelo seu pai, porém o seu nascimento foi imaculado. Esta é a fórmula de dogma de fé que Pio IX proclamou a oito de dezembro de 1854, na bula ineffabilis:

    "É de Deus revelada, a doutrina que mantém que a bem-aventurada Virgem Maria no primeiro instante do seu nascimento, pela singular graça e privilégio do Deus onipotente, em vista dos méritos de Jesus Cristo Salvador do gênero humano, foi preservada imune de toda mancha do pecado original".

    Os cristãos protestantes manifestam que este dogma não tem nenhum fundamento bíblico. Pio IX separa Maria da sua condição humana, e a faz uma exceção ao lado de Jesus. A Bíblia, que cremos se a Palavra de Deus, declara que todos somos pecadores: "... todos estão debaixo do pecado. Como está escrito: não há um justo, nem um sequer" (Romanos 3.9-10).

    Como se atreve o apóstolo Paulo a garantir que não há sequer um justo, se existia a exceção de Maria? Como é que Deus escreveu por meio dos seus santos profetas e apóstolos, colunas da verdade revelada, que não há nem um só justo, se estava a Virgem Imaculada concebida sem pecado?

    A Bíblia não ensina que Maria estivesse livre do pecado original, por uma graça especial, desde o mesmo instante do seu nascimento. Maria não reclamou para si o privilégio de ser sem pecado. A própria Maria não cria porque no seu magnificat, reconhece ser pecadora e faz menção do seu Salvador. A virgem Maria, a mais bem-aventurada entre todas as mulheres, falou de Deus, na pessoa de Jesus Cristo, como "Meu Salvador", ao dizer: "A minha alma engrandece ao Senhor; e o meu espírito se alegra em Deus meu Salvador" (Lucas 1.46-47). Se ela não fosse pecadora, não teria a necessidade de um Salvador.

    Ao falar nesses termos de bendita virgem, não queremos dizer que a escolhida por Deus não fosse a melhor e mais pura entre as mulheres. Porém, não era imaculada, pois ela mesma declara levar como todos nós, a marca do pecado quando invoca a Deus, chamando-lhe "Meu Salvador". Por que chamou assim a Deus? Por que ela, do mesmo modo que todos os homens, necessitou se salvar e obter a vida eterna através do arrependimento e fé.

    A Bíblia é igualmente clara em mostrar a doutrina da universidade do pecado: "Certamente em iniqüidade fui formado, e em pecado me concebeu a minha mãe" (Salmos 51.5); "Não há homem justo sobre a terra, que faça o bem e nunca peque" (Eclesiastes 7.20); "Pois todos pecaram e destituídos estão da glória de Deus" (Romanos 3.23). Nessas passagens não se indica a exceção de Maria; ela como descendente de Adão, participou não só das conseqüências da queda, senão também do pecado; "Pelo que, como por um homem entrou o pecado no mundo, e pelo pecado a morte, assim também a morte passou a todos os homens, porque todos pecaram... assim como por uma só ofensa veio o juízo sobre todos os homens" (Romanos 5.12-18).

    O argumento que usam alguns católicos, de que Jesus não podia ser imaculado (ou seja, sem pecado original), se a que Lhe concebeu não tivesse sido, está carente de razão. Vejamos:


    1º) Porque Jesus nasceu por obra do Espírito Santo, não de um varão, porém a virgem foi filha em verdade de Ana e Joaquim.

    2º) Porque Jesus é Deus, na qualidade de Segunda Pessoa da Trindade, mas Maria era humana. Cristo não tinha necessidade de que a sua mãe fosse santa, porque foi concebido pelo Espírito Santo; Ele é santo ainda que nascido de uma mulher pecadora, porque no seu corpo "havia a plenitude da Divindade".

    3º) Se todos os homens herdam a mancha do pecado, os pais da virgem Maria também a herdaram, e os seus filhos foram igualmente herdeiros da natureza pecaminosa do homem. Não há nenhuma base para crer que alguns dos seus filhos a herdaram, enquanto que a sua filha Maria não a herdou.

    4º) Porque, pela mesma razão, tinha sido necessário que fossem imaculados os seus pais Joaquim e Ana, para que pudesse ser a virgem, e as avós para que o fosse Ana; assim sucessivamente, e assim deveríamos estabelecer que foi uma cadeia ininterrupta de mulheres, desde Eva. Esses argumentos não lhe soam ridículos? Se em algum caso tinha que operar-se o milagre de nascer um imaculado, seja quem for, deveria ter sido Jesus, que era divino.

    Respeitamos Maria com o mesmo respeito com que o fizera o anjo da Anunciação. Sentimos por ela um profundo carisma ao ver que foi eleita providencialmente por Deus para ser mãe, segundo a carne, do Salvador. E cremos que é bem-aventurada entre as mulheres não porque seja uma semi-deusa, e sim como membra da comunidade dos remidos, como Paulo, Pedro, João e etc.Fonte:jesussite.com

    VERDADES BÍBLICAS SOBRE ADORAÇÃO E IDOLATRIA

    Estudos de Seitas      Apologética       Catolicismo
    Verdades Bíblicas sobre Adoração e Idolatria
    Publicado em 9/23/2001
    Jayme Barros
    Jayme Barros
    Introdução

    O que entendemos como adoração e idolatria? Bom, o propósito desta resenha, é justamente chegarmos ao ponto de entender e conciliar em nossa mente o que poderia ser adoração, veneração, intercessão e idolatria. Através de comparações entre o universo de hoje e todo o período bíblico, vamos explanar, com cautela e coerência, e principalmente, mergulhando nas Escrituras, que sempre foram a nossa "regra de fé e prática", este assunto.

    Retornando na História, após a formação da Igreja Católica (não a Igreja Católica Romana, mas uma igreja primitiva, dirigida por homens cheios do Espírito Santo), muitos conceitos ainda eram guardados e observados pelos primeiros cristãos, conceitos estes que foram esquecidos após a união do Estado e Igreja (século III d.C.), que transformou a humilde Igreja Católica, no poderoso Império Católico Romano. Este, ao admitir uma aliança forçada com os bárbaros, permitiu a inclusão de suas doutrinas politeístas em seu conjunto de dogmas religiosos. Como resultado de uma aliança politicamente poderosa, mas religiosamente fracassada, a Igreja se afastou da sua doutrina genuína ao incluir culto e quaisquer outras formas de veneração e adoração a tudo aquilo que não era Deus. Confeccionando imagens de homens e anjos, a Igreja passou a espalhar estas por todo o templo. Logo, o espaço que deveria ser somente dedicado a Deus, passou a ser divido com imagens de pessoas, pecadores como nós mesmos. Mais um erro, mais um degrau à baixo, mais um vão aberto entre Deus e a Igreja.

    Nesta mesma época, havia grupos de cristãos que permaneciam fieis à doutrina de Jesus Cristo e dos Apóstolos, mas eram perseguidos e exterminados por serem considerados infiéis e hereges. Mas, através de homens inspirados e levantados por Deus, como Lutero, Calvino, Wycliffe, Huss e outros, aconteceu a grande Reforma Religiosa, que deu o passo principal para que os cristãos acordassem de um sono que os aprisionava. Uma das primeiras atitudes tomadas foi retirar as imagens (isso incluía anjos, santos, Maria e etc.) das igrejas "cristãs". A Igreja estava retornando às veredas da justiça, estava retornando a Deus. E embora alguns chamem os reformadores de revolucionários, não é bem assim. Eles perseveravam em corrigir um erro que a Igreja não admitia. Eles foram expulsos e muitos mortos na fogueira, como João Huss.

    O que é idolatria?

    "Os que fazem imagens não prestam, e os seus deuses, que eles tanto amam, não valem nada. Os que adoram imagens são tolos e cegos e por isso serão humilhados. É uma grande tolice fazer uma imagem para ser adorada como se fosse um deus. Todos os que a adoraram serão humilhados. Os que fazem ídolos são apenas seres humanos; nada mais. Que eles se reunam e se apresentem no tribunal! Ali ficarão apavorados e serão humilhados". Isaías 44.9-11 BLH

    Agora que demos uma passada na história de como a Igreja se destruiu e como Deus à levantou, devemos entender, exatamente, o que quer dizer o termo idolatria. Esta palavra vem do grego eidolon, que se traduz "ídolo", e latreuein, do grego "adorar". Por tanto, idolatria se refere, no seu sentido primário, adorar a um ídolo ou imagem. Em um sentido mais substancial, diríamos que idolatria é qualquer forma de culto, veneração ou servidão a um ídolo, imagem, pessoa, instituição, sentimento ou lugar. Isso não quer dizer, então, que idolatria se refira apenas a ídolos, mas a qualquer coisa que não seja Deus, sendo físico ou não, abstrato ou concreto.

    Ao povo de Israel era estritamente proibido fabricar qualquer imagem esculpida ou fundida para adoração, nem de coisas da Terra, nem das do céu (Ex. 20.4; Dt. 5.8). Isso não impedia que o povo exercitasse as artes plásticas, afinal, eles faziam seus ornamentos, mas se o objetivo fosse adoração, como ao bezerro de ouro (Ex. 32), o veredicto de Deus seria empregado, morrer ao fio da espada. Outro exemplo que podemos observar foi a chash nechosheth, no hebraico, Serpente de Bronze. Esta expressão pode ser encontrada em II Reis 18.4, mas a história pode ser vista em Nm. 21.4-9. O Povo de Israel queixava-se do tratamento imposto por Deus. Eles haviam se esquecido do seu próprio passado e do que essa queixa poderia lhes render. Deus então os castiga com serpentes venenosas que mataram vários israelitas. O povo então se arrepende e Deus manda que Moisés construa uma serpente de bronze. Ao contemplar a serpente, movidos pela fé, os israelitas seriam curados da morte. Isso não era adoração, mas sim, obediência a Deus e também um sinal para os israelitas lembrarem-se do seu próprio erro. Com o tempo, alguns supersticiosos entre o povo, começaram a adorar a serpente. Isso aconteceu no tempo do Rei Ezequias. Ele chamou-a de Neustã, que quer dizer pedaço de bronze, dando a entender que era apenas metal e nada mais. Por isso, a serpente foi destruída para sempre.

    Há ainda exemplos da diferença entre ornamentação e adoração na construção do Templo por Salomão (I Rs. 6.17-36, II Cr. 3.5-17, 4.1-22) e na profecia de restauração do Templo (Ez. 41.17-26).

    Falsos Profetas - Adoração a Ídolos, Santos...

    Existem, hoje em dia, muitos conceitos sobre a forma como a Bíblia expõe a devoção e adoração a ídolos, imagens, "santos"... Algumas religiões e seitas, como a Igreja Católica, com o propósito de defender suas teses, de forma a confundir o povo de Deus, tentaram justificar biblicamente essas heresias, e difundiram essas heresias como doutrinas Espirituais, mas que não podemos considerar assim, pois é totalmente contrário aos dogmas bíblicos.

    Um dos textos bíblicos que ressaltam essa veracidade se encontra no livro de Isaías 42.8,9:

    "Eu sou o Deus Eterno (JAVÉ) : este é o meu Nome, e não permito que as imagens recebam o louvor que somente eu mereço. As coisas que prometi no passado já se cumpriram, e agora vou lhes anunciar coisas novas, para que vocês as saibam antes mesmo que elas aconteçam."

    Existem dois pontos muito fortes neste texto. Primeiramente, Deus (Javé, no texto original, quer dizer "Eterno" ou "O Deus Eterno") simplifica toda uma dúvida. Ele, e só Ele é digno de todo louvor e glória. Inacreditável como ainda em algumas preces de algumas religiões expõem-se claramente a glória a suas imagens e ídolos. Deus que não divide sua glória com ninguém. O outro ponto que deve ser respeitado é o fato de Deus revelar que primeiro anunciaria o que vai acontecer, e, logo então, aconteceria. Muitos podem não atentar para a profundidade do texto, mas tem uma grande lição. Todas as coisas que acontecem hoje (falo das coisas espirituais), a menos que sejam biblicamente citadas, é profano aos olhos do Senhor, afinal, foi a sua própria pessoa que o disse! Por isso sempre usamos o termo: "Pois a Bíblia diz assim..." ou "A Palavra de Deus cita isso em...".

    Não é de se espantar com tais fatos. A Bíblia, com toda autoridade que lhe é cabível admite que nos últimos dias tais coisas aconteceriam. Devemos pois estar preparados para não sermos consumidos por tal artimanha maquiavélica do Diabo. O texto abaixo é só mais um em dezenas deles. O Espírito de Deus diz claramente que, nos últimos tempos, alguns abandonarão a fé. Eles darão atenção a espíritos enganadores e a ensinamentos que vêm de demônios em I Timóteo 4.1.

    Será que devemos dar tanta ênfase aos que vieram antes de nós, ou que fizeram algum bem para humanidade? Será que tais pessoas tem algum poder ou hierarquicamente tem diante de Deus alguma tarefa quanto a nós? O Salmista Davi, em Salmos 146.3,4, relata a revelação do Senhor Deus quanto a esta dúvida:

    "Não confieis em príncipes, nem no filho do homem (referindo-se a carne humana), em quem não há salvação. Sai-lhe o espírito, volta para a terra; naquele mesmo dia perecem os seus pensamentos".

    É bem verdade que muitas destas pessoas que confiam em outros que não sejam o próprio Deus, acreditam que eles podem, de alguma forma, ajudá-los nas dificuldades aqui na Terra, mas, pelo menos 120 textos bíblicos pesquisados que se referiam aos termos "ajuda", "consolação" e "intercessão" nenhum se quer se referia a uma ajuda sobrenatural que não fosse o próprio Pai, o Filho, o Espírito Santo ou os anjos! Outros textos sobre o assunto estão abaixo:

    "Pois os vivos sabem que morrerão, mas os mortos não sabem coisa nenhuma, nem tampouco têm eles daí em diante recompensa; porque a sua memória ficou entregue ao esquecimento. Tanto o seu amor como o seu ódio e a sua inveja já pereceram; nem têm eles daí em diante parte para sempre em coisa alguma do que se faz debaixo do sol". "Tudo quanto te vier à mão para fazer, faze-o conforme as tuas forças; porque o lugar para onde tu vais, não há obra, nem projeto, nem conhecimento, nem sabedoria alguma". Eclesiastes 9.5,6,10

    Existe ainda, uma corrente teológica que afirma que os judeus, no período do Velho Testamento, não tinha ainda uma concepção da possível vida pós-morte. Bem, mas se Jesus Cristo, o Filho de Deus, a segunda pessoa da Trindade disser algo sobre isso.

    No Evangelho de Lucas 16, Jesus conta a história em que morreram o "Rico e o Lázaro". O Rico foi para o inferno (Hades) e o Lázaro foi para o céu (Seio de Abraão). O sofrimento do Rico era tanto que ele pediu a Abraão que deixasse que Lázaro molhasse a ponta de seu dedo na água, e então, deixasse que uma gota de água refrescasse a sua sede. Abraão então nega o pedido do Rico. Este então pede que Lázaro volte à Terra, ou seja, ao convívio dos homens, para que testificasse aos seus familiares o que havia acontecido. A resposta foi negada novamente. Abraão alegou que os vivos tinham Moisés e os Profetas e que eles já haviam alertado sobre isso. Abraão ainda diz que existe uma barreira entre nós e eles, que não poderia ser traspassada. Moisés representa a Lei Mosaica, ou seja, o Pentateuco. Os Profetas, representam a revelação de Deus. Isso quer dizer que temos o necessário aqui, e que não é preciso e nem permitido que Lázaro ou qualquer outra pessoa se retirar do céu ou do Hades para tal absurdo. Não existe vontade permissiva de Deus para isso. Essas foram palavras de Jesus Cristo, Onisciente, Onipresente e Onipotente.

    Os "SANTOS" podem nos ajudar?

    Seria possível alguém que já morreu, por melhor pessoa que tenha sido, estar nos vigiando ou atento as nossas necessidades aqui na Terra? Onde estariam eles? Existe comunicação entre eles e nós? Se há, disso Deus se agrada? Bem, temos sérias razões para acreditar que não. Vamos partir do princípio que o nome "santo" não é bem o que todos imaginam. O Apóstolo Paulo nos chama de santos, nos ensina a orar por todos os santos, na ideologia em que todos os cristãos são santos porque buscam a santificação em um processo diário e contínuo, renegando-se ao pecado, assim como as coisas supérfluas, descontroladas e desordenadas. Mas, vamos então tratar este nome, santo, dentro do nosso contexto, isto é, "as pessoas que foram muito boas aqui na Terra, e por isso Deus os colocou em um posto mais elevado e que possuem uma tarefa quanto a nós, a de interceder por nós diante de Deus".

    Bom, já que tocamos no assunto, a Bíblia diz que "existe um só Senhor e um só mediador entre Deus e os homens, Jesus Cristo homem", I Tm. 2.5. Embora muito imaginem que Deus só nos ouve se citarmos o nome "Jesus Cristo", não é bem assim. A verdade é que, no mar de religiões em navegamos encontramos milhares delas, cada uma com seu "deus". Algumas insistem em acreditar que trata-se do mesmo Deus que nós servimos. Claro que não é bem assim. Um dos propósitos de Deus ter mandado Jesus à Terra, seria o de separar pessoas de pessoas, judeus de judeus, isso quer dizer que através de Jesus Cristo e seu sacrifício, podemos nos chegamos a Deus de uma forma íntima, amigável e familiar. Pelo fato de acreditarmos, confiarmos e depositarmos toda nossa fé em Jesus, temos livre acesso ao Pai. São muitos os que ainda imaginam que nós pedimos a Jesus e Ele vai levar nosso pedido para Deus. Que ingenuidade! Que falta de discernimento bíblico! Por causa disso, difundiram uma doutrina em que, se pedirmos aos "santos", eles vão até Jesus e Jesus vai até Deus. Nós encontramos isso na reza, ou oração, à Maria: "Santa Maria Mãe de Deus, rogai por nós; agora como na hora de nossa morte". Supostamente seria assim: "Eu peço ajuda à Maria, então, na hora de minha morte ela iria até Jesus Cristo, contaria para ele todas as minhas dificuldades em vida, tudo que sofri, mesmo esquecendo do que fiz de errado. Jesus então, como meu advogado que não sabe nada sobre minha vida iria até Deus e tentaria suavizar a minha pena. Deus, então, daria o veredicto". Misericórdia! De onde tiraram isso? Com certeza não foi da Bíblia.

    A Igreja Católica, por vários séculos, tem se beneficiado da falta de sabedoria e discernimento de seus fieis para espalhar a doutrina dos santos e das imagens. Eles alegam que não existe adoração ou veneração a estes, mas não é o que se vê por ai. Expressões como: "Servos da Rainha", "Procissão de São Sebastião", "São ... rogai por nós", são vistas e ouvidas em todos os lugares. Mesmo que não seja o princípio desta Igreja, seus fiéis são incapazes de distinguir veneração, adoração e culto de respeito e exemplo. Os fieis correm, se batem e se abatem na tentativa de tocar em uma imagem, e dela receber uma virtude irreal, vã e vazia. Perdem-se, e aos poucos se afundam em mar de doutrinas furadas, pura apostasia. Um charco de mentiras que mais parece misticismo do que cristianismo.

    Mesmo assim, com o passar dos anos, esses desobedientes aos preceitos bíblicos, devido a um excesso de confiança em si mesmo, acabaram por humanizar Deus. Este passou a não ser mais o onisciente, onipresente e onipotente. Ele agora, segundo muitos hereges, precisa de uma certa ajuda daqueles que não passam de seres humanos, pecadores (como todos nós). Criaram uma hierarquia celestial, onde Deus, agora mais do que nunca distante de seu povo, comanda vários homens e mulheres a ajudarem aos que estão na Terra. Onde se encontra Jesus Cristo nessa empresa chamada céu? E os anjos que desde os primórdios têm atuado como serviçais de Deus? E o Espírito Santo que foi mandado como consolador e ajudador? Onde Deus descreveu tais coisas? Onde estão as profecias indagando que essas coisas iriam acontecer e seriam benditas?

    Em que Deus você acredita? Um Deus Soberano, que tudo vê? Que está atento para te ouvir a todo momento? O Deus que criou tudo e todos? Ou apenas um deus imperfeito, que não pode tomar conta de sua própria criação?

    Conclusão

    Durante estes 2000 anos, a Igreja se desviou dos seus verdadeiros princípios, isso acarretou problemas de gravidade incrível e devastadora. Muitos se desviaram da sua verdadeira fé, dando ouvidos a espíritos enganadores. A doutrina dos santos e ídolos é apenas mais uma neste universo dispendioso e avassalador. Esta não foi a missão de Jesus e dos apóstolos. Estes (Jesus e os apóstolos) foram aqueles que tiraram a venda dos olhos de um povo humilde e ignorante. A Igreja Católica Romana, assim como outras seitas, colocaram-na de volta. Mas a Bíblia adverte aqueles que fizerem os cristãos tropeçarem!

    "Qualquer, porém, que fizer tropeçar a um destes pequeninos que crêem em mim, melhor lhe fora que se lhe pendurasse ao pescoço uma grande pedra de moinho, e fosse afogado na profundeza do mar". (Mateus 18:6)

    Cabe a cada um meditar e repensar no que tem feito e acreditado. Nós não precisamos de uma fé palpável, nem das chamadas "catapultas celestiais" para nos aproximarem de Deus. Devemos fixar em nosso coração o que é a verdadeira fé em Hebreus 11.1: "É aprova das coisas que se esperam e a prova das coisas que não se vêem".

    Nesta odisséia, vamos retornar ao início de tudo, vamos encontrar com Jesus novamente, assim como, com seus ensinamentos, onde existe um só alvo de adoração, onde Deus é o centro de tudo, onde ao fechar os olhos, não existirá mais escuridão, mas somente a luz de Cristo brilhará.

    Está na hora de tirarmos as vendas dos olhos. É hora se ser cristão.Fonte:www.jesussite.com

    ALGUNS PONTOS CRÍTICOS DO CATOLICISMO

    Estudos de Seitas      Apologética       Catolicismo
    Alguns pontos críticos do Catolicismo
    Publicado em 12/16/2001

    JesusSite
    CATOLICISMO ROMANO
    ----------------------------------
    TEXTO ÁUREO:
    "E assim invalidastes, pela vossa tradição, o mandamento de Deus". (Mt. 15:6)

    VERDADE PRÁTICA:
    Os dogmas da Igreja Católica não resistem ao exame Bíblico, porque são fundamentos da Teologia Humana.

    LEITURA

    Adorar à Deus em Espírito e em Verdade (Jo. 4:20-24)
    A Salvação é pela Fé, e não pelas obras. (Ef. 2:8-10)
    O Batismo e a Ceia do Senhor. (Mt. 28:20;1 Co.11:23-26)
    Jesus é o único Mediador entre Deus e os Homens. (1 Tm.2:5)
    Os demais filhos de Maria. (Mt. 12:46-50;13:55)
    Orações dirigidas à Rainha do Céu. (Jr. 7:18;44:17-19;25)


    Mensagem Bíblica:

    MARCOS 7:3-17
    Pois os fariseus, e todos os judeus, guardando a tradição dos anciãos, não comem sem lavar as mãos cuidadosamente; e quando voltam do mercado, se não se purificarem, não comem. E muitas outras coisas há que receberam para observar, como a lavagem de copos, de jarros e de vasos de bronze. Perguntaram-lhe, pois, os fariseus e os escribas: Por que não andam os teus discípulos conforme a tradição dos anciãos, mas comem o pão com as mãos por lavar? Respondeu-lhes: Bem profetizou Isaías acerca de vós, hipócritas, como está escrito: Este povo honra-me com os lábios; o seu coração, porém, está longe de mim; mas em vão me adoram, ensinando doutrinas que são preceitos de homens. Vós deixais o mandamento de Deus, e vos apegais à tradição dos homens.
    Disse-lhes ainda: Bem sabeis rejeitar o mandamento de Deus, para guardardes a vossa tradição. Pois Moisés disse: Honra a teu pai e a tua mãe; e: Quem maldisser ao pai ou à mãe, certamente morrerá. Mas vós dizeis: Se um homem disser a seu pai ou a sua mãe: Aquilo que poderias aproveitar de mim é Corbã, isto é, oferta ao Senhor,
    não mais lhe permitis fazer coisa alguma por seu pai ou por sua mãe, invalidando assim a palavra de Deus pela vossa tradição que vós transmitistes; também muitas outras coisas semelhantes fazeis. E chamando a si outra vez a multidão, disse-lhes: Ouvi-me vós todos, e entendei. Nada há fora do homem que, entrando nele, possa contaminá-lo; mas o que sai do homem, isso é que o contamina. (Se alguém tem ouvidos para ouvir, ouça.)
    Depois, quando deixou a multidão e entrou em casa, os seus discípulos o interrogaram acerca da parábola.

    ----------------------------------

    INTRODUÇÃO

    O Catolicismo Romano é uma das três maiores religiões do mundo, juntamente com os Protestantes e Ortodoxos. Mas a nossa análise é Bíblica, e não politico-social. Em nome da tradição, a Igreja Católica sacrificou o autêntico Cristianismo ao longo dos séculos. Vamos neste estudo, analisar os dogmas católicos à luz da Bíblia.

    O PAPISMO

    Instituição do Papa: Ninguém, em sã conciência, pode negar a influência política do papa no mundo, mas biblicamente, esse cargo não existe. A teoria de que Pedro foi o primeiro papa não resiste à análise bíblica. Mas, como disse Mussoline, fundador do facismo na Itália: "uma mentira repetida vinte vezes acaba por se tornar uma verdade". Mas sabemos que, mais cedo ou mais tarde, tal mentira terminará por ser desmascarada. Foi isso que aconteceu. A tradição Católica diz que Pedro foi Papa em Roma durante vinte e cinco anos. Vamos aos Fatos Reais:

    Pedro Nunca foi Bispo de Roma: Se ele foi martirizado no Reinado de Nero, por volta de 67 ou 68 AD, subtraindo desta data vinte cinco anos, retrocederemos a 42 ou 43 AD.

    a) Rastreando a Vida de Pedro: Vasculhando a vida de Pedro, conforme a Bíblia, iremos desmascarar esta mentira dos Romanos. O Concílio de Jerusalém (Atos 15), ocorreu em 48, ou pouco depois, entre a primeira e a segunda viagem missionária de Paulo. Embora Pedro não o presidiu; a presidência coube a TIAGO (At. 15:13-19). Em 58, Paulo escreveu a Epístola aos Romanos. No último capítulo da epístola, o apóstolo manou saudações para muita gente em Roma, mas Pedro sequer é mencionado, não acha estranho? Em 62, Paulo chega a Roma, e foi visitado por muitos irmãos (At. 28:30-31), novamente não se tem notícias de PEDRO.

    b) Epístolas escritas em Roma: De Roma, Paulo escreveu quatro cartas, em 62: Efésios, Colossenses e Filemon. Em 63, Filipenses. Entre 67 e 68, após o incêndio de Roma, quando estava preso pela segunda vez, 2 Timóteo. Esse tal papa não é mencionado.

    ----------------------------------

    EXEGESE DE Mateus 16:16-18:
    A Igreja do primeiro século desconhecia a figura do PAPA.

    a) A Pedra é Cristo: A primeira interpretação papista de Mt. 16:16-18 é uma camisa-de-força. A expressão: "Sobre esta Pedra", significa sobre a resposta de Pedro: "Tú és o Cristo, Filho de Deus Vivo." Sobre Cristo foi edificada, e não sobre Pedro, a menos que o clero Romano admita que o Catolicismo tenha erigido sobre Pedro.

    b) A Pedra no contexto Bíblico: Desde a época do salmista (Sl. 118:22), passando pelo profeta Isaias, a palavra profética já anunciava o Messias, como a PEDRA DE ESQUINA (Is. 28:16). Jesus afirmou ser ele mesmo a Pedra (Mt. 21:42). O próprio apostolo Paulo afirma que Pedro é apenas uma pedra como os demais apóstolos, sendo Jesus Cristo a Pedra Principal (Ef. 2:20). Falta, portanto, fundamento Bíblico para sustentar a figura do Papa.

    ----------------------------------
    A MARIOLATRIA E OS CULTOS AOS SANTOS

    Adoração e Veneração: Há diferenças entre "adorar" e "prestar culto"? se prostrar diante de um ser, dirigir-se a ele em orações e ações de graças, fazer-lhe pedidos, cantar louvores - Chamar isso de veneração é subestimar a inteligência humana. A Bíblia diz qye há um só mediador entre Deus e os Homens - Jesus Cristo (1 Tm 2:5), entretanto, os católicos apresentam orações pedindo a intercessão de Maria.

    Culto aos Santos: Analisando as práticas romanistas à luz da Bíblia e da própria história antiga, fica bem claro que são práticas pagãns. O Papa Bonifácil IV, em 610, celebrou pela primeira vez a festa de todos os santos, substituindo o panteão romano (templo pagão dedicado a todos os deuses) por um templo "cristão" para que as relíquias dos santos fossem ali colocadas, inclusive Maria. Dessa forma, o culto aos santos e a Maria substituiu o dos deuses e deusas do paganismo.

    Maria, deusa para os Católicos: Os católicos manifestam seu sentimento de profunda tristeza quando afirmamos que Maria é reconhecida como deusa no catolicismo. Dizem que não estamos sendo honestos nessa declaração, mas os fatos falam por si mesmos:

    "Glórias de Maria": É o título do livro publicado pela editora Santuário, de autoria de Afonso Maria de Liguori, canonizado pelo Papa, que atribuiu à Maria toda a honra e toda a Glória que a Bíblia afirma ser de Jesus Cristo como Senhor. Chama Maria de Onipotente e outros atributos exclusivamente Divinos.

    Os Querubins: A Passagem Bíblica sobre os querubins colocados no propiciatório da arca da aliança (Êx. 25:18-20), advogada pelo teólogos romanistas para justificar a prática idolatrica, não se reveste de sustento algum. Porque não existe na Bíblia nenhuma passagem sequer que mostre um Israelita dirigindo as suas orações aos querubins. O propiciatório era a figura da redenção de Cristo (Hb. 9:5-9). A Bíblia condena terminantemente o uso de imagem de esculturas no meio do altar (Êx. 20:4-5; Dt. 5:8-9), Jesus disse: "Ao Senhor, teu Deus, adorarás e só a ele servirás." (Mt. 4:10). O Anjo disse a João: "Adora somente a Deus" (Ap. 19:10; 22:9). Pedro recusou ser adorado por Cornélio (At. 10:25-26)

    ----------------------------------
    OUTROS DOGMAS

    Leituras Bíblicas: Foi proibido aos leigos do concílio de Tolosa em 1222. Com isso, a Igreja Católica jubilou a Biblia, e a tradição passou a suplantar a Palavra de Deus (Mt. 15:9). É dever de todo homem ler a Bíblia; a própria Bíblia recomenda (Dt. 6:6-7;31:11-12;Jr. 1:8;Is. 34:16;At 17:11;1 Ts. 5:27;2 Tm. 3:15-17;Ap. 1:3).
    a) Lentes Papistas: Se hoje há algum incentivo à leitura da Bíblia por parte do clero romano, é por causa da pressão dos evangélicos, pois a Igreja Católica está perdendo, a cada dia, mais e mais adeptos. Desta forma o Clero Romano, está lendo a Bíblia, mas com "Lentes Papistas".

    b) Livro Apócrifos: Os livros apócrifos, jamais fizeram parte da Bíblia Sagrada dos Judeus, isto é: O Antigo Testamento. A Bíblia Hebraica, ainda hoje, está dividida em três partes: LEI, HAGIÓGRAFOS (Escritos Sagrados) e PROFECIAS.

    Celibato Clerical: Foi Instituído em caráter local em 386, por Sirício, bispo de Roma, e imposto como obrigação vocacional pelo Papa GregórioVII, em 1704. Continua a ser mantido pela Igreja Católica. O Casamento não é mandamento, mas escolha individual. Nem a Igreja, nem o Papa, nem ninguém pode interferir neste direito cedido por Deus (Gn. 2:18; 1 Co. 7:2), inclusive aos oficiais da Igreja (1 Tm. 3:2-5;12;Tt 1:6-9). Pedro e os demais aoóstolos eram casados. (Mt. 8:14; 1 Co. 9:5).

    Purgatório: A doutrina do purgatório foi aprovada em 1439, no concílio de Florença, confirmada definitivamente no Concílio de Ttrento (1549-1563), mas ela já existia desde 1070. Essa doutrina ensina que os cristãos parcialmente santificados passam por um processo de purificação de pecados, para depois entrarem nos céus. Essa crença veio do Paganismo e é muito antiga. Mas nós sabemos que só há um Caminho descrito na Bíblia para a Salvação (Jo. 14:6), e que só existe um que pode purificar pecados que é o Sangue de Jesus Cristo, e não o fogo do purgatório (1 Jo. 1:7).

    Tradição: Jesus criticou durante o fato de se colocar a tradição em igualdade de condição com a Palavra de Deus, ou até mesmo acima dela.

    A Igreja Católica, através de suas tradições, aprova práticas frontalmente condenadas pela Bíblia: A Idolatria e outros desvios doutrinários. É a Bíblia quem julga a Igreja e não vice-versa.

    Batismo Infantil: A Criança é inocente e não tem responsabilidade alguma diante de Deus. Ela não tem ainda capacidade de amar e aborrecer a Deus. A questão delas Jesus já resolveu: "Deixai vir os pequeninos a mim e não os impeçais, porque dos tais é o Reino de Deus". O Batismo exige profissão de fé (At. 8:37); oração (At. 22:16) e voto de consagração (1 Pe. 3:21). A Criança não é capaz de realizar esses três requisitos. Os pais não podem fazer isso por elas, pois a Salvação é individual (Ez. 18:20). Não existe na Bíblia caso sequer de BATISMO INFANTIL. Jesus foi batizado com quase trinta anos de idade (Lc. 3:23).

    Salvação pelas Obras: A Igreja Católica prega salvação pelas obras contrariando a Palavra de Deus. A Salvação é um ato da Graça de Deus, e não um mérito humano, (Ef. 2:8-10;Tt 2:11;3-5). A Bíblia diz que o Justo viverá pela fé (Rm. 1:17,Hb 2:4). O Apóstolo Paulo ocupa todo o capítulo quatro de romanos justificando e provando, que a Salvação é pela fé, e não pelas obras. Somos Justificados mediante a fé em Cristo Jesus (Rm 5:1).

    ----------------------------------
    CONCLUSÃO:

    Hoje, o Papa procura unir as igrejas em torno de si próprio através do ECUMENISMO. Infelismente, há os que estão caindo nessa armadinha. Muitos foram torturados pela inquisição papista, por tentarem questionar os Dogmas. Pois diz a Palavra de Deus que nos ultimos tempos haverá uma junção de religião, raça, povo, lingua... e é isso que estamos vendo acontecer..Fonte:www.jesussite.com

    CATOLICISMO À LUZ DA BÍBLIA SAGRADA

    Catolicismo à luz da Bíblia Sagrada
    Publicado em 12/23/2001

    JesusSite
    INTRODUÇÃO

    "Mas o Espírito expressamente diz que em tempos posteriores alguns apostatarão da fé, dando ouvidos a espíritos enganadores, e a doutrinas de demônios, pela hipocrisia de homens que falam mentiras e têm a sua própria consciência cauterizada, proibindo o casamento, e ordenando a abstinência de alimentos que Deus criou para serem recebidos com ações de graças pelos que são fiéis e que conhecem bem a verdade." (1 Tm 4.1-3 )

    A palavra católico vem do grego katholikos, que quer dizer "universal". No nome catolicismo romano já observamos uma contradição. Lorraine Boetner, em seu livro "Catolicismo Romano", cita o Dr. John Gerstner que escreveu: "...rigorosamente falando, católica romana é uma contradição de termos. Católico significa universal; romano significa particular".

    Quero, neste estudo, analisar as principais doutrinas católicas com as Escrituras e mostrar a total incompatibilidade que existe entre a fé dos evangélicos e a fé dos católicos. O profeta Amós perguntou: "Andarão dois juntos, se não estiverem de acordo?" (Am 3.3) Não estou pregando a intolerância religiosa, o respeito pelo próximo é uma marca cristã, o direito a escolha religiosa é um direito inegociável. Refiro-me a tentativa ecumênica de unir evangélicos e católicos numa só igreja. Um artigo na Internet divulgou que "João Paulo II vem manifestando interesse em aproximar-se de judeus e evangélicos". A proposta ecumênica dos católicos é de mão única. Estes estão interessados que os evangélicos, por exemplo, aceitem o Papa como cabeça da igreja e muito mais. A meta do ecumenismo é a união de todas as igrejas em uma só Igreja Mundial. É impossível aceitar essa proposta sem abrir mão daquilo que é básico em nossa fé. Sabemos, pelas Escrituras, que o Anticristo virá sobre as asas do ecumenismo se colocando como líder religioso mundial dizendo ser o Cristo.

    PEQUENO HISTÓRICO

    A igreja católica, que conhecemos hoje, é o resultado de alterações feitas à partir da igreja primitiva. Segundo Aurélio, "...o catolicismo romano é a religião que reconhece o Papa como autoridade máxima, que se expande por meio de sacramentos, que venera a virgem Maria e os santos, que aceita os dogmas como verdades incontestáveis e fundamentais e que tem como ato litúrgico mais importante a missa". O que essa igreja tem em comum com a igreja primitiva? Nada!

    Durante os primeiros séculos cristãos ocorreram muitas perseguições, isto cooperou para que a igreja se mantivesse fiel as Escrituras. Este período é chamado de era patrística, ou era dos pais da igreja. Halley fala de Policarpo (69-156 d.C.), discípulo de apóstolo João que foi queimado vivo por se recusar a amaldiçoar a Cristo. Policarpo falou: "oitenta e seis anos faz que sirvo a Cristo e Ele só me tem feito bem, como podia eu, agora, amaldiçoá-lo, sendo Ele meu Senhor e Salvador?"

    A corrupção no cristianismo começou já em meados do século III, onde houve o primeiro rompimento sério dos cristãos, por causa da introdução dos batismos de crianças. O rompimento foi chamado de "desfraternização". No século IV, Constantino ascendeu ao posto de Imperador. Este apoiou o cristianismo e fez o mesmo religião oficial do Império Romano. Assim sendo, muitos ímpios se tornaram cristãos por motivos políticos e escusos. Constantino convocou em 325 d.C. o Concílio de Nicéia onde surgiu o catolicismo romano influenciado por doutrinas pagãs. Como pôde haver essa junção entre o cristianismo e Roma? Roma que sempre foi centro de idolatria em que seus imperadores eram considerados deuses. Alcides Peres conta que em 326 d.C., um ano depois do Concílio, Constantino vai a Roma para celebrar o vigésimo ano de seu reinado. Por intriga palaciana, manda prender seu filho Crispo, que é logo julgado, condenado e morto pelo próprio pai... Foi esse homem que deu origem a esta junção do catolicismo com o romanismo.

    Muitas doutrinas estranhas continuaram a penetrar no catolicismo romano. Fazendo que cada vez mais a igreja católica se distanciasse de sua origem. Citarei alguns exemplos dando datas aproximadas:

    1. A oração pelos mortos começou a ser aceita por volta de 300 d.C.
    2. O começo da exaltação a Maria onde o termo "mãe de Deus" surgiu pela primeira vez em 431 d.C.
    3. A doutrina do purgatório em 593 d.C. A adoração da cruz, imagens e relíquias em 786 d.C.
    4. A canonização dos santos mortos em 995 d.C. O celibato do sacerdócio em 1079 d.C. E assim em diante...

    No século XVI ocorreu a tão conhecida reforma protestante que é sempre lembrada no dia 31 de outubro por ser a data que Lutero em 1517 d.C. colocou suas 95 teses na porta da Igreja do Castelo de Wittenberg. Essas teses combatiam principalmente a compra de indulgências. Segundo Earle E. Cairns: "A indulgência era um documento que se adquiria por uma importância em dinheiro e que livrava aquele que a comprasse da pena do pecado." O pecador deveria arrependendo-se, confessar o seu pecado ao sacerdote, e ainda pagar uma certa quantia para assim obter o perdão, tratando desta forma o sacrifício na cruz como nada. Lutero combateu isto com veemência baseando-se em Romanos 1:17, ensinando que só a fé em Cristo justifica. Com a reforma a Bíblia foi traduzida para a língua do povo. Antes a Bíblia era negada ao povo sob a desculpa que só o sacerdote podia interpretá-la corretamente. A supremacia da Bíblia em todas as questões de fé e prática foi enfatizada (sola scriptura) assim combatendo a idéia que a tradição e as interpretações dos clérigos teriam o mesmo valor que as Escrituras.

    Lorraine Boettiner escreveu: "O protestantismo como surgiu no século dezesseis não foi o começo de alguma coisa nova, mas o retorno ao cristianismo bíblico e à simplicidade da igreja apostólica da qual a igreja católica se afastou há muito tempo."

    A AUTORIDADE DAS ESCRITURAS

    Para começo de conversa é bom falarmos sobre a autoridade da Bíblia segundo o catolicismo. Segundo o catolicismo existem três grandes autoridades para o ensino: a tradição da igreja, o magistério e as Escrituras Sagradas. Para eles a Bíblia sozinha não é suficiente. Raimundo F. de Oliveira cita o Padre Benhard que em 1929 escreveu: "A Bíblia não é a única fonte de fé, como Lutero ensinou no séc. XVI, porque sem a interpretação de um apostolado divino e infalível, separado da Bíblia, jamais poderemos saber, com certeza, quais são os livros que constituem as Escrituras inspiradas, ou se as cópias que hoje possuímos concordam com os originais. A Bíblia em si mesma, não é mais do que letra morta, esperando por um intérprete divino... Certo número de verdades reveladas têm chegado a nós, somente por meio da tradição divina."

    "Porque eu testifico a todo aquele que ouvir as palavras da profecia deste livro que, se alguém lhes acrescentar alguma coisa, Deus fará vir sobre ele as pragas que estão escritas neste livro; e se alguém tirar quaisquer palavras do livro desta profecia, Deus tirará a sua parte da árvore da vida, e da cidade santa, que estão escritas neste livro." (Ap. 22.18 e 19)

    Conforme temos visto, para o catolicismo romano, a Bíblia não é a única regra de fé. A revelação, segundo eles, está apoiada no seguinte tripé: as escrituras, a tradição da Igreja e o magistério. Ainda tiram da Bíblia o valor de ser a autoridade final. Observe a declaração do catecismo de 1994: "O ofício de interpretar autenticamente a Palavra de Deus escrita ou transmitida (tradição) foi confiado unicamente ao magistério vivo da Igreja, cuja autoridade se exerce em nome de Jesus Cristo, isto é, aos bispos em comunhão com o sucessor de Pedro, o bispo de Roma." Ou seja, para os católicos, a interpretação dos magistrados é superior as Escrituras Sagradas. Paulo nos advertiu: "Mas ainda a que nós mesmos ou um anjo do céu vos anuncie outro evangelho além do que já tenho anunciado, seja anátema." (Gl 1.8). E em Rm 3.4 está escrito "...sempre seja Deus verdadeiro e todo o homem mentiroso."

    Além desse tripé errôneo, existe o fato da Igreja Católica possuir livros apócrifos em sua Bíblia. A palavra "apócrifo" vem do grego apokrupha que significa "coisas ocultas". Porém com o decorrer do tempo foi adquirindo o significado de "espúrio" e "não-puro". Os livros apócrifos estão inseridos no Velho Testamento fazendo que o Velho Testamento deles tenham 46 livros enquanto o nosso têm 39 livros. Os apócrifos são: Tobias, Judite, Sabedoria, Eclesiástico, Baruque, 1º e 2º de Macabeus, seis capítulos e dez versículos acrescentados no livro de Ester e dois capítulos de Daniel. Foi no Concílio de Trento em 15 de abril de 1546, em sua quarta sessão que a Igreja Católica declarou estes livros sagrados.

    Quero dar quatro razões para não aceitarmos esses livros como inspirados por Deus.

    1ª) Esses livros não estão no cânon hebraico. A palavra "cânon" significa literalmente "cana" ou "vara de medir". Esta palavra, com o tempo, passou a classificar os livros que são considerados genuínos e inspirados por Deus. Sendo assim os hebreus consideram os livros apócrifos como não inspirados por Deus.

    2ª) Não há no Novo Testamento nenhuma citação desses livros. Jesus e os apóstolos não citaram uma vez sequer um trecho incluído nesses livros. Assim mostrando que não eram considerados genuínos por Cristo ou pelos apóstolos.

    3ª) Doutrinas contrárias as escrituras são baseadas nesses livros, tais como: a intercessão pelos mortos, a intercessão dos santos, a salvação pelas obras, etc.

    4ª) Os católicos não foram unânimes quanto a inspiração divina nesses livros. No Concílio de Trento houve luta corporal quando este assunto foi tratado. Lorraine Boetner (in Catolicismo Romano) cita o seguinte: "O papa Gregório, o grande, declarou que primeiro Macabeus, um livro apócrifo, não é canônico. O cardeal Ximenes, em sua Bíblia poliglota, exatamente antes do Concílio de Trento, exclui os apócrifos e sua obra foi aprovada pelo papa Leão X. Será que estes papas se enganaram? Se eles estavam certos, a decisão do Concílio de Trento estava errada. Se eles estavam errados, onde fica a infalibilidade do papa como mestre da doutrina?"

    SALVAÇÃO

    Como o Catolicismo Romano vê a salvação? Adolfo Robleto (in: O Catolicismo Romano) destaca: "Na Igreja Católica, no entanto, o tema da salvação não ocupa um lugar proeminente. Os esforços se encaminham para o sentido de que o povo católico, não falte à igreja e faça obras de caridade." Segundo o catolicismo a salvação é adquirida de três formas básicas: 1ª) graça de Deus, 2ª) fé e obras e 3ª) a igreja e seus sacramentos.

    1ª) Graça de Deus – A palavra graça significa favor imerecido e gratuito. É algo concedido por Deus de forma gratuita sem qualquer mérito humano. "Porque pela graça sois salvos, por meio da fé; e isto não vem de vós; é dom de Deus. Não vem das obras para que ninguém se glorie." (Ef 2.8 e 9). Por sua vez, a Igreja Católica não vê a graça como um favor gratuito e imerecido. O fiel para receber a graça de Deus precisa ser ligado a Igreja Católica e participar dos sacramentos, sendo só desta forma que Ele pode receber a graça de Deus. Caso não receba a graça, o fiel não poderá ser salvo. Mas as Escrituras deixam bem claro que sendo a salvação pela graça, não pode ser ao mesmo tempo pelas obras. "E se é pela graça, já não é pelas obras; do contrário, a graça já não é graça." (Rm 11.6).

    2ª) Fé e obras – Segundo o catolicismo a fé em Cristo não é suficiente para se adquirir a salvação. É necessário também realizar caridades, esmolas e participar dos sacramentos. No Concílio de Trento (1546-1563) saiu o seguinte decreto: "Se alguém disser que a fé é justificadora não é nada mais que confiança na misericórdia divina que cancela o pecado em nome de Cristo somente; ou que esta confiança sozinha basta para sermos justificados, que seja anátema." O catolicismo chama de maldito aquele que crê que a fé em Cristo sozinha é suficiente para justificá-lo diante de Deus. Mas nas Escrituras está escrito: "Sendo pois justificados pela fé, tenhamos paz com Deus por nosso Senhor Jesus Cristo." Cristo pouco antes de morrer na cruz disse: "...está tudo consumado". Mostrando assim que o homem não precisaria fazer mais nada para adquirir a salvação. Pois Ele "veio buscar e salvar o que se havia perdido" (Lc 19.10).

    A salvação não pode ser comprada pelas obras humanas. "Ou quem lhe deu primeiro a Ele, para que seja recompensado?" (Rm 11.35). Quem crê na salvação pela fé em obras está dizendo que Cristo morreu em vão (Gl 2.21).

    Adolfo Robleto escreveu: Qual é então a relação entre a fé e as obras? É a seguinte: a fé é a raiz; as obras são o fruto. A fé nos justifica para com Deus; as obras evidenciam essa fé diante dos homens. Deus vê o coração; os homens vêem as obras da fé no viver. Fazemos boas obras depois que cremos que somos salvos, e não antes da fé para sermos salvos. Em conclusão: as obras não produzem a salvação, mas, sim, são um resultado um resultado dela." Veja Ef 2.10.

    3ª) A igreja e seus sacramentos – No catecismo de 1994 está escrito: "Toda salvação vem de Cristo–cabeça, através da igreja, a qual é o seu corpo; apoiado na Sagrada Escritura e na tradição (o Concílio) ensina que esta igreja, agora peregrina na terra, é necessária a salvação... por isso não podem salvar-se, aqueles que, sabendo que a igreja católica foi fundada por Deus através de Jesus Cristo, como instituição necessária, apesar disso não quiserem entrar nela ou perseverar."

    Nas Escrituras não há nenhuma indicação que alguém deve entrar numa igreja para obter salvação. A salvação só é por meio de Cristo (At 4.12; Jo 3.36; Jo 5.24; Jo 20.31; At 10.43; I Ts 5.9 etc.). Depois de salvo o cristão deve se ligar a uma igreja realmente cristã para ter comunhão com seus irmãos em Cristo (Hb 10.25, I Jo 1.5-7 e I Jo 4.20 e 21).

    A palavra sacramento vem do latim sacramentum que antigamente tinha dois significados básicos:

    1.º) Algo que era separado para um propósito sagrado

    2.º) Era um juramento que o soldado fazia ao Imperador de Roma ao ingressar no exército. No século V, Agostinho começou a elaborar as doutrinas dos sacramentos, que ele definiu como "a forma visível de um graça invisível" (signum visible de gratia invisible). Só no ano de 1439, no Concílio de Florença, foi que os sete sacramentos foram oficializados pelo catolicismo. Sendo os sete sacramentos: batismo, crisma ou confirmação, penitência, eucaristia ou missa, matrimônio, unção de enfermos ou extrema-unção e santas ordens. Segundo o catecismo de 1994, "a Igreja afirma que para os crentes os sacramentos da nova aliança são necessários à salvação." Os sete sacramentos são nada menos que uma séria de boas obras que os católicos crêem que precisam fazer para alcançar a salvação. Mas em Rm 3.20 está escrito: "Por isso nenhuma carne será justificada diante Dele pelas obras..."

    Ao criar esta doutrina o catolicismo forma uma espécie de salvação sacerdotal, pois os sacramentos só podem ser ministrados pelos "sacerdotes" católicos. Transformando os sacerdotes católicos em mediadores entre Deus e os homens. O que é uma tremenda heresia: "Porque há um só Deus, e um só mediador entre Deus e os homens, Jesus Cristo homem." Analisaremos brevemente cada sacramento.

    O BATISMO

    Os católicos crêem que o batismo é necessário a salvação, que sem o batismo a pessoa está condenada ao inferno. No concílio de Trento foi decretado: "As crianças se não forem regeneradas para Deus através da graça do batismo, quer seus pais sejam cristãos ou infiéis, nascem para miséria e perdição eternas." Quão terrível é esta doutrina! Já nós, evangélicos, cremos que estando a criança na fase da inocência vindo falecer esta irá para o céu. "Por que dos tais é o reino dos céus." (Mt 19.14). O batismo é para quem crê. Enquanto a criança não tiver como decidir sobre a sua fé em Cristo, esta não pode ser batizada. A afirmação que o batismo salva é totalmente equivocada. O batismo é para os salvos e só a ausência de fé em Cristo é que condena. "Quem crer e for batizado será salvo, quem não crê será condenado." (Mc 16.16)

    CRISMA OU CONFIRMAÇÃO

    Segundo eles, é um ato de aprofundamento em Cristo para todos aqueles que já foram batizados. No catecismo de 1994 está escrito: "a confirmação aperfeiçoa a graça batismal; é o sacramento que dá o Espírito Santo para enraizar-nos mais profundamente na filiação divina; incorporar-nos mais firmemente a Cristo, tornar mais sólida a nossa vinculação com a Igreja..." Preste atenção! Segundo eles, este sacramento concede o Espírito Santo. Por isto no crisma o bispo impõe suas mãos sobre a cabeça da pessoa com o propósito de transmitir o Espírito Santo. Não existem nenhum ritual, nas Escrituras, que aprofunde alguém espiritualmente. A filiação divina não é aprofundada por um ritual mas é conseguida plenamente no momento em que se crê em Cristo. É o que está escrito em João 1.12: "Mas a todos quantos o receberam, deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus; aos que crêem no Seu nome." E é neste momento que recebemos o Espírito Santo. "Pois todos nós fomos batizados em um Espírito formando um corpo, quer judeus, quer gregos, quer servos, quer livres e todos temos bebidos de um Espírito."

    PENITÊNCIA

    Segundo o catolicismo é a maneira de remover a penalidade dos pecados cometidos depois do batismo e crisma. O padre depois de ouvir a confissão dos pecados recomenda aos fiéis penitências como: orações, ofertas, ajuda ao próximo ou algum tipo de privação. No catecismo de 1994 está escrito: "A absolvição tira o pecado, mas não remedia todas as desordens que ele causou. Liberto do pecado, o pecador deve ainda recobrar a plena saúde espiritual. Deve, portanto, fazer alguma coisa mais para reparar seus pecados; deve satisfazer de modo apropriado ou expiar seus pecados. Esta satisfação chama-se também penitência." Esta doutrina é uma verdadeira aberração. O sacrifício de cristo é único e suficiente (Hb 10.12).

    EUCARISTIA OU MISSA

    Lorraine Boetner cita o catecismo de Nova York que diz o seguinte:

    "Jesus Cristo nos deu o sacrifício na cruz da missa para que a sua Igreja tenha um sacrifício visível que prolongue o Seu sacrifício na cruz até o fim dos tempos. A missa é o mesmo sacrifício que o sacrifício da cruz. A santa comunhão é participar do corpo e do sangue de Jesus Cristo sob a aparência de pão e vinho".

    Vemos que para os católicos a eucaristia ou missa é onde Cristo volta a ser crucificado para que os benefícios da cruz se apliquem continuamente aos seus participantes. Na epístola aos Hebreus capítulo 9 vemos Jesus sendo comparado aos sacerdotes no templo. Porém o autor mostra que Cristo é superior aos sacerdotes, sendo Ele o Sumo Sacerdote perfeito que ofereceu-se uma vez.

    Observe:

    "Nem também para si mesmo oferecer muitas vezes, como o sumo sacerdote cada ano entra no santuário com sangue alheio. Doutra maneira, necessário lhe fora padecer desde a fundação do mundo; mas agora na consumação dos séculos uma vez se manifestou, para aniquilar o pecado pelo sacrifício de si mesmo. E, como aos homens está ordenado morrerem uma vez vindo depois disso o juízo, assim também Cristo, oferecendo-se uma vez para tirar os pecados de muitos..." (Hb 9.25-28).

    No versículo 12 afirma que entrou "uma vez no santuário, havendo efetuado uma eterna redenção." A redenção é eterna então não há necessidade de rituais para que a redenção continue.

    Ensina a teologia católica a transubstanciação (alteração de substância) durante a eucaristia. Após a consagração dos elementos, pão e vinho, e a recita feita pelo padre das palavras de Cristo, "isto é o meu corpo" e "isto é o meu sangue", o pão se transforma na carne de Cristo e o vinho no sangue de Cristo. Esquecem os católicos que Jesus Cristo, em pessoa, institui a ceia do Senhor e pronunciou as palavras: "isto é o meu corpo e o meu sangue." Se a transubstanciação fosse verdadeira, Cristo teria comido a sua própria carne e bebido do seu próprio sangue. Isso seria impossível, pois Cristo estava em pessoa celebrando a ceia e seria um absurdo comer o próprio corpo e beber do próprio sangue. Cristo foi bem claro "fazei isto em memória de mim". Se é "em memória" é forçoso admitir que Cristo não estava presente nos elementos: pão e vinho. (Lc 22.19 e 20).

    Paulo ao instruir sobre a ceia do Senhor chamou o pão de pão e vinho de vinho. Note bem: "Porque todas as vezes que comerdes este pão e beberdes este cálice anunciais a morte do Senhor, até que venha" (I Co 11.26). E ainda, em algumas passagens da Bíblia vemos a ceia do Senhor sendo chamada de "o partir do pão" e não o partir do corpo (At 2. 46). Os católicos costumam usar como base bíblica para a eucaristia, as seguintes palavras de Cristo: "Porque a minha carne verdadeiramente é comida e o meu sangue verdadeiramente é bebida" (Jo 6.55). É claro que Cristo falou estas palavras no sentido figurado, ou será, que Cristo pregou o canibalismo. Mas os católicos, ainda insistem, pois Cristo falou "verdadeiramente". Como Cristo também falou: "Eu sou a videira verdadeira e meu Pai é o lavrador." (Jo 15.1) Cristo é uma planta? Não. Fica evidente que Ele usou o sentido figurado como usou em Jo 6.55. O capítulo 6 de João é o registro da multiplicação de pães. A multidão começou a seguir a Jesus por causa do pão terreno. Mas Cristo queria lhes oferecer o pão espiritual: "Eu sou o pão da vida; aquele que vem a mim não terá fome; e quem crê em mim nunca terá sede" (Jo 6.35). É claro que Jesus falou no sentido espiritual como também falou em Jo 6.55.

    Os católicos ainda crêem que ao participar da eucaristia os fiéis têm a purificação dos pecados presentes, preservação dos pecados futuros e ainda ajudam os mortos. No catecismo de 1994 está escrito: "O sacrifício eucarístico é também oferecido pelos fiéis defuntos que morreram em Cristo e não estão ainda plenamente purificados, para que possam entrar na luz e na paz de Cristo." As Escrituras são claras ao dizer que todos os pecados são removidos através do sangue de Cristo (veja I Jo 1.7 e Ap 1.5.)

    MATRIMÔNIO

    Sem dúvida alguma, Deus institui o casamento, sendo este a primeira instituição divina, quando uniu Adão e Eva (Gn 2.23 e 24). Uma coisa é considerar o casamento uma instituição divina. Outra coisa, totalmente diferente, é considerar o casamento como sacramento (meio de graça). Os católicos crêem que quando seus "sacerdotes" realizam seus casamentos, a graça de Deus vem através dos mesmos.

    Com este tipo de pensamento, os católicos só consideram os casamentos realizados pelos seus sacerdotes. O erro de considerar o casamento como um sacramento se deu por um erro de tradução da Vulgata (versão latina das Escrituras, traduzida por Jerônimo) que traduziu Efésios 5.32 como "Este é um grande sacramento" enquanto a tradução correta é "Este é um grande mistério". Sabemos que a Igreja Católica costuma cobrar uma taxa para realizar casamentos.

    UNÇÃO DOS ENFERMOS OU EXTREMA UNÇÃO

    Segundo o catolicismo, é um meio de conferir graças aos enfermos, anciãos e moribundos, ajudando assim no perdão dos pecados. Normalmente é ministrado pelo "sacerdote" a pessoa que está à beira da morte. O "sacerdote" unge os olhos, nariz, mãos e pés enquanto recita uma "oração especial" em latim. Este ritual visa diminuir a quantidade de pecados da pessoa devendo o restante ser "pago" pelos parentes através das missas.

    Em nenhum lugar das Escrituras vemos a recomendação para a realização desse ritual. O sangue de Cristo é suficiente para perdoar os pecados e não precisa de "óleo sagrado" para aperfeiçoar este. Na Bíblia, existe a recomendação de orar pelo enfermo com o uso do óleo (sendo o óleo apenas um símbolo do Espírito Santo) mas não para o perdão dos pecados, e sim, para cura do corpo. (Tg 5.14-16)

    SANTAS ORDENS

    Segundo o catolicismo é ato de conferir graça especial e poder espiritual aos padres, bispos, arcebispos, cardeais e papas. Fazendo destes sacerdotes, portanto, representantes de Cristo na terra. A idéia do sacerdócio é do Antigo testamento, onde os sacerdotes basicamente exerciam três funções:

    1ª) Ofereciam sacrifícios no santuário diante de Deus em benefício do povo.

    2ª) Ensinavam a lei de Deus.

    3ª) Buscavam a vontade de Deus.

    O sacerdócio era uma sombra ou tipo daquele que haveria de vir – Cristo. Com a vinda de Cristo não há necessidade nenhuma de sacerdotes. Em Hb 9.11 e 12 está escrito: "Mas, vindo Cristo, o sumo sacerdote dos bens futuros, por um maior e mais perfeito tabernáculo, não feito de mãos, isto é, não desta criação, nem por sangue dos bodes e bezerros, mas por seu próprio sangue, entrou uma vez no santuário, havendo efetuado uma eterna redenção". E em Hb 9.24 está escrito: "Porque Cristo não entrou num santuário feito por mãos de homens, figura do verdadeiro, porém no mesmo céu, para comparecer por nós perante a face de Deus."

    O sacerdote era uma espécie de mediador dos homens diante de Deus. Hoje temos um único mediador: "Porque há um só Deus, e um só mediador entre Deus e os homens, Jesus Cristo homem." (I Tm 2.5). Hoje cada crente pode ir a Deus através de Cristo. "Pedi e dar-se-vos-á; buscai, e encontrareis; batei, e abrir-se-vos-á. Porque, aquele que pede, recebe; e o que busca, encontra; e o que bate, se abre." (Mt 7. 7 e 8). Diante dessas irrevogáveis verdades bíblicas, pasmem com que está escrito no Concílio de Trento:

    "O sacerdote é o homem de Deus, o ministro de Deus... Aquele que despreza o sacerdote despreza Deus; aquele que o ouve, ouve a Deus. O sacerdote perdoa pecados como Deus, e aquilo que ele chama de seu corpo no altar é adorado como Deus por ele mesmo e pela congregação... Está claro que a sua função é tal que não se pode conceber nenhuma maior. Portanto, eles não são simplesmente chamados de anjos, mas também de Deus, mantendo como fazer o poder e autoridade do Deus imortal em nós."

    Pura blasfêmia! Ainda leia o que está escrito num livro romano citado por Lorraine Boettner:

    "Sem o sacerdote, a morte e a paixão de nosso Senhor não teria nenhum valor para nós. Veja o poder do sacerdote! Através de uma palavra dos seus lábios ele transforma um pedaço de pão em Deus! Um fato maior que a criação do mundo. Se eu me encontrasse com um sacerdote e um anjo, eu saudaria o sacerdote antes de saudar o anjo. O sacerdote ocupa o lugar de Deus." Pura blasfêmia!

    PURGATÓRIO

    A doutrina do purgatório teve o seu início no Concílio de Florença (1439). Lá foi estabelecido a diferença entre o pecado cometido e a tendência inata para o pecado. Chegando-se a conclusão que o perdão (conseguido através da confissão ao sacerdote e a participação dos sacramentos) acaba com o pecado, mas não acaba com a má tendência. Há portanto, a necessidade do purgatório, um lugar intermediário entre o céu e a terra, onde os fiéis que ainda tenham alguma dívida e a má tendência para o pecado, irão sofrer no fogo do purgatório, até a purificação completa.

    O autor John M. Haffert (livro: Saturday in Purgatory) escreveu: "Não há menor dúvida que os sofrimentos do purgatório em alguns casos duram através de séculos inteiros." Sobre o sofrimento do purgatório, o manual da sociedade do purgatório registra: "Segundo os santos padres da igreja, o fogo do purgatório não difere do fogo do inferno, exceto quanto à sua duração. É o mesmo fogo, diz S. Tomás de Aquino, que atormenta os réprobos no inferno e o justo no purgatório. A dor mais amena no purgatório, ele diz, ultrapassa os maiores sofrimentos desta vida. Nada além da duração eterna torna o fogo do inferno mais terrível do que o purgatório." Segundo os católicos as orações e esmolas dos vivos e o "sacrifício da missa" ajudam a diminuir o tormento do purgatório. Como será que os católicos encaram a morte? Se eles pensam que depois da morte vão encarar o purgatório.

    Os teólogos tentam basear a doutrina do purgatório nos livros de Macabeus e em algumas passagens das Escrituras. Sabemos que Macabeus é um livro apócrifo e espúrio. Quanto às passagens das Escrituras, os católicos usam o fato de existir um pecado imperdoável (blasfêmia contra o Espírito Santo) e a passagem de I Co 3.15. Quando Cristo chama a blasfêmia contra o Espírito Santo de pecado imperdoável, não faz referência nenhuma ao purgatório, que segundo os católicos seria, o lugar onde este pecado seria perdoado. Pelo contrário, Jesus disse: "Não lhe será perdoado, nem neste século nem no futuro" (Mt 12.32) e "nunca obterá perdão, mas será réu do eterno juízo." (Mc 3.29). Quanto a passagem de Coríntios, Paulo trata da questão dos galardões e não da salvação. Tanto que mesmo que as obras se queimem "o tal será salvo, todavia como pelo fogo."

    Quero destacar três argumentos bíblicos que liquidam a doutrina do purgatório:

    1º) A suficiência do sacrifício de Cristo

    Não há como crer na suficiência do sacrifício de Cristo e na doutrina do purgatório ao mesmo tempo. Só pode se crer em um e descartar o outro. Cristo falou: "Porque o filho do homem veio buscar e salvar o que se havia perdido" (Lc 19.10). Ele veio salvar, não se tem nenhuma necessidade do purgatório para aperfeiçoar a salvação que Cristo trouxe. Paulo escreveu: "Esta é uma palavra fiel, e digna de toda a aceitação, que Cristo Jesus veio ao mundo para salvar os pecadores, dos quais eu sou o principal." (I Tm 1.15). Cristo na cruz disse: "Está tudo consumado", mostrando assim que cumpriu a sua missão.

    2º) Nenhuma condenação há para os que estão em Cristo (Rm 8.1 e Jo 3.18).

    3º) É na presente vida que a salvação ou a condenação é definida (Hb 9.27).

    Observamos que o catolicismo não fica satisfeito com nada. Não crê que o sacrifício de Cristo foi o suficiente para a nossa salvação, nem fica satisfeito com a sua própria mirabolante doutrina dos sacramentos. Para eles há necessidade do purgatório, enquanto a Bíblia é bem mais simples afirmando que Cristo satisfez a justiça divina (Rm 3.21-26), não havendo necessidade de mais nada.

    O PAPADO

    Os primeiros aspectos que quero analisar sobre o papado são os títulos que estes carregam e as reivindicações que fazem para si. A palavra "papa" vem do latim papa que significa "pai". Cristo foi bem claro que ninguém poderia ser chamado de pai espiritual a não ser Deus: "E a ninguém na terra chameis vosso pai, porque um só é o vosso pai, o qual está nos céus. Nem vos chameis mestres, porque um só é o vosso mestre, que é o Cristo." (Mt 23.9 e 10).

    O papa também é chamado de "doutor supremo de todos os fiéis", o que vai contra o que Cristo ordenou, citado logo acima. São muitos títulos equivocados e arrogantes que o papa carrega em seus ombros. Estarei comentando mais alguns, tais como: "vigário de Cristo", "sumo-pontífice" e "santo padre".

    A palavra "vigário" quer dizer "substituto". O papa é chamado de "vigário de Cristo", ou seja, "substituto de Cristo". Cristo afirmou claramente que o seu substituto na terra seria a pessoa do Espírito Santo (Jo 14.16-18, Jo 15.26 e Jo 16.7 e 13). O título "pontífice", que quer dizer literalmente "construtor de pontes", não veio da Bíblia mas do romanismo, onde o imperador declarava-se o elo de ligação a Deus. O papa é chamado de sumo-pontífice, ou seja, o máximo elo de ligação a Deus. É uma blasfêmia e arrogância um homem se colocar nesta posição. Só Cristo é a ponte para Deus (Jo 14.6 e I Tm 2.5) e o cabeça da Igreja (Ef 1.22 e 23 e Cl 1.18). O título "santo padre" quer dizer "santo pai", ou obviamente "pai santo". Sem dúvida alguma este título só deve ser dado a Deus (Ap 15.4). Pois Deus não divide a Sua glória com ninguém (Is 42.8). Para resumir as pretensões papais, quero citar o catecismo de New York citado por Lorraine Boettner:

    "O papa assume o lugar de Jesus Cristo sobre a terra... Por direito divino o papa tem poder supremo e total na fé e na moral sobre cada e todo pastor e seu rebanho. Ele é o verdadeiro vigário de Cristo, o cabeça de toda a igreja, o pai e o mestre de todos os cristãos. Ele é o governador infalível, o instituidor dos dogmas, o autor e o juiz dos concílios; o soberano universal da verdade, o árbitro do mundo, o supremo juiz do céu e da terra, o juiz de todos, sendo julgado apenas por um, o próprio Deus na terra."

    No apogeu do papado, foi "consagrado" ao papado o monge Hildebrando que exerceu o papado no período de 1073 a 1075 como título de Gregório VII. Assim que assumiu, Gregório VII publicou as suas máximas que ficaram sendo conhecidas como "máximas de Hildebrando". Segundo o autor Abraão de Almeida (in: Lições da História) essas máximas são consideradas a essência do papado. Este mesmo autor citas as máximas das quais transcrevi algumas:

    1. Nenhuma pessoa pode viver debaixo do mesmo teto com outra excomungada pelo papa.
    2. É o papa a única pessoa cujo os pés devem ser beijados por príncipes e soberanos.
    3. A sua decisão não pode ser contestada por ninguém e que somente ele pode revisar.
    4. A Igreja Romana nunca errou nem jamais errará, como as Escrituras testifica (Leia Obadias nos versículos 3 e 4).

    PEDRO COMO PRIMEIRO PAPA

    Vimos os títulos equivocados e arrogantes que o papa carrega sobre si. Agora veremos que a própria existência do papado é uma deturpação das Escrituras. É impossível abordar este assunto sem falar a respeito do trecho bíblico em que os católicos se baseiam para firmar a doutrina do papado: "Tu és Pedro, e sobre esta pedra edificarei a minha igreja" (Mt. 16.13-20). Os católicos pegam esta afirmação de Cristo para afirmar que Pedro é a pedra ou rocha em que Cristo fundamentou a sua igreja, sendo assim o primeiro papa da igreja. Quando Cristo falou "...esta pedra..." não estava se referindo a Pedro, mas sim à anterior declaração de Pedro a respeito de Jesus – "Tu és o Cristo, O Filho do Deus vivo". Cristo é a pedra fundamental da igreja. Paulo afirmou: "Porque ninguém pode pôr outro fundamento, além do que já esta posto, o qual é Jesus Cristo." (I Co 3.11). No grego, a palavra Pedro é petros, do gênero masculino, enquanto pedra ou rocha é petra, do gênero feminino. O que Cristo disse: "Tu és Petros (masculino), e sobre esta petra (feminino) eu edificarei a minha igreja."

    Mostra-se assim que Cristo não estava falando de Pedro como a pedra ou rocha, mas sim a respeito da declaração de Pedro – "Tu és o Cristo, o Filho do Deus vivo." Se Pedro fosse a rocha, Cristo teria dito: "sobre ti edificarei a minha igreja", mas não disse. É interessante observar que na narrativa de Marcos a frase de Cristo: "Tu és Pedro, e sobre esta pedra edificarei a minha igreja", é omitida (Mc 8.27-30). Marcos por muito tempo foi companheiro de Pedro e no seu evangelho há uma profunda influência do mesmo. Pedro chamava Marcos de filho (I Pe 5.13). Pedro em nenhum momento disse de si mesmo como a rocha ou pedra da igreja. Pelo contrário, sempre mostrou a Cristo como a pedra: "Ele é a pedra que foi rejeitada por vós, os edificadores, a qual foi posto como cabeça de esquina" (At 4.11). Veja também I Pe 2.4-8.

    Há também a afirmação católica que Pedro teria recebido as chaves do céu. É outra deturpação das Escrituras, baseada em Mateus 16.19: "Eu te darei as chaves do reino dos céus; e tudo o que ligares na terra será ligado nos céus, e tudo o que desligares na terra será desligado nos céus." Não podemos entender a declaração de Cristo como se esta fosse somente dirigida a Pedro, mas esta é dirigida a toda igreja. Veja Mateus 18.15 a 18. Fica então patente aos nossos olhos que o ligar e desligar não refere-se apenas a um homem, mas à toda igreja, que têm a Cristo como cabeça , "...o que tem a chave de Davi; o que abre, e ninguém fecha; e fecha, e ninguém abre" (Ap 3.7). O que seria abrir e fechar ou ligar e desligar que Cristo fala que a igreja realizaria com respeito as pessoas? O que se segue: quando a igreja prega o evangelho, abre o reino; quando deixa de pregar, o fecha. Isto fica bem claro quando observamos o "ai" de Cristo a respeito dos fariseus. "Mais ai de vós escribas e fariseus, hipócritas! Pois que fechais aos homens o reino dos céus; e nem vós entrais nem deixais entrar aos que estão entrando." (Mt 23.13). Porque os fariseus fechavam o reino? Por não divulgarem corretamente as Escrituras, o Antigo Testamento, naquela época. Veja: "ai de vós, doutores da lei, que tiraste a chave da ciência; vós mesmos não entrastes, e impedistes os que entravam." (Lc 11.52). Assim observamos que quando a igreja prega o evangelho genuíno esta abre o reino dos céus, quando não, fecha o reino.

    Ao analisarmos o trecho bíblico de Mt 16.13-20, devemos partir para a análise da afirmação católica que Pedro foi o primeiro papa. Se ele realmente foi o primeiro papa, o foi de maneira totalmente diferente dos padrões papais. Há um abismo enorme entre Pedro e os seus pretensos sucessores. A verdade é que Pedro não foi o primeiro papa e a ordenação de um dirigente humano universal para a igreja está totalmente contrária às Escrituras.

    Jorge Buarque Lyra (in: Catolicismo Romano) argumentou muito bem: "Poderia, acaso, de alguma forma, um homem ser fundamento de uma obra divina? Se pudesse (admitindo-se o absurdo), tal obra deixaria de ser divina."

    Vejamos as seguintes características de Pedro:

    1ª) Pedro não era celibatário. Tanto que teve sogra curada por Cristo (Mc 1.29-31). O papa é celibatário, sendo o celibato uma imposição a todo o clero. Em I Timóteo está escrito: "Mas o Espírito expressamente diz que nos últimos tempos apostatarão alguns da fé, dando ouvidos a espíritos enganadores e doutrinas de demônios; ...proibindo o casamento."

    2ª) Pedro era pobre. "E disse Pedro: Não tenho prata nem ouro..." (At 3.6). O papa está cercado de riquezas.

    3ª) Pedro nunca esteve em Roma. Não é interessante observar que o chefe da igreja de Roma nunca esteve em Roma? Os católicos lançam mão de fontes extra-bíblicas para afirmar que Pedro esteve em Roma.

    4ª) Pedro nunca consentiu que ninguém se ajoelhasse a seus pés. "E aconteceu que, entrando Pedro, saiu Cornélio a recebê-lo, e, prostrando-se a seus pés, o adorou. Mas Pedro o levantou, dizendo: Levanta-te, que eu também sou homem." (At 10.25 e 26). O papa constantemente recebe este tipo de reverência e adoração.

    5ª) Pedro não era infalível. "E, chegando Pedro a Antioquia, lhe resisti na cara, porque era repreensível. Porque antes que alguns tivessem chegado da parte de Tiago, comia com os gentios; mas, depois que chegaram, se foi retirando, e se apartando deles, temendo os que eram da circuncisão." (Gl 2.11 e 12). O papa é considerado infalível. A infalibilidade papal foi definida e aceita oficialmente em 1870 no Concílio do Vaticano I. A Igreja Católica demorou 1870 anos para considerar o papa infalível. É importante observar que não foi Deus que decidiu mas foram homens pecadores reunidos que chegaram a conclusão que o papa era infalível. Na Bíblia está escrito: "porque todos pecaram e destituídos da glória de Deus" (Rm 3.23) e ainda está escrito que quando dizemos que não temos pecado fazemos a Deus mentiroso. Veja: "Se dissermos que não pecamos fazemo-lo mentiroso, e a Sua palavra não está em nós." (I Jo 1.10).

    6ª) Pedro não tinha a primazia na igreja. Observe o que Pedro escreveu: "Aos presbíteros, que estão entre vós, que sou também presbítero como eles e testemunha das aflições de Cristo..." (I Pe 5.1). Em At 8.14 está escrito: "Os apóstolos, pois, que estavam em Jerusalém, ouvindo que Samaria recebera a Palavra de Deus, enviaram para lá Pedro e João." Note bem: não foi Pedro que enviou alguns dos apóstolos, mas foram os apóstolos que lhe enviaram. Onde está a primazia de Pedro? Em At 11.1-18 vemos Pedro justificando-se perante a igreja. Quero destacar principalmente o versículo 2: "E subindo Pedro a Jerusalém, disputavam com ele os que eram da circuncisão." Enquanto que a igreja Católica afirma que as decisões do papa não podem ser questionadas.

    MARIOLATRIA

    Entre os inúmeros pontos de divergências que existem entre Católicos Romanos e Evangélicos, um se destaca: Maria. Os católicos praticam a adoração à Maria, dando um maior destaque à mesma do que a Cristo. Já os evangélicos a consideram como um exemplo de vida cristã e humildade. Paulo deixou a advertência: "Pois mudaram a verdade de Deus em mentira, e honraram e serviram mais a criatura do que o Criador, que é bendito eternamente. Amém." (Rm 1.25) Maria é criatura. Cristo é Criador. "Porque nele foram criadas todas as coisas que há nos céus e na terra, visíveis e invisíveis, sejam povos, sejam dominações, sejam principados, sejam potestades: tudo foi criado para Ele e por Ele." (Cl 1.16)

    Veremos, neste estudo que as doutrinas católicas em relação à Maria carecem totalmente de base nas Escrituras. São doutrinas criadas por homens influenciados pelo paganismo. Adolfo Robleto escreveu bem: "Os egípcios tinham sua deusa Ísis; os fenícios, sua Astarte; os caldeus, sua Semíramis; os gregos, sua Ártemis; de maneira que o romanismo escolheu sua deusa feminina, e Maria foi a mais adequada para o caso."

    A Mariolatria católica está sustentada no seguinte tripé:

    1ª) Imaculada Conceição de Maria,
    2ª) Perpétua virgindade de Maria
    3ª) Assunção de Maria.

    IMACULADA CONCEIÇÃO DE MARIA

    Este dogma afirma que Maria nasceu sem pecado, ou seja, ela não herdou a mancha do pecado original, e ainda se manteve sem pecado por toda a sua vida. Atribuem assim à Maria um atributo divino – a impecabilidade. Maria não poderia pecar e nunca pecou, segundo o catolicismo.

    Este dogma só foi aceito oficialmente em 8 de dezembro de 1854, quando o papa Pio IX proferiu o seguinte:

    "Declaramos e definimos que a bem-aventurada virgem Maria desde o primeiro momento de sua concepção, foi reservada imaculada de toda mancha do pecado original, por graça singular e privilégio do Deus Onipotente, em virtude dos méritos de Jesus Cristo, o Salvador da humanidade, e que esta doutrina foi revelada por Deus e, portanto, deve ser firmemente e constantemente crida por todos os fiéis." Com base neste dogma, a Igreja Católica celebra a festa da Imaculada Conceição.

    É interessante observar que nem Maria sabia dessa sua suposta imaculada conceição. No seu cântico diz: "e o meu Espírito se alegra em Deus, meu Salvador." (Lc 1.47). Só um pecador é que necessita de um Salvador. Ela falou "...Deus meu Salvador". Quando depois do nascimento de Cristo, Maria levou as duas ofertas que a lei mandava, a oferta queimada e a oferta pelo pecado. (Lc 2.22-24 e Lv 12.6-8). Mas se não tinha pecado, para que levar as ofertas? Nas Escrituras, em nenhum momento, se afirma que Maria não cometeu pecado. Pelo contrário: "Pois todos pecaram e destituídos da glória de Deus." (Rm 3.23); "Não há um justo, nem sequer um." (Rm 3.10). Só Cristo é identificado como o único sem pecado. "Aquele que não conheceu pecado, Ele o fez pecado por nós: para que nele fossemos feitos justiça de Deus." (II Co 5.21).

    Os católicos gostam de usar o texto de Gn 3.15: "E porei inimizade entre ti e a mulher, e entre a tua semente e a sua semente; esta te ferirá a cabeça, e tu lhe ferirás o calcanhar", para afirmar que Maria pisou a cabeça da serpente, ou seja, a cabeça do Diabo. Quando a promessa fala que é a semente da mulher (Jesus Cristo) que pisaria a cabeça da serpente. Veja Hb 2.14: "...para que pela morte aniquilasse o que tinha o império da morte, isto é, o Diabo." E I Jo 3.8: "...para isto o Filho de Deus se manifestou: para desfazer as obras do diabo." Fica claro que a promessa de Gn 3.15 refere-se a Cristo, e não à Maria. Cristo é o que pisaria a cabeça da serpente.

    A PERPÉTUA VIRGINDA DE MARIA

    O segundo pé de apoio à doutrina católica sobre Maria é a sua perpétua virgindade. Os católicos afirmam que Maria, em toda sua vida, nunca conheceu sexualmente o seu esposo José. Fica evidenciado, nas Escrituras, que até o nascimento de Jesus, Maria foi virgem. Mas afirmar que ficou sempre assim é afirmar o que a Bíblia não afirma.

    Em Mt 1.24 e 25 está escrito: "E José, despertando do sonho, fez como o anjo do Senhor lhe ordenara, e recebeu a sua mulher: e não a conheceu até que deu à luz seu filho, o primogênito; e pôs-lhe por nome Jesus." Há dois aspectos interessantes nestes versículos: 1º) O "...até..."; mostra que José conheceu sexualmente Maria depois do nascimento de Cristo; e 2º) Jesus é chamado de primogênito, ou seja, Jesus é chamado de o primeiro filho gerado por Maria, mostrando que Maria gerou outros filhos. Deus chama Jesus de unigênito (Jo 3:16), ou seja, o único filho gerado. Fica claro que Jesus é o único filho gerado por Deus e o primeiro filho entre os filhos de Maria.

    Em diversas passagens vemos que Jesus teve irmãos e irmãs. "Não é este o carpinteiro, filho de Maria, e irmão de Tiago, e de José, e de Judas e de Simão? E não estão aqui conosco suas irmãs? E escandalizavam-se nele." (Mc 6.3). Veja também Mt 13.54-56. Paulo chegou a afirmar que os irmãos do Senhor eram casados (I Co 9.5). Por sua vez, os católicos crêem que quando se fala em irmãos, na verdade, está se referindo aos primos de Cristo, e que estes são filhos de uma irmã de Maria. Os católicos identificam três dos irmãos de Jesus com três dos discípulos que tinham os mesmos nomes: Tiago, filho de Alfeu; Simão, o Zelote; e Judas, filho de Tiago (Lc 6.15 e 16). O que é um tremendo equívoco, porque as Escrituras sempre mostram diferenças entre os discípulos e os irmãos do Senhor (Jo 2.12, Mt 12.46 e 47 e At 1.14) e a mais clara diferença está em Jo 7.5: "Porque nem mesmo seus irmãos criam nele." Isto é um cumprimento da profecia messiânica em Sl 69.8: "Tenho-me tornado como um estranho para com meus irmãos, e um desconhecido para com os filhos de minha mãe." Como pessoas que eram os discípulos do Senhor não iriam crer no Senhor? Mostra-se assim que estes discípulos não eram irmãos do Senhor.

    Nas referências do N. T. sobre os irmãos de Cristo, a palavra grega que sempre é usada é adelfoV, adelphos (irmão), nunca se usou sungeneV, sungenes (parente) ou anhyioV, anepsiós (primos), palavra esta que Paulo usou em Cl 4.10 e que foi traduzida corretamente como primo.

    Os católicos estão indo contra a essência do casamento quando afirmam que Maria e José nunca se conheceram sexualmente. A relação sexual no casamento é algo lícito e aprovado por Deus. Além do mais os católicos consideram o casamento como um dos sacramentos, caindo assim em contradição. Veja Gn 2.24: "Portanto deixará o varão o seu pai e sua mãe, e apegar-se-á à sua mulher, e serão ambos uma carne." Paulo recomendou que a abstinência sexual entre o casal durasse pouco tempo, em I Co 7.5: "Não vos defraudeis um ao outro, senão por consentimento mútuo por algum tempo, para vos aplicardes à oração; e depois ajuntai-vos outra vez, para que Satanás vos não tente pela vossa incontinência."

    A ASSENÇÃO DE MARIA

    A teologia católica é uma verdadeira colcha de retalhos, um remendo leva a outro. Como consideram que Maria foi concebida sem pecado, e ainda que viveu sem pecar, chegaram a mirabolante conclusão que seu corpo na morte não experimentou a decomposição e nem permaneceu na sepultura. "Um abismo chama outro abismo." Enquanto a profecia a respeito de Cristo diz: "Nem permitiras que o teu santo veja corrupção" (Sl 16.11) com referências em At 2.27-32 e At 13.33-37, fala a respeito do santo não ver a corrupção e nunca a uma santa não ver a corrupção.

    Os católicos crêem que:

    "No terceiro dia depois da morte de Maria, quando os apóstolos se reuniram ao redor de sua sepultura, eles a encontraram vazia. O sagrado corpo fora levado para o paraíso celestial. O próprio Jesus veio para levá-la até lá, toda a corte dos céus veio para receber com hinos de triunfo a mãe do divino Senhor. Que coro de exultação! Ouçam como eles cantam: Levantai-vos as vossas portas, ó príncipes, ó portas eternas para que a Rainha da Glória possa entrar." (descrição da tradição católica citada por Lorraine Boettner).

    É de deixar pasmo o fato da Igreja Católica criar um dogma sem nenhuma base nas Escrituras. Nenhum dos apóstolos citam essa criação fraudulenta. Depois de At 1.14 há um profundo silêncio nas Escrituras a respeito de Maria, não se fala na morte e muito menos na assunção de Maria. Como pode criar-se um dogma sem base nas Escrituras? Um dogma que só foi elaborado em 1º de novembro de 1950 pelo mariólatra Papa Pio XII. As Escrituras deixam claro que a glorificação dos santos só acontecerá depois da volta de Cristo e não fala que Maria seria uma exceção. Veja I Co 15.20-23:

    "Mas agora Cristo ressuscitou dos mortos, e foi feito as primícias dos que dormem. Porque, assim como a morte veio por um homem, também a ressurreição dos mortos veio por um homem. Porque assim como todos morrem em Adão, assim também todos serão vivificados em Cristo. Mas cada um por sua ordem: Cristo as primícias, depois os que são de Cristo na sua vinda."

    Os católicos ainda crêem que ao chegar aos céus Maria foi coroada "Rainha dos céus". Este título nunca foi dado à Maria nas Escrituras. Pelo contrário, a Bíblia condena este título, que tinha sido dado a uma falsa deusa. "Os filhos apanham a lenha, e os pais ascendem o fogo, e as mulheres amassam a farinha, para fazerem bolos à rainha dos céus, e oferecem libações a outros deuses, para me provocarem à ira." (Jr 7.18) Veja também Jr 44.17-23. Observamos que esse título mariano foi tirado de uma prática pagã totalmente condenada pela Bíblia.Fonte:www.jesussite.com
     
    © Template Scrap Suave|desenho Templates e Acessórios| papeis Bel Vidotti