domingo, 2 de janeiro de 2011

LULA O PRESIDENTE QUERIDO DO SEU POVO

Nunca na história deste país, teve um presidente igual ao ex. Exmo. Presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Presidente este, que abdicou do Exmo. para ser chamado simplismente de Lula, pelos gritos marcante do seu povo gritando com firmeza: LULA! LULA! LULA!. Lula, foi o único presidente que deu a seu povo a oportunidade de governar junto com ele, pois fomos representados muito bem no exterior,por este brasileiro que nunca negou a sua origem e que é realmente um legítimo filho do Brasil. Deixou a sua marca em tudo que fez, até o avião presidencial ficou sendo chamado de AERO-LULA. Sua marca ficou presente na vida de cada um dos brasileiros, pela sua coragem, seu poder e seu autroísmo, onde todos nós, tanto povo quanto políticos deviamos aprender a lição que deixou este grande homem, o qual todos aprenderam a respeitar, pela sua simplicidade, pela sua firmesa, onde todos nós temos o orgulho de falar que tivemos um presidente do povo, o qual governou veràzmente para o seu povo.  Sua marca esta na vida das pessoas, por tudo que fez no Brasil. Tive o prazer de ouvir familias inteiras falar: Nós somos do Lula!!! Por isto falamos, jamais esqueceremos  o dia em que o Brasil foi presenteado por Deus pelo incrível Presidente Lula. De Lery para seu blog- Blog da Lery

PRESIDENTE LULA VOLTA PARA CASA NO ABC PAULISTA

‘Volto para casa com sensação de dever cumprido’, diz Lula no ABC

Palco foi montado perto do prédio onde mora Lula (Foto: Darlan Alvarenga/G1)
O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse, na noite deste sábado (1º), que deixa a Presidência com a sensação de “dever cumprido”. “Volto para casa com a cabeça erguida e a sensação de dever cumprido. Durante muitas décadas eu fui vítima de preconceito, e de muito preconceito”, disse Lula a uma plateia de admiradores e correligionários.
Lula discursou em São Bernardo do Campo (SP), seu berço político, onde foi recebido com festa após deixar Brasília, onde transmitiu o cargo para a presidente Dilma Rousseff.
“A partir de agora o Brasil é outro”, disse ele. O ex-presidente afirmou que, depois de 8 anos de governo, quer descansar por 20 dias para pensar no que quer fazer. Ele também disse que o fato de sair da Presidência não significa que vá sair da política. “Quando a Dilma me convocar, estarei sempre à disposição”, disse. Ele destacou que é com orgulho que deixa o mandato com aceitação maior do que no começo do governo.
No discurso, Lula teve sede e pediu água. Como a organização demorou a achar, ele brincou com sua nova condição de ex-mandatário do país. ”Quando eu era presidente, não costumava pedir água. Porque tinha sempre um copinho”, disse.
Quando afirmou que seria breve nas palavras desta noite, Lula justificou que as últimas semanas foram “sofridas, de choradeira, de emoções e de muitas lágrimas”. Disse, então, que não queria correr o risco de voltar a chorar.
O ex-presidente agradeceu ao senador José Sarney (PMDB), que participou do evento e foi alvo de vaias da plateia. Lula lembrou que há 4 anos Sarney disse que gostaria de levá-lo até a porta de seu apartamento, justamente o local onde aconteceu o evento.
“Descobri um homem de grande densidade humana e generoso. O que me trouxe aqui foram os caminhos da amizade e do reconhecimento”, disse Sarney.
Lula discursou por cerca de 12 minutos e terminou sua fala por volta das 23h20. O ex-presidente fez o percurso do palco até seu prédio, de cerca de 30 metros, cercado de admiradores .
Do Portal G1

POSSE DA PRESIDENTA DILMA ROUSSEFF, UM ACONTECIMENTO HISTÓRICO

Posse da Presidenta Dilma Rousseff

Sáb, 01 Jan, 05h45
Por Redação Yahoo! Brasil

PUBLICIDADE
Dilma Rousseff, a primeira mulher a comandar o Brasil, tomou posse neste sábado, em Brasília. A cerimônia foi carregada de emoção. Dilma chorou duas vezes, primeiro no discurso no Congresso e depois no Parlatório.
O abraço em Lula, no alto da rampa do Palácio do Planalto, também foi outro momento marcante. O cumprimento ocorreu por volta das 17h, em frente a quase 30 mil pessoas. Lula se despede com a aprovação recorde de 87% dos brasileiros.
Logo em seguida, Dilma recebeu chefes de estado do mundo inteiro. Uma curiosidade: Hillary Clinton, representando o governo dos Estados Unidos, veio logo antes de Hugo Chávez, presidente da Venezuela. Os dois países vivem em atrito.
Confira abaixo algumas imagens da posse:












ERIC HOBSBAWM - UM GRANDE HISTORIADOR - CONHEÇA SUA TRAGETÓRIA

Eric hobsbaum

Nasceu no Egito ainda sob o domínio britânico. Tem nacionalidade britânica. Hobsbawm, que teve seu sobrenome alterado por erro de escrituração, é filho de Leopold Percy Hobsbaum, inglês, e Nelly Grün, austríaca, ambos judeus. Tem uma irmã chamada Nancy. Passou os primeiros anos de sua vida em Viena e Berlim. Nessa época, tanto a Áustria quanto a Alemanha sofriam com a crise econômica e a convulsão social, conseqüências diretas da Primeira Guerra Mundial.
Eric Hobsbawm
Seu pai morreu em 1929, e sua mãe, em 1931. Ele e sua irmã foram adotados pela tia materna Gretl e seu tio paterno Sydney, que se casaram e tiveram um filho chamado Peter. Mudaram-se para Londres em 1933.
Hobsbawm casou-se duas vezes, primeiro com Muriel Seaman em 1943 (divorciou-se em 1951) e logo com Marlene Schwarz. Com esta última teve dois filhos, Julia e Andy, e um filho chamado Joshua de uma relação ante Política, vida acadêmica e obra
Em 1933, quando Adolf Hitler chegou ao poder, Hobsbawm mudou-se para Londres. Já havia nesse período iniciado seus estudos das obras de Karl Marx. Fugindo das perseguições nazistas, mas também por ter ganhado uma bolsa para estudar na Universidade de Cambridge, Hobsbawn formou-se em História. Um evento importante para a sua formação intelectual e de seus princípios como historiador, foi a resolução de seu tio de se mudar da Alemanha, levando a família e os negócios para a Inglaterra, o quanto antes, assim que Hitler, mesmo ficando em segundo lugar nas eleições de 1933, foi chamado para ser primeiro ministro, a pedido do presidente, do Partido Conservador, ganhador das eleições, Hindenburg. Essa atitude garantiu a sobrevivência de toda a família judáica, bem como a salvação de suas economias. Hobsbawm vê nesse acontecimento a evidência cabal de que análises históricas bem formuladas podem indicar as tendências futuras com um grau elevado de acerto. Uma de suas preocupações é aprimorar as análises históricas para criar mecanismos mais eficientes de predições econômicas e sociais. Ele mesmo faz algumas em seus livros - como a dificuldade de Israel se manter no Oriente Médio se mantiver apenas a força militar como apoio. Tornou-se militante político de esquerda e ingressou no Partido Comunista da Grã-Bretanha, que então apoiava o regime estalinista, o mesmo regime que anos antes havia exilado parte da ala crítica ao PC soviético, incluindo Leon Trótski, fundador da Quarta Internacional.
Durante a Segunda Guerra Mundial (1939/1945), participou de mais um importante período do século XX, ao integrar o Exército Britânico contra os nazistas. Foi responsável por trabalhos de inteligência, pois dominava quatro idiomas. Apesar que seu início no Exército Britânico não foi muito glamuroso. Nos anos de 1939-1940 fez parte de uma divisão que cavava trincheiras e preparava bunkers no litoral do país, como forma de impedir a "Operação Leão Marinho", que seria a invasão da Inglaterra por exércitos anfíbios. Com o fim da guerra, Hobsbawn retornou à Universidade de Cambridge para o curso de doutorado. Também nessa época juntou-se a alguns colegas e formou o Grupo de Historiadores do Partido Comunista.
Foi membro do grupo de historiadores marxistas britânicos, como Christopher Hill, Rodney Hilton e Edward Palmer Thompson que, nos anos 60, diante da desilusão com o estalinismo, buscaram entender a história da organização das classes populares em termos de suas lutas e ideologias, através da chamada "História Social".
Para analisar a história do trabalhismo e os diversos aspectos que a envolvem, como as revoluções burguesas, o processo de industrialização, as diferentes manifestações de resistência, luta e revolta da classe trabalhadora, Hobsbawn dedicou-se à interpretação do século XIX.
Sobre esse período, que segundo ele se estende de 1789 (ano da Revolução Francesa) a 1914 (início da Primeira Guerra Mundial), publicou estudos importantes, como "Era das Revoluções" (1789-1848), "A Era do Capital" (1848-1875) e "A Era dos Impérios" (1875-1914). Hobsbawn é responsável por análises aprofundadas sobre aquilo que chama de “o breve século XX”.
Um desses livros, em especial, rendeu-lhe reconhecimento e prestígio: "A Era dos Extremos", lançado em 1994, na Inglaterra, tornou-se uma das obras mais lidas e indicadas sobre a história recente da humanidade. Nela analisa os principais fatos de 1917 – fim da Primeira Guerra Mundial e ano da Revolução Russa – até o fim dos regimes socialistas da ex-União Soviética, em 1991, e dos países do Leste Europeu.
Também importante no conjunto de sua obra é seu livro mais recente, "Tempos Interessantes", publicado em 2002, no qual discorre novamente sobre o século XX e inter-relaciona os fatos históricos com a trajetória de sua vida. Por isso é considerado uma autobiografia diferenciada. Em 2003 ele ganhou o Prêmio Balzan para a História da Europa desde 1900.
Considerado um dos historiadores atuais mais importantes, Hobsbawm, além de velho militante de esquerda, continua utilizando o método marxista para a análise da História, sempre a partir do princípio da luta de classes. É membro da Academia Britânica e da Academia Americana de Artes e Ciências. Foi professor de História no Birkbeck CollegeUniversidade de Londres) e ainda é professor da New School for Social Research de Nova Iorque. (
Entre seus livros podem ser destacados exatamente seus estudos sobre as classes populares, como
  • Trabalhadores
  • Bandidos e
  • História Social do Jazz
Escreveu também estudos sobre a história das ideologias políticas e sociais, como
  • Nações e Nacionalismos e
  • A Invenção da Tradição e também uma autobiografia,
  • Tempos InteressantesFonte:wikipedia
 
© Template Scrap Suave|desenho Templates e Acessórios| papeis Bel Vidotti