segunda-feira, 29 de março de 2010

A ILUSÃO MÓRMON 1 - APRESENTAÇÃO AO MORMONISMO E A CRISTO - JOSÉ SMITH E A 1 VISÃO - PROFETA DE DEUS?


S

S














     Segunda, 29 de Março de 2010

Estudos de Seitas      Apologética       Mormonismo
A Ilusão Mórmon 1 - Apresentação ao Mormonismo e a Cristo - José Smith e a 1ª visão - Profeta de Deus?
Publicado em 12/23/2001
Floyd C. McElveen (Tradução de João Barbosa Batista - Editora Vida)
Institute for Religious Research
PREFÁCIO

É justo, é cristão examinar José Smith e questionar o mormonismo?

Tive de responder a esta pergunta e orar a esse respeito antes de escrever este livro. Segundo a luz que Deus me deu por Sua Palavra, creio que o que se segue foi o que Ele me mostrou.

Todo homem tem o direito, dado por Deus, de crer como bem lhe apraz. Os norte-americanos reconhecem esse direito divino. Por livre escolha, podemos ser cristãos ou pagãos, ateus ou crentes, budistas ou maometanos, batistas, mórmons ou católicos. Graças a Deus por esta preciosa liberdade. É Deus, e não o homem, que nos faz responsáveis pelas conseqüências dessa escolha.

A autoridade do amor

Um dos principais emblemas do cristão verdadeiro é o amor. João 13:35 diz: "Nisto conhecerão todos que sois meus discípulos, se tiverdes amor uns aos outros." Uns crêem que isto significa que jamais devemos criticar a religião do nosso próximo. "Atacar a religião do nosso próximo. "Atacar a religião dos outros não é amor" - dizem. Esta afirmativa seria verdadeira se antes não examinássemos nossa própria religião e não a comparássemos com o padrão de Deus, a Bíblia.

Outra reação dos que questionam nossa autoridade de testemunhar podia ser: "Não julgueis para que não sejais julgados" (Mateus 7:1). Segundo Mateus 7:5, este versículo é dirigido aos hipócritas. Por outro lado, João 7:24 diz aos crentes que "Não julgueis segundo a aparência, e, sim, pela reta justiça"; não segundo a aparência, mas segundo a Palavra de Deus.

É trágico que hoje em dia alguns de nós, os crentes, temos, em nome do amor, retido a verdade aos que estão no erro, por não querermos ofendê-los ou por não amá-los o suficiente. Lembre-se de que o amor verdadeiro previne.

É verdade que não devemos dar importância demasiada `as coisas mínimas. Pode ser desnecessário dizer ao próximo que ele possui mau hálito ou que uma telha de sua casa está solta. Entretanto, se ele estiver dormindo e a casa pegar fogo, é crime não acordá-lo. Desculpa alguma e nenhuma declaração vazia de amor jamais satisfarão `a Deus em tais casos.

A autoridade da defesa

Como é que tudo isto se relaciona com a pergunta: É justo, é cristão examinar José Smith e questionar o mormonismo?" É justo porque José Smith atacou todos os cristãos e suas igrejas primeiro. José Smith declarou em seu livro "inspirado" Pérola de Grande Valor, que todas as outras igrejas estavam erradas, que todos os credos eram uma abominação e que todos os mestres eram corruptos.

De um só golpe José Smith condena todas as igrejas, todas as crenças e todos os cristãos. Claramente diz que não havia um só cristão verdadeiro na face da terra ao tempo em que recebeu sua primeira visão, e que não tinha havido por centenas de anos.

Alguns líderes mórmons têm-nos desafiado a examinar O Livro de Mórmon, que, naturalmente, deve incluir seu autor e seus seguidores. Orson Pratt, apóstolo mórmon, disse:

"Este livro deve ser verdadeiro ou falso... Se for falso, é uma das imposições mais espertas, malignas, audazes e profundas, feitas ao mundo com o propósito de enganar e arruinar milhões que a receberão sinceramente como a Palavra de Deus, e pensarão estar seguramente edificados sobre a rocha da verdade até que, com suas famílias, sejam lançados no desespero total. A natureza de mensagem de O Livro de Mórmon é tal que, se verdadeira, ninguém poderá rejeitá-la e ainda salvar-se; se falsa, ninguém poderá recebê-la e salvar-se. Portanto, cada alma no mundo tem interesse igual tanto na determinação de sua verdade como de sua falsidade... Se, depois de um exame minucioso descobrir que é uma imposição, deve ele ser exposto ao mundo como tal; as provas e argumentos pelos quais a falsidade foi detectada devem ser, clara e logicamente afirmados para que os que foram enganados, embora de boa mente, percebam a natureza do engano e sejam restaurados, e que os que continuam a publicar a ilusão sejam expostos e silenciados...mediante provas aduzidas das Escrituras e da razão."[1]

Concordamos plenamente! É cristão examinar José Smith e questionar o mormonismo, porque se nos mandou fazê-lo, tanto para nosso próprio bem como para o bem de todos os mórmons.

Examinar José Smith é cristão e racional pois diz ele ser profeta de Deus e diz-nos a Bíblia "pelos frutos os conhecereis." O Livro de Mórmon, A Pérola de Grande Valor, Doutrina e Convênios, o mormonism e o movimento inteiro dos mórmons giram em torno desta questão básica: "É José Smith verdadeiramente um profeta de Deus?"

Perguntamos: se hoje um adolescente tivesse uma visão que lhe revelasse que todos os mórmons eram apóstatas e corruptos; que seus credos eram uma abominação a Deus, os mórmons receberiam sua história, sem provas, tão rapidamente quanto aceitaram a visão de José Smith? Por que não?

Com a ajuda de Deus procuraremos examinar justa e honestamente José Smith e alguns de seus ensinos, pois as Escrituras e o amor de Cristo a tanto nos constrangem. Deus ama a mórmons e a não-mórmons. Cristo morreu por todos nós. Perante Deus todos somos iguais - simples pecadores que precisam de um Salvador. Nesse sentido, estamos todos no mesmo pé. Precisamos fazer distinção clara e positiva entre mórmons e mormonismo. Oramos para que Deus nos dê um coração contrito e nos encha com seu amor pelos mórmons, e pensamos que isto ele já fez. Deus, e talvez os outros, possam julgar tal fato melhor do que nós. Mas amar o povo mórmon é uma coisa muito diferente que amar o mormonismo; assim como Deus pode amar o pecador, mas não o pecado. Por favor, tenha em mente essa distinção ao examinar a reivindicação de José Smith e do mormonismo.
_______________
Nota
[1] Orson Pratt, Divine Authority of the Book of Mormon (Autoridade divina do Livro de Mórmon) introdução, uma série de panfletos publicados em 1850-51. Citado por Arthur Budvarson em, The Book of Mormon - True or False? (O Livro de Mórmon - falso ou verdadeiro?) - Concord, California, Pacific Pub. Co., 1959.


Cap.1
Minha Apresentação ao Mormonismo e a Cristo


Eu estava contentíssimo! Acabava de mudar em julho, do lamacento Mississíppi para as noites frescas e cortantes, para os dias brilhantes de LaGrande, no Oregon.

Minha linda esposa e meu bebê de menos de dois meses de idade partilhavam da aventura - só que um pouco menos entusiasticamente.

Eu amava minha terra natal, mas o calor começava a perturbar-me. Enquanto estive na marinha visitei Oregon, e gostei das noites calmas e frescas, da caça a animais selvagens, e das lindas montanhas. Meu tio possuía uma loja em Bates, no Oregon. Uma tia havia estudado na Falculdade de Educação de LaGrande, no mesmo estado. De modo que, depois de deixar a marinha, voltei a LaGrande, matriculei-me na universidade e joguei futebol durante um ano.

Havia muitas garotas lindas, mas eu queria uma que soubesse fazer pão de milho. Encontrei-a na Universidade do Sul do Mississíppi. Agora eu estava de volta ao fascinante Oregon, preparando-me para uma caçada - necessitávamos urgentemente de carne. Não conhecendo a região muito bem e não possuindo carro, tinha feito amizade com um jovem adolescente do lugar e esperava ir caçar com ele nas Montanhas Azuis, não muito distantes.

-Ei, Mike, mais depressa! - gritei-lhe certa tarde linda e cintilante de domingo. -Se parar com essa embromação poderemos jogar um pouco de bola e ainda teremos tempo para uma caçada nas montanhas.

-Está bem. Vou mais depressa e. . . - começou Mike.

-Não, você não vai! - explodiu John, irmão de Mike, mais velho e casado. Olhei surpreso para ele enquanto ele continuava. - Somos mórmons, pertencemos `a Igreja dos Santos dos Últimos Dias e não fazemos isso no domingo.

Fiquei espantado e um tanto sem jeito. Lá no Mississíppi, na zona rural, praticamente todo mundo era batista. Íamos `a igreja fielmente todos os domingos. Fui `a frente aos doze anos, disse ao evangelista que eu cria em Jesus, fui batizado, uni-me `a igreja, freqüentando-a fielmente; não bebia, não fumava nem xingava. Caçar ou pescar aos domingos era somente para os pagãos e os desviados, e ninguém queria estar muito perto de gente assim durante uma tempestade. Eu tinha sido líder de escoteiros, professor da escola dominical, mas aqui estava eu recebendo um sermão de um mórmon acerca de Deus e do domingo. Fiquei envergonhado. Fiquei também curioso.

John era meu barbeiro e um bom amigo. Era também uma pessoa importante na igreja local dos Santos dos Últimos Dias. (Naquele tempo eu não conhecia a terminologia.) Comíamos em sua casa e ele comia na nossa. De fato, jamais esquecerei do "banquete de esquilo" que certa vez fizemos juntos. Éramos pobres, e alimento, especialmente a carne, era escasso. Sinto pena dos pobres e inocentes esquilos agora, mas antes então não sentia. Uma coisa posso dizer: os sobreviventes estavam muito mais espertos quando saí de lá do que quando cheguei.

John era um homem gentil e amável, e sabia conversar. (O tipo de pessoa que nos deixa falar, que ouve a maior parte do tempo.) Gostei dele e de sua esposa imediatamente, em especial por ele não me escalpelar ao cortar meu cabelo. Até agora não havíamos conversado a respeito de religião.

Eu tinha algumas questões sérias acerca da religião depois de ter visto aviões suicídas, companheiros mutilados, morrendo na guerra; e também enquanto na universidade estudando psicologia, evolução, religiões comparadas, etc. De repente, aqui estava. Aqui estava um homem que cria e colocava em prática sua crença. Por que minha igreja não havia me dado as convicções que ele parecia possuir? Sim, eu estava curioso.

-Posso ir à sua casa para conversarmos acerca da crença dos mórmons? - perguntou John.

-Certamente - respondi.

Minha esposa pareceu não gostar muito, mas cedeu. Nesse tempo eu não sabia a diferença, mas ela era uma cristã verdadeira, e Cristo habitava em seu coração. Eu era apenas um cristão professo; minha crença era intelectual. Para ela eu era um cristão verdadeiro, pois íamos à igreja, orávamos juntos, dávamos o dízimo e vivíamos bem.

Eu me entediara um tanto com a igreja, e minha esposa percebeu que algo não ia lá muito bem; o pastor da Igreja Batista conservadora de LaGrande, reverendo Guy Zehring, começara a visitar-me periodicamente. Me cansei dele também. Ele repetia coisas que eu havia ouvido a vida toda. Deus o ama. Cristo morreu por você. Deve ser fiel à igreja.

À medida que John me apresentava o mormonismo, eu ficava cada vez mais interessado. Talvez esta fosse a resposta!

-Nossa, John, - gritei, no final de uma sessão. - Você quer dizer que eu posso realmente permanecer casado com minha esposa para a eternidade?

-É possível - assegurou-me ele - se cumprir certas condições. Você pode até mesmo ser um deus em algum planeta e continuar a ter filhos.

Isto me interessava muito. Papai morrera quando eu tinha quatro anos de idade. Fui viver com meu avô. Ele foi assassinado alguns meses mais tarde. Minha avó contraiu diabetes e, na minha adolescência, teve uma morte lenta e agonizante. Eu quase tinha medo de amar por completo qualquer coisa ou pessoa. Nada parecia seguro. Eu não tinha nada de duradouro para conservar e amar; então, por que magoar meu coração?

Ainda posso lembrar-me dos funerais em dias de chuva - a terra fria caindo sobre o caixão do papai, do vovô, da vovó - todos tão queridos ao meu pequeno coração. O hino "Rude Cruz" tentando sobrepujar os soluços das pessoas amadas.

Agora eu tinha uma jovem e bela esposa. Milagre dos milagres, ela me amava e eu a amava. Havia realmente uma maneira de conservá-la para sempre?

Em geral alegre externamente, nas horas tardias da noite eu pensava sério no assunto. Algum dia, a beleza dela desapareceria. Ela ficaria velha e morreria, logo depois, e seria como se nunca tivesse existido. Ou então um acidente ou doença a roubaria de mim ou eu dela. A morte era um bicho- -papão implacável e sempre de emboscada, pronto a atacar de dia ou de noite, não respeitando nem o riso alegre nem o grito de desespero e de aflição.

À medida que John continuava a ensinar-me, me tornava muito confuso.

-A Bíblia não diz, em algum lugar, que não haverá casamento nem dar-se-á em casamento no céu, John?

-Claro--concordou ele prontamente--mas isto é só com respeito ao céu. Mas podemos nos casar para a eternidade aqui embaixo de modo que não haverá casamento nem o dar-se em casamento no céu.

É isto realmente o que esse versículo significa? Perguntava a mim mesmo. Bem, talvez. Espero que sim.

John disse que minha igreja não tinha autoridade para batizar, fazer convertidos, nem pregar o evangelho. A igreja verdadeira havia desaparecido totalmente da terra um século ou dois depois de Cristo, e Deus havia restaurado o evangelho por meio de um profeta moderno chamado José Smith. Deus e seu filho haviam aparecido a Smith quando este tinha quatorze anos de idade e começaram a revelar-lhe uma série de visões a respeito de Deus, de placas de ouro e do evangelho. José Smith tinha, por revelação direta de Deus, traduzido o inspirado Livro de Mórmon. Os mais recentes livros inspirados do mormonismo incluíam, Pérola de Grande Valor, e Doutrina e Convênios.

John me disse com gentileza mas firmemente, citando José Smith no livro Pérola de Grande Valor 2:19, em parte, "todas [as igrejas] estavam erradas;...todos os seus credos eram uma abominação à sua vista; que todos aqueles mestres eram corruptos."

Isto me incomodava bastante. O credo dos mórmons dizia muitas das mesmas coisas que outros credos de outras igrejas diziam. Como é que um podia estar totalmente errado e ser abominável e outro bom? Eu sabia que muitos cristãos, ao longo dos séculos, haviam selado com o próprio sangue seu amor e testemunho de Cristo, e isso centenas de anos depois que a igreja verdadeira e o verdadeiro evangelho haviam totalmente desaparecido, em apostasia, da face terra, no dizer dos mórmons. Foram eles todos corruptos, como dizia José Smith?

John ensinou-me que a igreja mórmon era a única igreja verdadeira na face da terra. Todas as outras eram falsas. O único caminho ao mais alto céu ou ao grau de glória mais elevado era deixar minha igreja e ser batizado na igreja mórmon. Havia três céus, ou três graus de glória. Somente os mórmons podiam ir ao céu mais alto. A morte de Cristo na cruz deu a todos os homens salvação geral do inferno, exceto a alguns poucos obstinados "filhos da perdição". A salvação pessoal dependia das boas obras que a pessoa fizesse. O batismo pelos mortos era para os que não tinham tido a oportunidade de ser salvos aqui. Podiam ser salvos depois da morte.

Fiquei mais e mais interessado, mas também mais e mais confuso. Procurei o pastor Guy Zehring e tentei comparar as respostas dele com as de John.

Parecia-me, em realidade, que John estava levando a melhor. Orei desesperadamente pedindo luz. John pediu que eu pegasse O Livro de Mórmon, e com as mãos sobre ele, orasse a fim de saber se esse livro era verdadeiramente a Palavra de Deus e se o mormonismo era a verdade; nesse caso, que o Espírito Santo de Deus me convencesse. Fiz exatamente isto. Também orei da mesma maneira a respeito da Bíblia.

Então pensei que a resposta podia estar em fazer com que John e Guy se encontrassem e debatessem a questão. Guy me aconselhou contra, dizendo que provavelmente isto não me resolveria nada. Perguntava a mim mesmo se ele estava com medo.

A esta altura eu sabia que tinha de tomar uma decisão: tornar-me mórmon ou voltar ao Cristianismo que eu sabia nunca havia suprido meus desejos mais profundos; examinar o Cristianismo mais profundamente; esquecer a bagunça toda.

Cada uma destas opções parecia atrair-me em certos momentos.

Finalmente, pairei-me justamente à beira de tornar-me mórmon. Os mórmons que eu conhecia eram tão bons. O programa que tinham para a juventude era atrativo ao extremo. Algumas de suas igrejas tinham até ginásios de esportes! Os bailes patrocinados pela igreja pareciam muito convidativos. Os mórmons procuravam as pessoas para com elas partilhar a fé. Eram um povo asseado e trabalhador. Eu admirava sua dureza, e deleitava-me com a corajosa história de sua migração para o Oeste contra incertezas impossíveis. Suas convicções fortes atraíam-me. Pareciam ter um grande senso de autoridade e muita união.

Pela última vez, fui ao meu quarto, caí de joelhos e clamei em agonia: "Deus, por favor, mostra-me o caminho verdadeiro. Não me importa qual seja, contanto que seja de ti e que seja o caminho verdadeiro. Ó Deus, quero tanto ser salvo. Pensei que o havia sido quando disse aceitar a Cristo e ao unir-me à igreja Batista anos atrás, Senhor, mas agora estou perturbado. Se o mormonismo for certo, alegremente o aceitarei e o seguirei para sempre. Se o que me ensinaram é correto, por que não preencheu completamente as minhas necessidades? Ó Deus, ajuda-me. Dá-me tua luz. Mostra-me a verdade acerca da Bíblia e de O Livro de Mórmon, acerca do mormonismo e do Cristianismo, e acima de tudo, acerca de ti mesmo e de como posso ser salvo e ter certeza de ir para o céu."

Logo depois desta oração honesta e perscrutadora, preparava-me febrilmente para a estação de caça, que começava no dia seguinte. Minha esposa olhou para fora e disse:

-Querido, o pastor Guy Zehring acaba de chegar.

-Oh, não--gemi. Eu tinha de fazer os preparativos para a viagem de caça e o pastor já havia conversado comigo cinco ou seis vezes dizendo praticamente as mesmas coisas todas as vezes. Parecia tão tolo, tão irreal e vazio. Custava-me ser cortês. Somente anos mais tarde aprendi o que a Bíblia quer dizer com "a palavra da cruz é loucura para os que se perdem" (1 Coríntios 1:18).

Desta vez foi diferente. Guy olhou-me nos olhos e disse:

--Mac, você diz ser cristão. Você sabe com certeza que se morresse neste instante iria para o céu a estar com Jesus Cristo?

Pus-me em guarda: --Ninguém pode ter certeza disso--declarei.--Creio que iria para céu. Creio em Jesus Cristo. Fui batizado, sou religioso e levo uma vida honesta. Mas o senhor disse sabe.

Os olhos penetrantes de Guy entraram-me alma a dentro.

-Mac, se você morresse esta noite, iria diretamente para o inferno.

-Tenho feito tudo o que vocês, pregadores, disseram que eu devia fazer--respondi--tudo o que sei que a Bíblia manda fazer. Diz a Bíblia que podemos saber se somos salvos?

-Certamente que sim--respondeu ele, abrindo a Bíblia em 1 João 5:13. "Estas cousas vos escrevi a fim de saberdes que tendes a vida eterna, a vós outros que credes em o nome de Filho de Deus."

Tive consciência de um espanto e de uma fome intensa começando a crescer dentro de mim. Eu tinha estudado capítulos e livros de O Livro de Mórmon, e tinha lido a Bíblia por muitos anos, mas nada havia falado ao meu coração e à minha necessidade como isso. A despeito de dúvidas ocasionais, realmente a Bíblia me impressionava. Eu sabia que muitas das profecias da Bíblia referentes a Jesus Cristo, a cidades, nações e acontecimentos haviam-se cumprido fielmente. No ano anterior, 1948, depois de 2.500 anos, os judeus haviam restabelecido a nação de Israel, e isto de uma maneira incrível, como a Bíblia explicitamente havia predito. Eles haviam retido sua identidade enquanto nações maiores e mais fortes haviam se tornado poeira das estatísticas arqueológicas centenas de anos atrás.

-Como foi que não percebi isso, Guy,--perguntei, quase que implorando.--Por que eu não sei?

-Você acreditou em todos os fatos a respeito de Jesus -- respondeu Guy -- sua morte, sepultamento e ressurreição. Mas sua crença é só intelectual, não do coração. Milhares são como você -- religiosos, mas perdidos. Você tem uma crença histórica como se dissesse que Pedro II foi imperador do Brasil. Mas você nunca veio a Jesus Cristo como pecador perdido pedir-lhe que o salve, e saber que o fez.

-Já lhe pedi que me salvasse, mas nunca cri realmente que ele o fizesse.

-Você não percebe?--contra-atacou Guy.--A salvação é pela fé, pela confiança, pela crença. Efésios 2:8,9 declara: "Porque pela graça sois salvos, mediante a fé; e isto não vem de vós, é dom de Deus; não de obras, para que ninguém se glorie."

-Ora -- continuou ele -- João 1:12 diz-nos que por natureza não somos filhos de Deus. Esse é o nosso grande problema. Temos de receber Jesus Cristo em nosso coração e vida mediante convite pessoal a fim de nos tornarmos filhos de Deus. Desta forma nascemos de novo na família de Deus e recebemos instantâneamente seu dom da vida eterna. "Mas a todos quantos os receberam, deu-lhes o poder de serem chamados filhos de Deus, a saber, os que crêem em seu nome." Então, e somente então, estamos prontos para o céu.

Ele acrescentou:

-Jesus nos ama tanto que morreu em tortura sangrenta por nós. Prometeu salvar-nos se, crendo, invocássemos seu nome. Ao invocá-lo e depois ficar na dúvida ou na esperança de que talvez ele tivesse feito aquilo cujo fim morreu e fez o que prometeu fazer, em essência você estava duvidando dele e fazendo-o mentiroso. Por isso ele não podia salvá-lo, ainda que você chorasse bastante e suplicasse salvação todas as noites por cem anos, porque Ele somente salva pela fé. Romanos 10:9 diz-nos que somente uma crença do coração, uma entrega a Cristo como o Senhor ressurreto (Deus e mestre) e Salvador pode nos salvar.

-Romanos 10:13 diz isso de uma maneira clara e simples, que até uma criança pode entender: "Porque: Todo aquele que invocar o nome do Senhor, será salvo."

-Mac, -- disse Guy tranqüilamente mas com grande sentimento -- Deus o ama. Jesus derramou seu sangue por você. Se você pedir-lhe que o salve, crendo de todo o coração, ele o salvará. Se não o fizesse, seria mentiroso, porque prometeu fazer isto. Você está disposto a invocá-lo para o salvar neste instante?

Oh, que batalha se travou em meu coração! Podia realmente ser simples assim? Era real? Suponhamos que houvesse um inferno de fogo, afinal de contas, e que houvesse a mínima chance de eu ir lá passar a eternidade. Era Jesus realmente o Deus eterno, como Guy dizia que a Bíblia declarava ser? Ressuscitara Ele corporeamente e aparecera a centenas de pessoas que O tocaram, comeram com Ele e mais tarde por todos Ele morreu?

De repente percebi tudo. Se eu não pudesse confiar no promessa simples e clara de Jesus que morreu por mim, aonde mais poderia ir? O desejo desesperado em mim clamava por Jesus, clamava por certeza. Caí de joelhos, derramei-Lhe minha alma e pedi-Lhe que entrasse em meu coração e me perdoasse todos os pecados. Pedi-Lhe que me tornasse um filho de Deus para sempre, e me desse a vida eterna. Pedi-Lhe uma salvação consciente, e tomei-O para meu Salvador e Senhor pessoal.

Levantei-me e enxuguei as lágrimas. Guy apontou o dedo para mim e peguntou:

--Jesus o salvou ou Ele mentiu? Ele tinha de fazer uma das duas coisas.

Dentro de mim eu sabia que algo tremendo havia acontecido. Desfizera-se um fardo que eu nem sabia estar levando; alegria e paz inaudíveis enchiam meu coração. Mas depois de anos de estudo de psicologia, eu não ia depender somente das experiências, das emoções, e dos sentimentos. De modo que eu simplesmente disse a Guy:

--Bem, Ele não podia mentir, logo Ele deve ter-me salvado.

Guy abriu a Bíblia em João 3:36: "Por isso quem crê no Filho tem a vida eterna." Olhei cuidadosamente para esse versículo, saboreando cada palavra. Então eu sabia, não simplesmente sentia. Sabia! Jesus havia me salvado! Agora eu tinha, neste instante, a vida eterna. Sua Palavra o afirmava e Ele não pode mentir. Seu Espírito Santo testemunhava com meu espírito que eu era Seu filho, com a certeza de estar com Ele no céu, segundo Sua Palavra escrita. Guy e eu ajoelhamo-nos novamente e agradeci a Deus com simplicidade por ter salvado minha alma e por ter me dado vida eterna.

Mal podia esperar para contar a John! Quando fui verdadeiramente salvo, fiquei sabendo no mesmo instante que o mormonismo não era o caminho. Foi como se Deus tivesse ligado um grande holofote sobre todo o sistema e revelado sua resposta a mim. Mas eu tinha grande afeição por John, e desejava partilhar minha alegria e certeza com ele. Ajuntei todo o material do mórmons que ele havia me dado e corri `a sua casa.

-John, John -- gritei.--Encontrei Jesus. Acabo de ser salvo e sei que vou para o céu!

-Você foi hipnotizado!--rugiu ele, tornando-se vermelho.

-Você não tem certeza de ter sido salvo, John? -perguntei.

-Não, e você também não -- asseverou ele, agitando-se mais a cada instante.

Fiquei chocado. Seria este o meu John amável e gentil? Por que não se alegrava ele com minha alegria por ter eu encontrado Cristo?

-John -- perguntei seriamente -- você quer dizer que todo esse tempo em que esteve falando comigo acerca de pertencer à única igreja verdadeira; acerca de ter profetas e sacerdotes; acerca da autoridade, que você nem mesmo tem certeza do lugar para onde vai quando morrer?

-Suponhamos que eu estivesse perdido na floresta com várias outras pessoas. Suponhamos que estivéssemos desesperados e que só tivéssemos tempo suficiente para sair se escolhêssemos o caminho certo imediatamente antes de morrermos de fome ou nos congelarmos de frio. Suponhamos que nos encontrássemos com você, e você nos dissesse ter um mapa infalível, e ser um guia conhecedor destas florestas e insistisse em que nós o seguíssemos, pois todos os outros caminhos eram errados. Então suponhamos que eu lhe perguntasse se tinha certeza de não estar perdido, se sabia onde se encontrava, você admitisse que não, e que nem mesmo tinha certeza do lugar para onde ia. John, eu o amo, mas sei que estou salvo, e não posso mais acompanhá-lo.

Com isso devolvi a John o material sobre o mormonismo. John e eu continuamos amigos. Ele me visitou várias vezes com líderes mórmons tentando reconquistar-me. Fiquei tocado pelo seu interesse óbvio, com seu cuidado.

Mas eu sabia que jamais estaria entre os que a Bíblia diz "aprendem sempre e jamais podem chegar ao conhecimento da verdade" (veja 2 Timóteo 3:7).

Uma vez que a pessoa verdadeiramente encontra a Jesus, a procura termina. Eu havia lido a Bíblia e freqüentado a igreja toda a vida, mas não O havia encontrado. Orava diariamente, e em caminhadas longas nas noites de lua muitas vezes havia sentido a presença calorosa de Jesus. Cria que O amava, mas isto era diferente, mais rico e muito mais doce.

Antes a salvação era como amar alguém e ter uma certa comunhão antes do casamento, mas essa pessoa não lhe pertence nem você pertence a ela. Então, pelo simples ato do casamento você diz "Sim" e ela também o faz. Não há mágica nas palavras, mas, se for amor verdadeiro, suas vidas são mudadas para sempre. Ela lhe pertence e você pertence a ela. O que antes pensava ser amor não se pode comparar com o que agora você possui. Ao receber a salvação verdadeira, ao casar-se com Jesus é um ato que a Bíblia chama de conversão, você sabe a diferença. Antes eu era religioso, mas perdido. Agora estou salvo.

John jamais entendeu, embora tenha eu orado por ele e por ele chorado com verdadeira dor de coração.

Hoje, anos mais tarde, depois de passar milhares de horas em estudo bíblico, depois de ler centenas de livros escritos por mórmons e centenas de folhetos -- tanto a favor como contra -- desejo partilhar com outros corações famintos, no amor de Cristo e conforme Deus me der capacidade, o que Ele tem me mostrado.



Cap.2
José Smith e a Primeira Visão


Muitos que lêem este livro poderão perguntar: Onde os mórmons conseguiram idéias tão diferentes acerca de Deus e de Cristo? Qual é a fonte de sua doutrina? Onde sua igreja realmente se originou? Qual é o fundamento sobre o qual se firmam suas crenças?

De maneira muito breve, os mórmons ensinam que o verdadeiro evangelho desapareceu da terra logo depois da era da igreja apostólica. Crêem que todas as igrejas de então se tornaram falsas, e que não tinham autoridade dada por Deus. Todos os cristãos professos, durante centenas de anos eram corruptos, falsos, apóstatas. Então Deus restaurou o verdadeiro evangelho e sua autoridade original mediante um jovem chamado José Smith. Um anjo apareceu, em visão, ao jovem José e depois levou-o a algumas placas de ouro escondidas perto de Palmyra, no estado de Nova lorque. Destas placas, Deus fez com que José Smith fosse capaz de produzir O Livro de Mórmon, o primeiro livro inspirado, o fundamento do mormonismo.

Uma vez que José Smith declarou que todas as igrejas, sem exceção, são falsas e todos os seus membros são corruptos, parece-nos justo contestá-lo. Se José foi um verdadeiro profeta de Deus, então a Primeira Visão devia ser clara e indiscutível, pois Deus não é autor de confusão. Mas, ouçamos as próprias fontes mórmons quanto à importância desta Primeira Visão.

Primeira Visão de 1820

David O. McKay, apóstolo e líder mórmon declarou: "A aparição do Pai e do Filho a José Smith é o fundamento desta igreja."[1]

O apóstolo mórmon John A. Widtsoe disse: "A Primeira Visão, de 1820, é de importância vital à história de José Smith. Sobre sua realidade descansam a verdade e o valor de seu trabalho subseqüente."[2]

Obviamente, a integridade de José Smith e a verdade do mormonismo estão em jogo. Se a Primeira Visão for o fundamento sobre o qual se firma o mormonismo, examinemos, em atitude de oração e mui cuidadosamente, esse fundamento.

A igreja mórmon diz que José Smith teve uma visão em 1820, quando era um mocinho de 14 anos de idade. Esta visão aconteceu na "manhã de um lindo e claro dia, nos primeiros dias da primavera de 1820". José Smith tinha ido aos bosques orar a fim de saber "qual de todas as seitas era a verdadeira". Enquanto orava, viu dois personagens pairando acima dele no ar. Um dos personagens apontou ao outro e disse: "Este é o meu Filho Amado. Ouve-o." Então um dos personagens, aos quais José Smith identifica como o Pai e o Filho, disse-lhe que todas as igrejas estavam erradas.

É estranho que não se mencione esta visão nos registros mais antigos da igreja mórmon e a Improvement Era (Era da Melhoria), admite: "O relato oficial" de José Smith de sua primeira visão e das visitas do anjo Moroni foi...publicado pela primeira visão em Times and Seasons (Tempos e Estações) em 1842."[3] Isto, 22 anos depois do que se supõe ter o evento acontecido. Mesmo assim a primeira visão é vista como o fundamento da igreja mórmon que começou em 1830! O Livro de Mórmon foi publicado em 1830 também. Por que José Smith não deu um relato oficial da visão antes de 1842?

Por anos, os mórmons declararam enfaticamente: "José Smith viveu pouco mais de 24 anos depois desta primeira visão. Durante esse tempo ele contou somente uma hostória!"[4] Isto, é claro, não é verdade. Jerald e Sandra Tanner, no seu panfleto, The First Vision Examined (Exame da Primeira Visão), mostraram que existiam na igreja mórmon duas versões, além da versão oficial de Smith, mas não foram publicadas até que Paul Cheesmand, aluno da Universidade Brigham Young as expôs em 1965.

Outro relato da primeira visão veio à luz por intermédio de James B. Allen, professor assistente de História na UBY, em 1966, depois dos mórmons, por vários anos, negarem a existência de outras versões! Estas versões contêm discrepâncias importantes da versão oficial. Para uma explicação detalhada e erudita, veja o panfleto de Tanner, The First Vision Examined.

Até Brigham Young, que teve 363 de seus sermões registrados no Journal of Discourses (Diário de Discursos), como profeta "inspirado" sucessor de José Smith, não menciona a Primeira Visão. O bibliotecário mórmon Lauritz G. Petersen,numa carta datada de 31 de agosto de 1959, escreveu: "Tenho examinado o Journal of Discourses (Diário de Discursos) que registra muitos do sermões de Brigham Young. Nada há ali por Brigham Young sobre a primeira visão de José Smith."[5]

É bastante estranho que Oliver Cowdery, o primeiro historiador mórmon (segundo Doctrines of Salvation (Doutrinas da Salvação), volume 2, página 201), nem mesmo se refira à Primeira Visão. Cowdery foi uma das três testemunhas principais de O Livro de Mórmon. Earl E. Olsen, bibliotecário mórmon, da Igreja dos Santos dos Últimos Dias, escreveu numa carta de 24 de março de 1958: "Nos registros que temos em arquivo dos escritos de Oliver Cowdery e John Whitmer, tais como são, não encontramos referência à Primeira Visão."[6]

Primeira Visão de 1823

Entretanto, foi descoberto que Oliver Cowdery, auxiliado pelo próprio José Smith, publicou um relato da Primeira Visão no Messenger and Advocate (Mensageiro e Advogado), em setembro de 1834, e em fevereiro de 1835, diferindo em pontos importantes da "versão oficial" publicada mais tarde, em 1842. Na verdade, os primeiros relatos da igreja mórmon referentes à Primeira Visão de José Smith diziam que ele tinha 17 anos, e não 14.

(Bons amigos mórmons, honestamente embasbacados com as aparentes contradições e confusões que vamos apresentar, disseram-nos que tínhamos confundido a Primeira Visão de José Smith com outra visão ou visões que ele teve. Simpatizamos com a dor de coração que sentem pelo que os seguintes fatos revelarão. Entretanto, lemos muitas das visões de José Smith e estamos muito bem cônscios delas, como muitos outros estudiosos do mormonismo o estão. O próprio José Smith e outras autoridades mórmons declararam claramente que a visão que estamos discutindo foi a primeira. Devemos encarar a realidade, com gentileza mas firmemente.)

Orville Spencer, preeminente mórmon do começo da igreja, escreveu uma carta de Nauvoo, no estado de Illinois, em 1842, dizendo: "José Smith, ao ter as primeiras manifestações dos grandes desígnios dos céus, não estava longe da idade de dezessete anos." [7]

Ora isto está de acordo com o relato da idade de Smith, 17 anos em 1823, ao serem dados os primeiros relatos da visão, como prova o Messenger and Advocate, vol.1, páginas 78,79, referindo-se a um reavivamento que diz ter sido realizado em Palmyra e nos seus arredores no estado de Nova Iorque, mais ou menos na época da visão de José Smith. Enquanto esta excitação continuava, ele continuava a clamar ao Senhor em secreto por uma manifestação plena da aprovação divina e, para ele, a informação de grande importância, se um Ser Supremo existia, que tivesse a certeza de ser aceito por ele... Na noite do dia 21 de setembro de 1823, nosso irmão, antes de ir para o quarto, tinha a mente completamente envolvida com o assunto que por tanto tempo o havia agitado -- seu coração fazia oração fervorosa... enquanto continuava orando por uma manifestação, de alguma maneira, de que seus pecados haviam sido perdoados; esforçando-se para exercitar fé nas Escrituras, de repente uma luz como a do dia, só que de uma aparência e brilho mais puros e gloriosos, invadiu o quarto... e num momento um personagem apareceu perante ele... ouviu-o declarar ser o mensageiro enviado por mandamento do Senhor, para entregar uma mensagem especial e testemunhar-lhe que seus pecados estavam perdoados."[8]

Notem, por favor, que esta é uma fonte mórmon, e um relato oficial mórmon admitindo que José Smith, aos 17 anos de idade em 1823, nem mesmo sabia se existiam ou não um Ser Supremo, embora mórmons posteriores digam que ele teve uma visão do Pai e do Filho, em 1820, aos 14 anos de idade!

De fato, o líder e apóstolo mórmon David O. McKay declarou que esta Primeira Visão, que José Smith declarava ter 14 anos, era o fundamento da igreja mórmon! Por que, então José Smith nem mesmo sabia da existência de um Ser Supremo, em 1823, aos 17 anos de idade?

Primeira Visão e Anjos

Além disso, no Deseret News (Notícias Deseret), de 29 de maio de 1852, cita-se José Smith dizendo: "Recebi a primeira visitação dos anjos quando tinha cerca de quatorze anos de idade." Isto mostra outra discrepância de muitas fontes mórmons. Os relatos mais antigos da visão dizem que um anjo apareceu a José Smith, não o Pai e o Filho.

Afirmou o apóstolo Orson Pratt: "Logo um indivíduo obscuro, um jovem, levantou-se, e no meio de toda a cristandade, proclamou as novas espantosas de que Deus lhe havia enviado um anjo... isto ocorreu antes de este jovem ter 15 anos de idade."[9] Isto obviamente se refere à Primeira Visão de Smith.

John Taylor, o terceiro presidente da igreja mórmon, afirmou: "Como é que se originou este estado de coisas chamado mormonismo? Lemos que um anjo desceu do céu e revelou-se a José Smith e manifestou-lhe, em visão, a verdadeira posição do mundo do ponto de vista religioso."[10]

A despeito da evidência irrefutável dos próprios apóstolos mórmons, a história da Primeira Visão cresceu e foi mudada até chegar `a versão de hoje: que José Smith viu o pai e o Filho. Segundo a versão atual, em 1820, quando tinha quatorze anos de idade, José Smith viu uma coluna de luz. "Logo após esse aparecimento, senti-me livre do inimigo que havia me sujeitado. Quando a luz repousou sobre mim, vi dois Personagens, cujo resplendor e glória desafiam qualquer descrição, em pé, acima de mim, no ar. Um Deles me falou, chamando-me pelo nome e disse, apontando para o outro : Este é o meu Filho Amado. Ouve-O."[11]

Nem José Smith, nem os apóstolos inspirados dos mórmons que o citaram estão de acordo com a história original acerca do ano, da idade de José nem do conteúdo da visão.

A Primeira Visão e o Sacerdócio

O próprio José Smith deu prova positiva de que ele não viu o Pai e o Filho em 1820. Em 1832 José Smith disse ter uma revelação de Deus na qual afirmava que o homem não pode ver à Deus sem o sacerdócio. Mas como o próprio José Smith admitiu, ele não era sacerdote em 1820, nem reivindicou para si mesmo esse ofício até os princípios de 1830![12]

A revelação de José Smith, de 1832, concernente ao sacerdócio está registrada na seção 84 de Doutrinas e Convênios, versículos 21,22: E sem as suas ordenanças, e a autoridade do sacerdócio, o poder de divindade, não se manifesta aos homens na carne; Pois, sem isto nenhum homem pode ver o rosto de Deus, o Pai, e viver."

O apóstolo mórmon Parley P. Pratt declarou: "A verdade é esta: sem o sacerdócio de Melquisedeque, `homem algum pode ver à Deus e viver!"[13] José Smith não era sacerdote em 1820. Se sua revelação de que homem algum pode ver a Deus sem o sacerdócio fosse verdadeira, então José Smith jamais havia visto à Deus e sua alegação em 1842 de que em 1820 fosse verdadeira, então sua revelação em 1832 que homem algum poderia ver à Deus sem o sacerdócio era falsa. De qualquer forma isto mostraria que José Smith não era o profeta de Deus que algumas pessoas pensavam que fosse.

Moroni ou Nefi

Outro problema digno de menção relacionado com isto é que o anjo que disse ter aparecido a José Smith é quase sempre chamado de Moroni, tanto por José Smith como por outros escritores mórmons. Entretanto, na primeira edição de 1851 de Pérola de Grande Valor, página 41, o nome do anjo era Nefi e não Moroni. Mais provas acerca disto podem ser encontradas em Times and Seasons (Tempos e Estações), volume 3, páginas 479 e 753, e nos escritos da mãe de José, Lucy Mack Smith, em seus Esboços Biográficos (Biographical Sketches) de 1853.

Em Resumo

Parece estar em ordem algumas observações acerca de José Smith e da Primeira Visão. David O McKay, ex-presidente e inspirado apóstolo mórmon, declarou ser a Primeira Visão o fundamento da igreja mórmon. Sobre isto descansa finalmente toda a autoridade que os mórmons dizem ter.

Perguntamos: por que tantos líderes, apóstolos, presidentes e escritores mórmons andam tão confusos acerca do que José Smith viu ou não viu? Por que o próprio José Smith fez vários relatos totalmente irreconciliáveis da Primeira Visão? Por que a versão de José Smith e a versão oficial dos mórmons não saiu até 1842 se esta visão é tão importante para o mormonismo? A igreja começou em 1830, e O Livro de Mórmon foi publicado em 1830, mas a visão de 1820, sobre a qual a igreja foi fundada, não foi dada oficialmente até 1842!

Por que temos "revelações" contraditórias dadas por Deus ao seu apóstolo inspirado? Deus nunca se contradiz. Quando qualquer palavra ou revelação é contraditória não pode ser de Deus. José Smith realmente teve uma visão? Se assim foi, quando? Com que idade? O que ele viu realmente? Foi um anjo bom ou um anjo mau, se teve uma visão? Foi um espírito de Deus ou um dos espíritos de Satanás que lhe apareceu como um anjo de luz? "E não é de admirar, porque o próprio Satanás se transforma em anjo de luz. Não é muito, pois, que os seus próprios ministros se transformem em ministros de justiça; e o fim deles será conforme as suas obras" (2 Coríntios 11:14, 15).

Pense novamente nas contradições do tempo da visão, da idade de José Smith, e do conteúdo da visão. Pense acerca da revelação que José Smith teve em 1832 que só os que foram ordenados ao sacerdócio poderiam ver a Deus e viver, mas dizia-se que ele havia visto `a Deus em 1820, muitos anos antes de ter sido feito sacerdote por seu própio testemunho. 1 Coríntios 14:33 diz: "Porque Deus não é de confusão; e, sim, de paz. Como em todas as igrejas dos santos."

Não conforta nada saber que muitos cultos começaram com uma visão--ou alegações de uma visão ou por não crerem na Palavra de Deus, ou por não crerem que ela fosse suficiente. Deus, portanto, enviou-lhes "a operação do erro" para que cressem na mentira (veja 2 Tessalonicenses 2:10-12).

Finalmente, os mórmons precisam examinar seriamente Gálatas 1:8: "Mas, ainda que nós, ou mesmo um anjo vindo do céu vos pregue evangelho que vá além do que vos temos pregado, seja anátema."

Se esta Primeira Visão for o fundamento, vejamos o que José Smith sobre ele construiu.

____________
Notas
[1] David O. McKay, Gospel Ideals (Ideais do evangelho) - (Salt Lake City: The Church of Jesus Christ of Latter-Day Saints, 1953), página 85.
[2] John A. Widtsoe, Joseph Smith - Seeker After Truth (Joseph Smith - buscador da verdade) - (Salt Lake City: Deseret Book Co., 1951), página 19.
[3] Improvement Era (Era da Melhoria), julho de 1961, página 490. (Periódico mensal publicado pela igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias.)
[4] Joseph Smith, The Prophet (Joseph Smith, o profeta) - 1944, página 30. Citado por Jerald e Sandra Tanner em The First Vision Examinded (Exame da primeira visão) - Salt Lake City: Modern Microfilm Co., 1969 - página 2.
[5] Jerald Tanner, Mormonism: A Study of Mormon History and Doctrine (Mormonismo: Estudo da história e doutrina mórmons) - (Clearfield, Utah: Utah Evangel Press, 1962), página 79.
[6] Tanner, Mormonism, página 8.
[7] Millenial Star (Estrela Milenar), vol. 4, página 37.
[8] Messenger and Advocate (Mensageiro e advogado), vol. 1, pp. 78,79. Citado por Tanner em The First Vision Examined (Salt Lake City: Modern Microfilm co., 1969), p. 15.
[9] Journal of Discourses (Diário de discursos) - Liverpool, England : F.D. e S. W. Richards, Pub., 1854. Edição reimpressa, Salt Lake City, 1966), vol. 13, pp. 65,66. O Journal of Discourses é uma coleção de sermões por Brigham young, Orson Pratt, Heber Kimball e outros de 1854 a 1886.
[10] Journal of Discourses, vol. 10, p. 127.
[11] Joseph Smith, Pérola de Grande Valor - (Salt Lake City: A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, 1958), p. 48, #17. (Na edição brasileira, de 1967, p. 56, #17.)
[12] Bruce R. McConkie, ed. Doctrines of Salvation (Doutrinas da salvação) - (Salt Lake City: Bookcraft, Inc., 1954), vol. 1, p. 4.
[13] Parley P. Pratt. Writings of Parley P. Pratt (Escritos de Parley P. Pratt) p. 306. Citado por Jerald e Sandra Tanner em Mormonism, Shadow or Reality (Mormonismo - sombra ou realidade) - (Salt Lake City: Modern Microfilm Co., 1972), p. 144.



Cap.3
José Smith - Profeta de Deus


Foi José Smith um profeta de Deus? Sou imensamente grato a Deus por não ter deixado que decisões tão importantes dependessem de opiniões ou caprichos dos homens. Ele providenciou um teste absolutamente infalível e que até o cristão mais simples pode usar a fim de determinar se a pessoa que se diz profeta é verdadeira ou falsa. É tão claro que inclusive os que não são cristãos podem aplicá-lo e não serem desviados da busca da verdade.

Eis o teste de Deus para o profeta: "Porém o profeta que presumir de falar alguma palavra em meu nome, que eu não mandei falar, ou o que falar em nome de outros deuses, esse profeta será morto. Se disseres no teu coração: Como conhecerei a palavra que o Senhor não falou? Sabe que quando esse profeta falar, em nome do Senhor, e a palavra dele se não cumprir nem suceder, como profetizou, esta é palavra que o Senhor não disse; com soberba a falou o tal profeta: não tenhas temor dele" (Deuteronômio 18:20-22).

Nesta e também em numerosas outras passagens bíblicas descobrimos que Deus falou por meio de seus profetas verdadeiros, palavra por palavra, enquanto profetizavam. Uma vez que Deus não pode mentir nem errar, o cumprimento das palavras de seus profetas verdadeiros sempre foi exato.

Qualquer profeta que não passasse neste teste da profecia cumprida era profeta falso. (Veja Deuteronômio 13:1-5; Isaías 9:13-16; Jeremias 14:13-16; Ezequiel 13:1-9.)

Uma profecia falsa desqualificava o homem para sempre como profeta de Deus. Segundo as Escrituras, sob a lei do Antigo Testamento, o profeta que presumisse falar o que Deus não havia mandado, devia ser morto.

A seguir apresentamos algumas profecias de José Smith que não passaram no simples teste de exatidão de Deus:

1. Concernente à Nova Jerusalém e seu templo (Apocalipse 21:22).
Segundo esta profecia em Doutrina e Convênios 84:1-5, dada em setembro de 1832, a cidade e o templo devem ser erigidos no estado de Missouri nesta (atual) geração.

Os apóstolos da igreja mórmon conheciam esta profecia e declararam no Journal of Discourses (Diário de Discursos) (volume 9, página 71; volume10, página 344; volume 13, página 362), sua certeza de que esta profecia havia de se cumprir durante a geração na qual a profecia foi feita por Smith em 1832. De fato, no dia 5 de maio de 1870, o apóstolo Orson Pratt declara ostensivamente: "Os Santos dos Últimos Dias esperam ter o cumprimento desta profecia durante a geração em existência em 1832 assim como esperam que o sol nasça e se ponha amanhã. Por quê? Porque Deus não pode mentir. Ele cumprirá todas as suas promessas." (1)

A cidade não foi construída; o templo não foi erigido nesta geração. A profecia era falsa.

2. Sião, no Estado de Missouri, "não poderá cair, nem ser removida de seu lugar", Doutrina e Convênios, seção 97:19.
José Smith estava na cidade de Kirtland, Estado de Ohio quando fez esta predição e não tinha consciência de que Sião fora removida--duas semanas antes da assim chamada revelação.

3. A casa Nauvoo deve pertencer à família Smith para sempre, Doutrina e Convênios 124:56-60.
José Smith foi morto em 1844. Os mórmons foram levados de Nauvoo e a casa já não pertence à família Smith. Esta profecia era falsa. José Smith era um falso profeta.

4. Os inimigos de José Smith serão confundidos ao procurar destruí-lo, 2 Nefi 3:14,
O Livro de Mórmon. Smith foi morto, a bala, na prisão de Carthage, em Illinois, no dia 27 de junho de 1844.

5. Jesus Cristo devia nascer em "Jerusalém, que é a terra de nossos antepassados", Alma 7:10, O Livro de Mórmon.
A Palavra de Deus diz que Jesus nasceria em Belém (Miquéias 5:2), e essa profecia foi cumprida (Mateus 2:1).

6. A vinda do Senhor, History of the Church (História da Igreja), volume 2, página 182.
Em 1835 José Smith, profeta e presidente predisse "a vinda do Senhor, que estava próxima...até mesmo cinqüenta e seis anos deviam terminar a cena". (2)

7. Referente aos "habitantes da lua", Journal of Oliver B. Huntington, volume 2, página 166.
Esse devoto e dedicado companheiro mórmon de José Smith citou-o descrevendo sua revelação a respeito da lua e seus habitantes: "Os habitantes da lua têm tamanho mais uniforme que os habitantes da Terra, têm cerca de 1,83m de altura. Vestem-se muito à moda dos quacres, e seu estilo é muito geral, com quase um tipo só de moda. Têm vida longa; chegando geralmente a quase mil anos." (3)

8. Uma profecia bastante reveladora é relatada por David Whitmer, uma das Três Testemunhas do Livro de Mórmon.
Em seu livro, An Address to All Believers in Christ (Uma Proclamação a todos os crentes em Cristo)--(Richmond, Missouri, 1887), Whitmer disse que José Smith recebeu uma revelação de que os irmãos deviam ir a Toronto, no Canadá, e que venderiam ali os direitos autoraris do Livro de Mórmon. Foram mas não puderam vender o livro, e pediram explicações a José Smith. Smith, sempre esperto, disse-lhes: "Algumas revelações são de Deus; algumas são dos homens, e outras são do diabo."

Profeta bíblico algum jamais usou tal desculpa, pois nenhum profeta verdadeiro de Deus jamais falhou. Durante o período do Antigo Testamento, Smith teria sido imediatamente apedrejado até à morte, por se fazer passar por profeta de Deus. Se Smith não podia saber se a profecia vinha de Deus, do homem ou do diabo, não podemos confiar em suas revelações em O Livro de Mórmon e também nos outros escritos. Como é que podemos confiar nosso destino eterno a tal homem?!

Os mórmons gostariam de tachar o livro de Whitmer de "escrito apóstata". Dizem, entretanto, ser ele uma das três Testemunhas Sagradas, que "jamais negou seu testemunho"; neste caso ele certamente não poderia ser apóstata.

9. Em outra ocasião o astuto Smith declarou:
"Na verdade, assim diz o Senhor: é sábio que o meu servo David W. Patten, liquide todos os seus negócios, logo que possível, e disponha de sua mercadoria, para que na primavera que vem, em companhia de outros, doze, incluindo a si, desempenhe uma missão para mim, a fim de testificar do meu nome e levar novas de grande alegria a todo o mundo." (4)

A data em que esta profecia foi dada era 17 de abril de 1838. David Patten morreu de ferimentos de arma de fogo no dia 25 de outubro de 1838. Não viveu para sair em missão na primavera. Deus, que conhece o futuro, não haveria de chamar um homem para uma missão, não a revelaria nem a faria registrar se soubesse que esse homem morreria antes do seu cumprimento. Isso faria de Deus um idiota ignorante, sem preparo e sem conhecimento do futuro. Suas revelações e profecias certamente não seriam "a segura Palavra de Deus".

Os mórmons tentam, pateticamente, defender esta profecia de Smith dizendo que David Patten pode ter sido chamado para uma missão em algum outro mundo (depois da morte). Se isto for verdade, não há registro de que os outros onze homens também tenham morrido para acompanhar a Patten nessa missão à qual foram chamados. É estranho que Deus nem mesmo se tenha importado em mencionar uma coisa tão estupenda como a morte do homem, expondo-se a uma acusação de profecia falsa. Deus não brinca com sua palavra nem com seus profetas. Esta profecia de José Smith foi uma profecia falsa, e não de Deus.

O teste de Deus para o profeta é muito simples; é muito claro. José Smith não pode passar no teste. Suas profecias falharam. José foi um profeta falso.

Amigos mórmons a quem apresentei esta prova têm tido reações variadas, como era de se esperar. Alguns ficaram abalados, admitiram que José Smith foi um falso profeta e voltaram-se, com todo o coração, para Jesus somente, para a alegria deles e minha.

Certa senhora mórmon amável, havia trabalhado infatigavelmente na igreja mórmon e havia se tornado bastante conhecida no trabalho entre as mulheres de um estado vizinho ao meu. Leu este material, conversou comigo e foi maravilhosamente libertada do mormonismo e trazida a Cristo. Ela ama o povo mórmon e sente por ele uma responsabilidade tremenda. Mais tarde, tive a alegria inexprimível de levar seu marido mórmon a Cristo.

Como ele chorou de alegria quando Jesus o libertou de seus pecados e concedeu-lhe o dom gratuito da vida eterna! Tal paz, segura e duradora, ele nunca havia encontrado no mormonismo.

Outros mórmons, em defesa de O Livro de Mórmon e da igreja mórmon, e com medo das espantosas implicações para si mesmos e suas famílias, se recusam a admitir o óbvio - que José Smith foi um profeta falso. Tentam desesperada ou valentemente, dependendo do ponto de vista do leitor, salvá-lo de seu dilema inextricável.

"Você tirou o que ele disse do contexto em que foi dito!" declararam alguns.

"Talvez ele quisesse dizer outra coisa", foi outra resposta triste.

"As pessoas na Bíblia tinham faltas", responderam vários, o que nada tem que ver com o teste de Deus para o profeta.

"Simplesmente não acredito que José Smith foi um profeta falso!"

"É um monte de mentiras!" gritou uma querida alma mórmon, ignorando o fato de que as citações são quase que exclusivamente de livros, fontes, e apóstolos mórmons, e estão bem documentadas de modo que pode verificar por si mesma e tirar suas próprias conclusões.

Por certo que os corações de todos os cristãos verdadeiros têm compaixão pelos mórmons, se houver em tais corações um grama do amor de Cristo. Ver e sentir a angústia dos que começam a reconhecer que foram iludidos não é nada agradável. Entretanto, a angústia de uma eternidade perdida sem Cristo é infinitamente mais horrível. O verdadeiro amor não pode fugir à responsabilidade. Podemos sentir como o médico que se deve fazer de aço a fim de dizer a um amigo querido que sofre de câncer.

O teste foi dado. José Smith não passou no teste. Não foi profeta de Deus. Foi um falso profeta.

__________
Notas
[1] Pratt, Journal of Discourses, vol.9, p.71
[2] Joseph Smith, History of the Church (História da Igreja) (Salt Lake City; A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, 1902-1912), volume 2, p.182.
[3] Huntington Library, San Marino, California, de o Journal of Oliver B. Huntington, volume 2, página 166.
[4] Doutrina e Convênios 114:1
.Fonte: www.jesussite.com;br

Nenhum comentário:

 
© Template Scrap Suave|desenho Templates e Acessórios| papeis Bel Vidotti