sexta-feira, 7 de maio de 2010

IGREJA EVANGÉLICA A VOZ DA VERDADE - SERÁ ?

studos de Seitas      Apologética       Voz da Verdade
Igreja Evangélica Voz da Verdade - Será?
Publicado em 9/22/2002
Natanael Rinaldi
Revista Defesa da Fé
Diz o Credo de Nicéia:

Cremos... em um só Senhor Jesus Cristo, o Filho de Deus, gerado pelo Pai, unigênito, isto é, da substância do Pai, Deus de Deus, luz de Luz, Deus verdadeiro de Deus verdadeiro...

ICP recebeu um exemplar do CD “O MISTÉRIO DE DEUS: CRISTO”. Esse CD está sendo distribuído gratuitamente a todos os evangélicos simpáticos ao “Conjunto Voz da Verdade” em todo o Brasil. Nele o pastor, compositor e guitarrista Carlos Alberto Moisés, ao lado de sua digna esposa, faz a apologia da doutrina unicista, que sustenta haver uma única Pessoa na divindade e que essa Pessoa é Jesus.

Por outro lado, um certo jornal de Bauru, edição de julho de 1999, p. 10 publicou a seguinte manchete: Voz Da Verdade Diz Que Não É Seita. Tratava-se da apresentação do conjunto por ocasião do lançamento do seu CD – “Quando Deus Se Cala” – Estiveram presentes, segundo o jornal, cerca de 1500 pessoas, que pagaram de R$8,00 a R$ 10,00 pelo ingresso. O gasto total foi de R$ 12.000,00 e “Só o Voz da Verdade cobrou R$ 4,5 mil livre”.

Na entrevista concedida por um dos integrantes da banda, afirmou ele: Atualmente o grupo Voz da Verdade tem sido perseguido por um fantasma: o boato de serem uma seita que prega heresias. Comentários, no mínimo, maldosos sendo que até agora ninguém provou que isso seria verdade. Vejamos então nessa análise das doutrinas dessa igreja se isso é de fato verdade.

O que crê a Igreja Evangélica Voz Da Verdade (IEVV)

O Estatuto da Igreja Evangélica Voz da Verdade ( IEVV) assim declara: Quando a Bíblia se refere a Deus, está falando no Espírito Santo que é o Pai, Criador e Senhor de todas as Coisas.

Jesus tanto é o Pai, como é o Filho...

antes da manifestação de Jesus como homem, não havia Filho de Deus (somente anjos eram tidos como Filho de Deus)...”

Jesus pode ser Pai e também o Filho? É muito lógico que sim, pois Ele é Deus...

Falando sobre a Trindade, afirmam:

Teoria religiosa de intenção carnal e diabólica com o sentido de alimentar uma ilusão de Satanás que teve a pretensão de pluralizar a plenitude da divindade. (o grifo é nosso)

Análise das crenças unicistas da IEVV

Jesus nos é uma pessoa muita amada a quem tributamos honra, glória e louvor (Apocalipse 5.11-13). Nesses versículos bíblicos, Jesus, o Cordeiro, recebe com Deus, o Pai, adoração de todos os anjos do céu.

E olhei, e ouvi a voz de muitas anjos ao redor do trono, e dos animais, e dos anciãos; e era o número deles milhões de milhões, e milhares de milhares, que com grande voz diziam: Digno é o Cordeiro, que foi morto, de receber o poder, e riquezas, e sabedoria, e força, e honra, e glória, e ações de graças. E ouvi a toda a criatura que está no céu, e na terra, e debaixo da terra, e que está no mar, e a todas as coisas que neles há, dizer: Ao que está assentado sobre o trono (Deus, o Pai), e ao Cordeiro (Jesus Cristo, o Filho), sejam dadas ações de graças, e honra, e glória, e poder para todo o sempre.

Inquestionavelmente, aceitamos que Jesus é verdadeiramente Deus e verdadeiramente homem, com apoio de Cl 2.9, que diz: Porque nele habita corporalmente toda a plenitude da divindade. Duas naturezas – a divina (Jo 1.1) e a humana (Jo 1.14) e uma só pessoa.

Paralelamente, afirmamos com l João 5.20, que o Filho de Deus é vindo e nos deu entendimento para conhecermos o que é verdadeiro, e no que é verdadeiro estamos, isto é, em seu Filho Jesus Cristo. Este é o verdadeiro Deus e a vida eterna. Mas a IEVV não crê assim, como vemos na sua declaração de fé exposta: coloca o Pai e o Filho como personificações e não como personalidades distintas na Trindade.

Personificação ou Personalidade

Que uma pessoa sem muito conhecimento bíblico confunda personificação com personalidade é desculpável. Mas é lamentável que um teólogo que sai em defesa de suas convicções doutrinárias ignore esses princípios elementares do significado das palavras. Tal circunstância leva confusão às hostes evangélicas de todo o Brasil, onde o Conjunto Voz da Verdade é muito apreciado.

a) Pai – Personalidade ou Natureza Divina?

Assim, a IEVV identifica o Pai como apenas um título. Um título usado para se referir à natureza divina de Jesus. Quando na Bíblia se lê sobre o Filho, essa palavra se relaciona apenas com a natureza humana de Jesus, negando sua préexistência como Filho.

Então, o que seria o Pai? O Pai é a natureza divina de Jesus. O Pai não existe como pessoa espiritual. Não se pode perguntar, Quem é o Pai? porque o Pai não é uma pessoa. É apenas a natureza divina de Jesus. O Pai é algo. Pai – dizem – é apenas um título, e não uma personalidade.

b) Filho – Personalidade ou Natureza Humana?

Quem seria o Filho? O Filho não é ninguém, mas é algo: a natureza humana de Jesus. Logo o Filho, como pessoa espiritual, nunca existiu. Jesus, como Filho de Deus passou a existir só depois do seu nascimento em Belém de Judá, pois Filho é apenas a natureza humana de Jesus. Isso na compreensão dos membros do Conjunto Voz da Verdade.

Isso é tão grave, tão herético que em l João 2.22 b lemos: É o anticristo esse mesmo que nega o Pai e o Filho.

c) Espírito Santo – Pessoa Própria ou o Pai?

A Bíblia mostra a personalidade do Espírito Santo e não que o Espírito Santo é o Pai. Sua personalidade é demonstrada pelos atributos de pessoa que possui: a) inteligência (1 Co 2.10); vontade própria (1 Co 12.11) e sensibilidade ou emoção (Ef 4.30). Pode-se afirmar que uma pessoa é alguém que, quando fala, diz: EU; quando alguém se dirige a ela, diz: TU; e quando se fala dela se diz: ELA Isso se vê do Espírito Santo em:

E eu (Jesus) rogarei ao Pai, e ele vos dará outro Consolador (o Espírito Santo), para que fique convosco para sempre.

Mas aquele Consolador, o Espírito Santo, que o Pai (Ele) enviará em meu nome (eu), esse vos ensinará todas as coisas; e vos fará (Ele) lembrar de tudo quanto (eu, Jesus) vos tenho dito (Jo 14.26).

Enquanto meditava Pedro acerca da visão, disse-lhe o Espírito: Estão aí dois homens que te procuram; levanta-te, pois, desce e vai com eles nada duvidando; porque EU os enviei. (At 10.19,20). Além disso, o Espírito Santo exerce atividades pessoais, tais como: a) ele ensina os crentes (Jo 14.26) b) ele testifica de Cristo ( Jo 15.26); c) ele guia em toda a verdade ( Jo 16.13); d) ele glorifica a Jesus ( Jo 16.14); f) ele intercede pelos santos (Rm 8.26).

Natureza x Personalidade

Os unicistas confundem natureza com personalidade. Natureza é a essência ou condição própria de um ser. O Pai é uma pessoa espiritual e sua natureza é absolutamente divina. Bendito o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo... (1Pe 1.3) Personalidade é individualidade consciente. Personalidade indica um ser que tem inteligência, vontade própria e sensibilidade. O Pai é uma pessoa espiritual, com vontade própria (Rm 12.1-2). Assim como o Espírito Santo, que tem vontade própria (1 Coríntios 12.11); inteligência (1 Coríntios 2.11); e sensibilidade (Efésios 4.30).

A quem foi paga a nossa Redenção

A quem Cristo pagou o resgate? Se for negada a doutrina ortodoxa da Trindade (negando-se uma distinção entre as Pessoas da Deidade, conforme quer o modalismo), Cristo teria de ter pago o resgate ou à raça humana ou a Satanás. Posto que a humanidade está morta em transgressões e em pecados (Ef 2.1), nenhum ser humano teria o direito de exigir que o Cristo lhe pagasse resgate. Sobraria, portanto, Satanás. Nós, porém, nada devemos a Satanás. E a idéia de Satanás exigir resgate pela humanidade é blasfêmia, por causa das implicações. Ao contrário: o resgate foi pago ao Deus Trino e Uno para satisfazer as plenas reivindicações da justiça divina contra o pecador caído. E andai em amor, como também Cristo vos amou, e se entregou a si mesmo por nós, em oferta e sacrifício a Deus, em cheiro suave(Ef 5.2).

Embora mereçamos o castigo decorrente da justiça de Deus (Rm 6.23), somos justificados pela graça mediante a fé em Jesus Cristo somente, e é o que alguns têm sido, mas haveis sido lavados, mas haveis sido santificados, mas haveis sido justificados em nome do Senhor Jesus, e pelo Espírito do nosso Deus. (1 Co 6.11). Fica claro que a doutrina essencial da expiação vicária, na qual Cristo carregou nossos pecados na sua morte, depende do conceito trinitariano. O unicismo subverte o conceito bíblico da morte penal e vicária de Cristo como satisfação da justiça de Deus e, em última análise, anula a obra da cruz. (Teologia Sistemática, p. 280, CPAD, la. Edição/1996)

A Bíblia – livro cristocêntrico

Que a Bíblia fala de uma pessoa central e que a Bíblia é um livro cristocêntrico, não há dúvida. Que há um só Deus e que o primeiro mandamento proíbe a existência de outros deuses, nenhum cristão nega. Não terás outros deuses diante de mim (Dt 5.7).

Agora, dizer que há uma só pessoa na Divindade, não. Tanto é assim que a primeira vez que aparece a palavra Deus na Bíblia é em Gênesis 1.1, que se lê: No princípio criou Deus (Elohim) os céus e a terra. A palavra Elohim aparece cerca de 2.500 vezes nas Escrituras Hebraicas e indica pluralidade em unidade. Pluralidade de pessoas e unidade de natureza. Que outra maneira haveria de explicar-se o emprego dessa palavra senão para indicar a pluralidade de pessoas nesse único Deus?

Acresce de importância quando se sabe que existe uma palavra Eloah para referir-se a Deus de modo singular. O uso de Elohim, com referência à Trindade se torna mais acentuado pela fato de que a palavra se usa algumas vezes em concordância com verbos e pronomes no plural, enfatizando-se a forma plural da palavra. A Palavra Trindade – reconhecemos – não é encontrada na Bíblia, mas a doutrina da Trindade é evidente através da Bíblia.

Uso de palavras não bíblicas

Freqüentemente os unicistas desafiam para provar que se mostre na Bíblia a palavra Trindade, alegando que tal palavra não se encontra na Bíblia. Ora, por que os unicistas também se utilizam de palavras que não se encontram na Bíblia? Os unicistas se utilizam de palavras como manifestações, modos do Pai, Filho e Espírito Santo, quando tais palavras não se encontram na Bíblia.

Seus livros estão cheios de expressões como Paternidade de Cristo, o Deus homem.

O significado de Pai e Filho na divindade

Os unicistas afirmam que se a doutrina da Trindade for aceita isto conduz a uma absurda conclusão de Jesus ter dois pais divinos, pois a Bíblia afirma que Jesus foi concebido pelo Espírito Santo (Lc 1.35) e ainda ser chamado Filho de Deus. Como poderia Jesus ser chamado Filho de Deus e ao mesmo tempo ser gerado pelo Espírito Santo? Como poderia, perguntam, a segunda pessoa da Trindade ser gerada pela terceira Pessoa da Trindade? Esse argumento é igual ao usado pelos mórmons quando falam da Trindade.

Só que os mórmons admitem uma mãe celestial e que o Pai celestial desceu do céu com um corpo de carne e ossos e gerou de Maria a Jesus, retornando ao céu. Quando a Bíblia fala sobre o Pai de nosso Senhor Jesus Cristo (Ef 1.2-3) e Jesus como Filho de Deus não está expressando que Deus foi literalmente o progenitor de Jesus, ou de Jesus como sendo de literal progênie de Deus Pai. Tal conceito leva a admitir que Deus tem características sexuais humanas. Tal admissão é encontrada em mitologias pagãs, mas completamente estranha à revelação bíblica.

Quando nós, com base nas Escrituras, chamamos a Deus de Pai e Jesus de o Filho estamos falando simbolicamente e não literalmente. Estamos dizendo que o relacionamento amoroso que existe entre Deus e Jesus é semelhante ao amor de um pai para com o seu filho, mas sem as características que existem no relacionamento entre pai e filho, fisicamente falando. Quando entendemos isso, não vemos problemas em afirmar que aquele que criou o corpo humano de Jesus foi o Espírito Santo (Jo 1.14), muito embora o Pai e o Espírito Santo sejam pessoas distintas na divindade.


Alguns exemplos:

1. Gênesis 1.26: E disse Deus: Façamos o homem à nossa imagem, conforme a nossa semelhança.
Nota: O uso da forma verbal façamos e do pronome nossa é revelador do sentido de que Elohim serve para indicar a pluralidade de pessoas.

2. Gênesis 3.22: Então, disse o Senhor: Eis que o homem é como um de nós...
Nota: O uso do pronome plural “nós” indica pluralidade de pessoas.

3. Gênesis 11.7: Eia, desçamos e confundamos ali a sua língua...
Nota: Os verbos desçamos e confundamos na primeira pessoa do plural indicam pluralidade de pessoas.

Heresias: sim ou não?

Se algum leitor puder declarar que não é heresia afirmar que a doutrina da Trindade é Teoria religiosa de intenção carnal e diabólica com o sentido de alimentar uma ilusão de Satanás que teve a pretensão de pluralizar a plenitude da divindade, conforme diz a IEVV, que continue a convidar o Conjunto Voz da Verdade para abrilhantar suas festividades, mas por favor: renuncie a sua condição de cristão ortodoxo. Se o leitor conhece a Bíblia, então está capacitado para julgar essa questão.

Que uma pessoa sem muito conhecimento bíblico confunda personificação com personalidade é desculpável. Mas é lamentável que um teólogo que sai em defesa de suas convicções doutrinárias ignore esses princípios elementares do significado das palavras.

Isso é tão grave, tão herético que em l João 2.22 b lemos: É o anti-cristo esse mesmo que nega o Pai e o Filho

A palavra Elohim aparece cerca de 2.500 vezes nas Escrituras Hebraicas e indica pluralidade em unidade. Pluralidade de pessoas e unidade de natureza.

Declarações comprometedoras

Alguns Pontos contraditórios na “Instrução Inicial Pró-batismo”, preparada pelo pastor Francisco F. Santos Filho. Rio 6/6/85

1. Aos que são batizados nas igrejas cujo batismo é na tradição dos títulos, esses batismos são considerados válidos?

Resposta:

São considerados com valor religioso, mas não têm valor bíblico algum ( Ef 4.5), pois são um tipo de batismo forjado pelo homem.

Refutação bíblica:

Considerando, como provamos, que o Pai, o Filho e o Espírito Santo são pessoas distintas e não meramente títulos, o batismo trinitário celebrado com base em Mt 28.19 é bíblico. Basta considerar: Quando lemos as palavras de Jesus, “...batizando-os em nome do Pai...” entendemos a personalidade do Pai e não a natureza divina de Jesus; quando lemos as palavras de Jesus “... e do Filho...”entendemos a personalidade do Filho e não a natureza humana de Jesus; e quando lemos “... e do Espírito Santo...” entendemos a personalidade do Espírito Santo, fica claro que se tratam de três Pessoas distintas e não três títulos como erroneamente interpreta o líder da IEVV.

2. Por que o batismo tradicional religioso não tem valor bíblico?

Resposta:

Porque o tal batismo não invoca o nome de Jesus, e se o Nome de Jesus é omitido, não é para perdão e remissão de pecados (Lc 24.47, Cl 3.17). “... eles batizavam invocando o nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo que é JESUS.” Conclusão: Somente é considerado batizado em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo, quando no ato do batismo se invoca o NOME: JESUS

Refutação bíblica:

Quatro erros doutrinários estão declarados:

O batismo não invoca o nome de Jesus;

Batismo para perdão e remissão de pecados;

Eles batizavam invocando o nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo que é JESUS. O batismo nunca foi realizado em nome de Jesus apenas. Em At 2.38 se lê que a autoridade para ministrar o batismo fora dada por Jesus e assim o batismo se realizava pela autoridade dele, na conformidade de Mt 28.19, ou seja “... em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo”. Três Pessoas distintas da mesma natureza divina.

Batismo não é realizado para perdão e remissão de pecados.

A Bíblia enfatiza a humanidade de Jesus (Jo 1.14; 1 Jo 4.1-3) ressaltando que é o sangue de Jesus que nos purifica de todo o pecado (1 Jo 1.7,9; Ap 1.5) e não a água do batismo. Crer em batismo regeneracional é fazer do batismo um sacramento como o dogma da Igreja Católica. Recomenda a Igreja Católica o batismo para a salvação chegando ao cúmulo de afirmar que a criança que morre sem batismo vai para um lugar imaginário chamado Limbo. Em At 10.44 lemos: “Ainda Pedro falava estas cousas quando caiu o Espírito Santo sobre todos os que ouviam a palavra”. Sabemos que o mundo não pode receber o batismo no Espírito Santo (Jo 14.17). Como poderiam então os ouvintes da casa de Cornélio receber o batismo com o Espírito Santo se não fossem salvos por não terem sido batizados nas águas? Batismo nas águas é uma ordenança para as pessoas salvas e não para serem salvas (At 10.48).

3. Muito bem! O batismo corretamente bíblico é de fato em nome de Jesus. Mas qual é a importância do batismo na vida da pessoa?

Resposta:

Através deste ato a pessoa enterra seu velho homem (velho ego) ao mergulhar seus pecados nas águas do batismo para renascer para Deus...

Refutação bíblica:

Lemos que Jesus pregou arrependimento e fé (Mc 1.15). Paulo pregou ao carcereiro que ele podia ser salvo se viesse a crer em Jesus (At 16.30-31). Pregou mais em Rm 10.9-10,13 que a salvação se consuma no ato de crer com o coração e confissão com os lábios. Nessa ocasião se dá a morte da velha natureza e o surgimento da nova (2 Co 5.17).

4. Afinal, que devo fazer para ser batizado? ...

Resposta:

Crer no NOME DE ‘JESUS’ como único Deus.

Refutação bíblica:

Devemos crer no nome de Jesus para sermos salvos (At 16.30,31) e ser batizado em nome da Trindade (Mt 28.19). Jesus é a segunda pessoa da Trindade, Deus verdadeiro de Deus verdadeiro. ...e o Verbo era Deus. (Jo 1.1); Respondeu-lhe Tomé: Senhor meu e Deus meu! (Jo 20.28) Deus é uma palavra polissêmica que se emprega para o Pai (Ef 1.3), para o Filho (1 Jo 5.20) e para o Espírito Santo (At 5.3,4). Deus em Gn 1.1 No princípio criou Deus (Elohim) o céu e a Terra. Isso é repetido em Gn 1.26 quando o verbo “Façamos” e o pronome “nossa” aparecem no plural indicando uma pluralidade de pessoas.

5. Jesus é o nome próprio do Criador Soberano e Supremo que popularmente é conhecido pelo título apenas, que é Deus; mas nem sempre este título designa o Criador Soberano e Supremo; assim sendo a Bíblia deixa claro que também o título Eloah, Jeová, Eloi, Deus etc., são palavras que designam os títulos do Espírito Santo, que tem título de Pai, também tem o título de Filho do homem porque se fez carne.

Refutação bíblica:

Como é possível que pessoas tão despreparadas venham argumentar sobre aquilo que desconhecem? O nome Jesus foi dado quando o Filho de Deus se fez carne. Ela dará à luz um filho e lhe porás o nome de Jesus, porque ele salvará o seu povo dos pecados deles (Mt 1.21). Jesus é o nome humano de Jesus dado pelo anjo Gabriel a Maria: Eis que conceberás e darás à luz um filho, a quem chamarás pelo nome de Jesus (Lc 1.21).

6. Resumindo, concluímos que o Cristo de Deus, é o corpo que Deus moldou no ventre da virgem para comportar a plenitude da divindade... o corpo de Jesus Cristo é a parte física do Espírito Santo, que se fez filho para processar transfusão de sangue limpo e imaculado em nós para nos purificar interiormente e nos fazer filhos também...

Refutação bíblica:

Quem pode entender tal barafunda: “o corpo de Jesus Cristo é a parte física do Espírito Santo, que se fez filho para processar transfusão de sangue limpo e imaculado em nós para nos purificar e nos fazer filhos também. Sabemos pela Bíblia que o Jesus, sendo Deus e Criador de todas as coisas (Jo 1.1-3) se fez carne (Jo 1.14) mas desconhecíamos que o Espírito Santo fosse a parte física de Jesus. Se o Espírito Santo fosse a parte física de Jesus, quando o Espírito Santo desceu sobre os cristãos no dia de Pentecostes (At 2.1-4) então se deu a volta de Jesus. Entretanto, sabemos que o Espírito Santo veio em decorrência da exaltação de Jesus sentado à destra do Pai (At 2.23) e não que o Espírito Santo fosse o próprio Jesus.

6a.Observação:

A Bíblia nos alerta quanto à quantidade variada de deuses... Portanto é na própria Bíblia onde encontramos a afirmação que não há trindade ou variedade de deuses... pois jamais o Senhor permitiria sociedade em sua divindade.

Refutação bíblica:

Cremos na existência de um só Deus eternamente subsistente em três Pessoas: O Pai, o Filho e o Espírito Santo (Gn 1.26 comparado com Mt 28.19) Não somos triteístas. Somos monoteístas (Is 43.10: 44.6 comparado com Ap 1.17; 48.12).

7. Qual é o significado da palavra trindade?

Resposta:

Teoria religiosa de intenção carnal e diabólica com o sentido de alimentar uma ilusão de satanás que teve a pretensão de pluralizar a plenitude da divindade.

Decreto religioso por parte do clero no Conselho de Nicéia no ano 325 dC.

Refutação bíblica:

Se lêssemos essas palavras de uma testemunha de Jeová, entenderíamos essa linguagem sarcástica e blasfema. Mas um dirigente de uma igreja que se diz evangélica, é para se crer que a abominação de que falou o profeta Daniel estar no lugar santo tem o seu cumprimento (Mt 24.15) O Concílio de Nicéia em 325 AD reconheceu a deidade absoluta de Jesus, contestando a doutrina de Ário, que ensinava ser Jesus um ser híbrido entre Deus e anjo como hoje proclamam as testemunhas de Jeová, que consideram Jesus como o arcanjo Miguel.

Diz o Credo de Nicéia: Cremos... em um só Senhor Jesus Cristo, o Filho de Deus, gerado pelo Pai, unigênito, isto é, da substância do Pai, Deus de Deus, luz de Luz, Deus verdadeiro de Deus verdadeiro...

8. Seriam três classificações então? E como entendê-las?

Resposta:

Não se trata de três classificações, mas sim três manifestações. Exemplo Pai, Filho e Espírito Santo, são três formas de manifestações de Deus e não três seres celestiais distintos ou três Deuses.

Quando a Bíblia se refere a Deus, está falando no Espírito Santo que é o Pai.

Deus manifestou como Pai, por ocasião da criação, muito embora Deus só foi registrado na Bíblia como Pai, na pessoa do Filho. Portanto, Jesus tanto é o Pai como é o Filho... Antes da manifestação de Jesus como homem, não havia Filho de Deus (somente anjos eram tidos como filhos de Deus)...

Manifestou-se como Filho, pelo fato de haver tomado forma humana e nasceu

Refutação bíblica:

Os trinitários não negam a deidade absoluta de Jesus, que integra a Deidade Trina do Pai, do Filho e do Espírito Santo.

9. Jesus pode ser o Pai e também o Filho?

Resposta:

É muito lógico que sim, pois Ele é Deus...

Refutação bíblica:

Jesus não é o Pai, pois ensinou a orar: “Pai nosso, que estás nos céus, santificado seja o teu nome”(Mt 6.9). Jesus estava na terra e o Pai estava no céu. No batismo de Jesus, ao sair das águas, ouviu-se uma voz do céu que dizia: Este é o meu Filho amado, em quem me comprazo. (Mt 3.16-17). Perguntamos: quem falava do céu, enquanto Jesus saía das águas? Era Jesus dado ao ventriloquismo?
Fonte: www.jesussite.com

Nenhum comentário:

 
© Template Scrap Suave|desenho Templates e Acessórios| papeis Bel Vidotti